Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

8 de mar de 2011

Algumas Deusas (S)

Texto traduzido pelo Google.

SAMOVILA – Deusa da Floresta

clip_image0014 clip_image0016

Deusa eslava que morava na profundeza da floresta e era uma grande protetora dos animais e tinha um grande conhecimento das plantas medicinais. Ela tem a capacidade de se metamorfosear, ou seja, de mudar de forma. Ela poderia ser um falcão, cisne, cavalo, cobra ou redemoinho ou furacão e não hesitava em causar dano a qualquer um que ameace suas criaturas. Ela poderia atraí-los para um círculo mágico e dançarem até a morte, ou talvez pega em um deslizamento de terra ou se afogaram em um rio. Ela pode acordar para ensinar um ser humano suas habilidades. Sua cerimônia, propriamente dito, eram realizadas na floresta em um domingo de lua cheia, antes do nascer do sol.

 

SARASVATI: Deusa do aprendizado e artes

clip_image001 clip_image0018

Foto 1: Na antiga mitologia védica da Índia, Sarasvati foi conectada com a sacralidade do rio que purificava e trazia a fertilidade para as terras secas. Nos Vedas, por causa de seus poderes de purificação, ela é considerada como uma deusa da cura. Na tradição espiritual, o buscador é dito passar no mundo da ignorância através das águas de purificação e para a costa oposta do iluminismo. Acreditava-se que o rio Sarasvati se originava no céu e continuava a fluir para a terra. Na tarde tradição hindu Sarasvati, como a incorporação da cultura, traz ao mundo os dons de aprendizagem e conhecimento, bem como a fala e as artes, especialmente a música. Ela é conhecida por muitos títulos, incluindo Pratibha (ela que é a inteligência); Kalpanasakti (o poder de formação de ideias); Jnanasakti (poder do conhecimento) e Sarvasastravasini (que vive em todos os livros). Ela é geralmente representada com quatro braços, segurando um livro, simbolizando a aprendizagem, uma vina (alaúde), simbolizando as artes e um pote de água e rosários simbolizando reinos espirituais e ritos religiosos. O cisne e o colar branco feito a partir da árvore do sândalo simbolizar sua pureza.

Foto 2: Sarasvati é uma trindade das Deusas da Água, foi ela quem causou palavras fluem como um rio inundando. Ela inventou todas as artes e ciências e governou o reino intelectual. Foi dito que ela inventou a escrita de modo que a música que inspirou poderia ser preservada. Embora ela é muitas vezes retratado nas costas de um cisne, o pavão é o emblema da Sarasvati.

 

clip_image001[10]

SCATHA (SCATHACH)

Uma grande Deusa guerreira cujo nome significa "aquela que golpeia o medo", foi também chamada de "obscuro esse". Ela morava na Ilha de Skye, Escócia, e ensinou muitos dos lendários heróis celtas todas as suas habilidades, incluindo campo de batalha mágica. Eles viajaram grandes distâncias para estudar com ela e ela os instruiu nos movimentos estratégicos, bem como as artes marciais. Durante a sua estadia de um ano e um dia, ela também ensinou-lhes batalha feroz, gritos e pulos aterrorizante e limites, tornando-os invencíveis em combate. Ela é descrita como a professora de Cuchulainn emTain Bo Cualgne. Depois de terminar o aprendizado, ela mandava os alunos de volta para seu povo para fazer grandes obras. Durante a Idade do Ferro, os celtas usavam capacetes com imagens de certas aves ou animais para parecerem com um aspecto mais ameaçador. Na foto, a estatua ao fundo usa um capacete de ganso, porque o ganzo simboliza agressividade, alerta, um excelente guarda.

 

SEKHMET – O DESPERTAR

clip_image002 clip_image003

Foto 1: Sekhmet era a Deusa de cabeça de leão, que usava o globo solar rodeado por um uraeus (naja cuspindo fogo) na cabeça. Apesar de simbolizar um fera, ela era a Deusa da cura e da retribuição, do Egito antigo. Seu grande poder era tanto como curadora como destruidora paralelo ao do sol do deserto e sua respiração produzida pelos ventos quentes do deserto. Ela era uma Deusa mais antiga do que os mitos que contava sua história, descrita por 4.000 nomes diferentes. Ela também governou sobre as Tábuas do Destino, segurando o destino a todos em suas mãos. Ela fica em frente ao Lago Sagrado em Karnak e possui um ankh, que simboliza a vida, com um escaravelho, simbolizando o sol, a partir do túmulo de Tutankamon, Vale dos Reis, do século 14 a.C., ela também é titular de uma planta de papiro, o símbolo do Baixo Egito, e está usando um colar depois de um túmulo de Tutankhamon, com um encarte de um peitoral retratando-se, mesmo local, c. 1.330 a.C.

Foto 2: Sekhmet, cujo nome significa "a poderosa", era a deusa egípcia da destruição, assim como a cura. Muito desgostosa com os seres humanos por sua falta de reverência, ela começou a comê-los. As outras divindades ficaram preocupadas e fizeram uma mistura de cerveja e suco de romã. Pensando que era sangue, Sekhmet a tomou e caiu em um estado de estupor. Quando ela acordou, toda a raiva dela tinha ido embora. Devido ao seu grande conhecimento de magia, possuía poderes enorme de cura. Ela tinha o poder de se manifestar em forma de energia. Ela tem um ankh, símbolo da vida eterna, na mão esquerda, na direita, ela segura um cetro de papiro. O papiro era o emblema do Baixo Egito e simbolizava a criação do mundo a partir das águas primordiais.

clip_image001[12]

Foto 3: Sekhmet era a Deusa com uma cabeça de leão. Era a Deusa do Sol do Egito, defensora da ordem divina, que se tornou tão desgostosa com a falta de respeito das pessoas que ela começou a comê-los. Os outros deuses, querendo salvar a humanidade, fizeram uma mistura de suco de romã e de cerveja que bebia, que quando ela bebeu caiu em um estupor. Quando ela acordou, sua raiva se foi. Ela representa o fogo purificador que traz a energia em forma. Além de sua ferocidade, por ter um vasto conhecimento e um forte poder mágico, a levou a ser altamente considerada como uma curadora. O mangual na mão esquerda atrai a energia celestial. Ela possui um espelho que representa a cabeça de Hathor, c. 1.460 a.C.

 

clip_image001[14]

SELENE

Selene foi uma das primeiras Deusas gregas da Lua, também conhecida como Phoebe, que dirigia uma carruagem puxada por dois cavalos brancos no céu à noite com a lua no reboque. O seu colar representa um Nike dirigindo um carro da Grécia clássica, o emblema do cavalo é de um cameo romano mostrando Luna dirigindo um carro, no início do século 3.

 

 

 

SENHORA DAS CABRAS

Como um novo dia amanhece, a Terra e todos os seres são novamente considerados sagrados. Todas as criaturas são vistas como seres "- as qualidades únicas de cada um são reconhecidos e respeitados. Como se alimentar estas outras espécies, que por sua vez, nutri nosso espírito, nós reconhecemos a nossa ligação uns com os outros. Nossa ligação espiritual com a Mãe Terra e todas as suas criaturas foi novamente despertada. Como seres humanos percebemos que eles também são parte do mundo natural, ao invés de separar ou acima dele, o planeta e todos os seres sobreviver e florescer.

 

SHEKNINAH

clip_image001[16]

Sh'khinah era uma antiga Deusa hebraica da sabedoria e alegria, a parte feminina do Senhor, e a luz que habitava dentro de tudo. Ela morava na raiz da Árvore da Vida. Dizia-se que ela residia na acácia, árvore que produz goma arábica, a cola que mantém o mundo unido. Embora ela fosse mais amplamente escrita sobre durante a Idade Média na Cabala, os seus fundamentos podem ser rastreadas até as imagens da deusa Asherah e início de Astarte em Canaã.

fonte: http://www.goddessmyths.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário