Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

12 de mar de 2011

Lendas de Asturias

Lenda é uma narrativa transmitida pela tradição oral através dos tempos.
De caráter fantástico, as lendas geralmente fornecem explicações plausíveis, e até certo ponto aceitáveis, para coisas que não têm explicações científicas comprovadas, como acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais. Podemos entender que lenda é uma degeneração do Mito.

EL BUSGOSU
O "Busgosu ou o Bugosu" são divindades das florestas asturianas, meio homem e meio animal. Suas características físicas mais comuns são os chifres, que aparecem de sua grande cabeleira, da cintura para baixo é coberta por pelos e tem pés de carneiros. Sua forma é parecida com os sátiros e se assemelha com outro personagem mitológico asturiano chamado de el Diañu Burlón.

EL CUÉLEBRE
O Cuélebre é um animal fantástico com corpo de serpente e asas de morcego, seu corpo está cheio de escamas e tem uma cauda longa. Um dragão ou uma serpente voadora assemelham-se a este. Emite assobios muito irritantes, sendo que são muito temidos pelos homens que vivem nas proximidades de sua morada, para derrotá-lo é necessário atingir lhe a garganta pois suas escamas são excessivamente duros e resistentes.
Vive nas florestas, cavernas e na beira dos rios. Seu trabalho é proteger as xanas (fadas) e seus tesouros. É alimentado de gente e de gado e quando chega a hora de sua morte terrena parte para o mar, onde nas profundezas serão guardados tesouros durante toda a eternidade.

EL DIAÑU BURLÓN
A figura do diabo que nós encontramos na mitologia asturiana é a do demônio que graceja do que malévolo: o "Diañu Burllon". Este "diañu" é dedicado para iludir os fazendeiros. Estes fazem alguma ação com a melhor das intenções e é quando finalmente realizam de qual tudo era um gracejo do "Diañu burllón ", foi assim que se espalhou o termo "Arreiniego diablu" em Astúrias.
Fenômeno como este não é estranho nas narrações e transmissões orais populares.

EL ESPUMERU
É um menino muito gracioso e pequenino que é visto a brincar entre as ondas.

LA GUAXA
A Guaxa é um personagem sinistro, uma mulher velha, feia e seca, com os olhos que brilham em fogo e de um único dente que usa para absorver o sangue das crianças. Isto ao perambular em suas noturnas caminhas pelas habitações, preferindo aquelas roliças criaturas mais saudáveis, a assim absorver seu sangue roubando-lhes a saúde.

LES LLAVANDERES
A llavandera é uma mulher velha e enrugada que durante a noite lava roupa nos rios e nas fontes. Não gosta nada de ser observada pelo que pode afogar no rio os curiosos que se sintam atraídos pelo ruído, também tem um espírito bom, que a faz colaborar com a extinção de incêndios nos bosques com o bater de suas roupas molhadas para ajudar as pessoas velhas em apuros. Por contra não gostam dos jovens que não tem respeito pelas tradições.

LA GÜESTIA
Em castelhano La Hueste. É um desfile de fantasmas, um grupo mitológico composto por uma procissão de defuntos que vagam na noite sem rumo. Equivale a Santa Compaña gallega e também se conhece como a Buena Gente. São uns anjos sem céu que recordam aos vivos as consequências do pecado.Quando na aldeia ha um moribundo acodem na caída da noite. Ao chegar na casa do enfermo se dão três voltas e o homem morre e uma replica de seu corpo ocupa o caixão que se levam entre cânticos fúnebres. O fim da Huestia era mais servir de consolo aos defuntos no transitar supremo, que infundir temor aos vivos..Parece ser que os membros do cortejo são os espíritos daqueles que no finado conheceram em vida e que viajaram a última morada. Há outra versão que equipara este grupo com um exército desconhecido que vaga perdido na noite e que acarreta na morte e destruição. Neste caso, comparando esta com a primeira versão, se substitui o efeito pela causa, relacionando o fúnebre com aquilo que o provoca.Em muitos lugares da Astúrias se identifica La Huestia com grupos de monges que se disfarçavam pelas noites para aliviar o rigor de seus votos com o pequeno cortejo de sacerdote e acólitos que acudem com a pressa da agonia a administrar o viático do moribundo. Entre os mitos homólogos de outras culturas ha que considerar as Walkyrias nórdicas, que formam o cortejo que traslava a dos heróis para Walhalla o paraíso das almas puras.

EL NUBERU
É um personagem mitológico que representa uma divindade, fabricante de nuvem, fazedor de chuva, neve e neblina. O Nuberu é encarregado de fornecer água que provê a vida na terra fazendo-a fértil, por esta razão tem grande importância no panteão asturiano, pois dele depende que as colheitas não estão fardadas pela seca.
Reina entre as nuvens, que ele usa para se locomover, se apresenta de múltiplas maneiras porém é comum se apresentar como uma figura humana que tem barba, é feio e sisudo, veste uma vestimenta de peles e uma cartola. Em algumas ocasiões se representa como um anão em outras como um gigante.

LA SIRENA O SERENA
De acordo com o que contam, na legenda, a serena era uma mulher nova muito bonita, com um apetite desordenado, que comeu peixes e mariscos continuamente. Uma manhã sua mãe farta de se compadecer disse então:
- O deus quer que você se transforme em peixe!
Na mesma tarde, quando a jovem se banhava no mar, sentiu como suas pernas se iam cobrindo de escamas e se convertiam em uma poderosa calda.Não tardou em consolar se, sentido-se livre, sem outra preocupação que nadar. Então, cheia de alegria, começou a cantar.E eis porquê suas canções, são de beleza e alegria que os marinos a querem, sua intenção não é de desviar de seu rumo. As criaturas más semelhantes na mitologia clássica são as nereidas, ninfas dos mares, filhas de Nereo e Doris. Sua função era velar pelos navegantes em suas travessias.

EL SUMICIU
O "Sumiciu" se parece com o diañu burló e ao trasgu em que é um duende que vive perto dos seres humanos e gosta de fazer desaparecer objetos que as crianças tem na mão.

EL TRASGU
Isto é o personagem equivalente ao trasgo. É uma espécie do travesso e brincalhão duende, corpo de estatura pequena que pelas noites é esticado nas casas para fazer as tarefas pendentes e para colocar as coisas em seu local, ou se mau for, para quebrar objetos ou para mudar do local e criar a confusão... Veste roupa colorida, com o terno da mesma cor e capuz vermelho. Tem chifres, tem um furo na mão pelo qual os grãos lhe escapam quando o aldeão oferece-lhe faz o passar raiva! também mexe com o gado para incomodar e acordar aos proprietários dos animais pela movimentação e pelos ruídos dos mesmos.

EL VENTOLÍN
O Ventolín significa vento em asturiano é uma brisa mágica, que se atribui tanto ao amor como a morte.Se supõe que porta a alma de um defunto que se escapa do corpo ao exalar o último suspiro.Também se considerava um ser fantástico que fazia os suspiros e os levava a quem os provocava. Levava se os suspiros dos amantes, dormia os bebes em suas camas e os despertavam no começo do amanhecer. Portam os pensamentos amorosos de um a outro amante e fluem com as maneiras do amor com sua jovial harpa. Também aliviam com sua brisa o caminhante que se encontra no caminho em dias de calor. Seu homólogo na mitologia clássica grega seria o Séfiro, o deus do vento, filho de Eos (a Aurora) e Astreo (um dos titãs que lutou contra Júpiter). Segundo a lenda, um dos filhos de Eos morreu na guerra de Tróia.
Os ventolines são como as auras latinas, um sopro ligeiro de brisa que leva a fama ao céu, o perfume das flores e a inspiração aos poetas.

LA XANA
O xana é o nome que recebe as fadas na Astúrias. Representam uma organização do etéreo, cabelo claro e olhos verdes. Vive nas fontes e aparecem aos viajantes refletidos dentro das águas quando estes forem extinguir sua sede. São as criaturas da construção a quem os dólmenes são atribuídos, segundo a crença popular não são mais que os vestígio dos grandiosos palácios que construíram.

Fonte: Portalín - El Portal de Asturias
Adaptação - Ricardo DRaco

Nenhum comentário:

Postar um comentário