Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

27 de mar de 2011

Mitologia Germânica

Texto: Lara Moncay

Na antiga religião dos germanos as árvores milagrosas desempenhavam papel importante, como Yggbrasil, próxima ao templo de Upsala que é considerada uma árvore cósmica, “Coluna do Mundo” e a Irminsul também tida como o sustentáculo do universo, entre os saxões.

Animais sagrados representavam certos deuses, como o cavalo e o corvo que pertenciam a Odin. As insígnias eram encimadas por javalis ou serpentes. Homens e mulheres podiam se transformar em lobisomens em ursos-homens. A natureza era povoada de espíritos, “vanas” masculinos e femininos, senhores da fecundidade, gnomos dançando em plena luz do dia e auxiliando nos deveres domésticos,nixes – ninfas das águas – gigantes sempre estúpidos e anões engenhosos. Sob a árvore cósmica Iggdrasil habitam as três Nornos– guardiãs dos destinos.

Os primeiros caracteres da escrita, as runas, foram primeiramente utilizados como processo mágico e empregados sobre talismãs. O canto foi a princípio um sortilégio. Certas mulheres eram consideradas possuidoras de dotes particulares de magia e profecia, eram feiticeiras.

As almas dos mortos sobreviviam ou sob a terra, no reino de Hel, ou em uma região longínqua no ar. Elas passam pela terra levadas pelo vento das tempestades, especialmente no final do outono, sendo necessário apaziguá-las. (Aqui vemos mais uma usurpação cultural da igreja católica, colocando nessa data o dia dos mortos.)

(Walkírias)

Os guerreiros mortos em batalha vão para Walhall e são conduzidos pelas Walkírias.
As sociedades germânicas não eram presididas por uma ordem sacerdotal com pesadas liturgias e saberes. À frente da sociedade existia uma administração do sagrado, autônoma e forte, garantindo a manutenção de uma tradição complexa, ainda assim, os rituais de sacrifício aos deuses eram realizadas somente pelos sacerdotes.
A prática dos germanos oscilava entre dois princípios: a virtude do sangue e o administrador-mágico.

 

Divindades Germânicas

A mais antiga divindade foi a Terra-Mãe. Segundo alguns intérpretes, pode ser identificada como Freya, a deusa do amor, da beleza e da fecundidade. Seu irmão e amante é Freyr. Os astros, o Sol e a Lua também foram objeto de culto. A lua é a deusa Holle. Via-se nela a rainha das feiticeiras.

Os três maiores deuses eram Odin (mercúrio), Tyr (marte) e Thor (júpiter). Odin é essencialmente um rei-sacerdote, feiticeiro e inventor das runas. É também o deus do vento, consequentemente dos mortos. Aquele que conduz, através das Walkírias os heróis mortos em combate. É o deus dos guerreiros e o grande deus dos Vikings. Seu filho é Tyr o deus da guerra. Thor é o deus do trovão e da chuva, sendo assim favorável aos camponeses, ainda que também seja um deus violento, guerreiro e temido que mata monstros com seu divino martelo de pedra.
Esses deuses principais estão ligados à vários outros. O mais célebre é Balder, o mais belo filho de Odin, morreu vítima do traidor Loki, desceu aos infernos e após sete crepúsculos ressuscitou, começando então uma era universal de felicidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário