Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

27 de mar de 2011

Budismo Japonês

Texto: Lara Moncay

No século VI de nossa era, o Budismo do Mahayama foi levado aos japoneses pelos coreanos que o haviam recebido dos chineses, através da Rota da Seda.
Em muitos pontos o Budismo chocou-se com a consciência japonesa, inteiramente penetrada pelo xintoísmo. O Xinto admite uma infinidade de deuses, os Kamis, e o budismo não admite nenhum, a não ser a própria divindade individual em construção, assim como o xintoísmo afirma a sobrevivência permanente do espírito dos mortos, sem punição nem recompensa, opondo-se a transmigração das almas na eterna Roda de Sansara.
Sendo assim, o budismo precisou modificar-se e adaptar-se à consciência japonesa. No século IX, um conciliador inteligente, chamado Kukai aproxima o budismo do Xintoísmo considerando os grandes deuses xintós como encarnações de Buda, utilizando-se da ideia búdica dos Bodhisatvas ou Bacatsu (em japonês), permitindo então a conciliação. Posteriormente o Budismo japonês concorda que os espíritos dos mortos habitam próximo dos vivos durante uma centena de anos e somente depois reencarnam para recomeçar uma nova existência.
A divindade mais popular é a Kuannon ou Kuan Yin dos chineses, deusa da compaixão: ela é tudo o que consola, o que socorre o que ama.
Os templos budistas são edifícios de madeira pintada, laqueada ou esculpida, enfeitados de obras de arte. Constitui-se o culto dos sermões destinados a moralizar o povo e de serviços que tem a aparência de missa católica.


O budismo japonês passou por três diferentes períodos, intitulados de: período Nara (até o ano de 784 d.C.), o período Heian (794–1185) e o período pós-Heian (de 1.185 em diante). Cada período foi palco para a introdução de novas doutrinas. Atualmente as escolas existentes são: Terra Pura, Nichiren, Shingon e Zen.

Nenhum comentário:

Postar um comentário