Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

24 de mar de 2011

Mitologia Grega–História

(autoria desconhecida)

Astéria
Beleza alguma podia ocultar-se dos olhos astutos de Júpiter(Zeus). Em sua procura eterna por formosuras, ele acabou por encontrar a doce ninfa Astéria.
Como se fosse mortal comum, Júpiter expressou-lhe seu deslumbramento e pediu-lhe que retribuísse a seus ardentes desejos, mas Astéria fugiu pelo vale e pelos bosques. As folhas das árvores agitaram-se, os animais corriam sobre o rastro de Astéria, como que para despistar seu perseguidor. Camponeses e pastores pararam seu trabalho para observar a fuga daquela que os deslumbrava. Não queria aventuras a casta ninfa, preferia o silêncio das oferendas anônimas. Porém as ágeis pernas de Astéria não venciam os passos fortes de um Deus, o encontro era iminente.
À praia, usou seu recurso extremo : pelo poder que recebera dos deuses, assumiu a forma de uma codorna. Mas não tencinava voar. Ao contrário, olhou mais uma vez para o deus que se avizinhava, e lançou-se ao mar. Sobre as águas azuis foi perdendo olhos e penas e corpo de ave - afogou-se.
O Deus, entristecido, transformou-a em uma estéril ilha, sem flores nem frutos, sem vida - e lhe deu o nome de "Ortígia" - "Ilha das codornas". Mais tarde esta ilha receberia Latona, que daria a luz à Diana (Artêmis) e Apolo. Este último, trazendo consigo a luz e vida, traria vida à ilha que a partir de então passaria a se chamar Delos - "a brilhante" - e se cumularia de riquezas e de glórias.
O domínio de Saturno ...
Casado com Cibele, Saturno viu-se de frente com uma terrível profecia feita por sua mãe Terra : seus filhos iriam crescer e tirá-lo do poder. Como evitar que tal terrível profecia se cumprisse ?
Depois de muitos planos, a resposta : Saturno correu até Cibele que acabara de ter seu primeiro filho, e devorou-o ... era iniciada uma sangrenta rotina. Cibele vivia infeliz, e procurou a sábia Terra para saber como salvar seu filho abrigado em seu ventre. Ajudada pela Terra, Cibele traçou um plano : ao chegar o momento do parto, dirigiu-se à uma caverna na ilha de Creta onde Terra a aguardava e ali Júpiter veio ao mundo. Enquanto Terra cuidava do Deus menino, Cibele apanhou uma pedra, envolveu-a em grossas faixas e entregou-a a Saturno que a devorou sem perceber o logro. Seu filho estaria salvo, mas a profecia estava selada : um dia, o último filho de Saturno encerraria seu reinado de sangue e instalaria-se para sempre no trono olímpico.

Apolo e Diana
Dias e noites, meses e meses, uma única procura. De porta em porta: dos palácios às cabanas, dos templos aos covis, Latona andou buscando abrigo para pôr no mundo os filhos que levava dentro de si. Filhos de Júpiter.
Mas a própria paternidade de suas crianças barrava-lhe as entradas. Pois Júpiter, senhor do Olimpo, era marido de Juno, a mais ciumenta das Deusas, que costumava perseguir as rivais até os confins da terra, e punia duramente quem ousasse recolhê-las. Apenas um imortal de iguais poderes seria capaz de enfrentar sua cólera.
Netuno, Deus dos mares, decidiu ajudar a pobre Latona. Para refugia-la, escolheu Ortígia, a ilha flutuante, arisco rochedo sem raízes, áspera paisagem desprovida de plantas e de fontes. Ninguém a habitava: nem deuses, nem homens, nem animais.
A ilha teve medo. Ouvira dizer que um dos filhos do deus seria orgulhoso e tremeria de raiva quando soubesse que lugar tão miserável lhe servira de pátria. Latona tranquilizou-a. Nada temesse : o novo Deus não lhe traria desgraça, e sim prosperidade e alegria. Então a ilha consentiu.
No sexto dia do mês, nasceu Diana. A "virgem pudica". No sétimo, Apolo. Nesse instante, o solo estéril de Ortígia floresceu. Porque Apolo trazia consigo o sol, a vida e a beleza. A partir deste dia a ilha passou a ser chamada de Delos, "A brilhante".
Tão logo pôde, Diana procurou seu grande pai, o rei do Olimpo, e suplicou-lhe não jóias, nem adornos, nem atrativos, mas curta túnica que pudesse cobrir seu corpo esbelto, sapatos de caçadora, aljava, flechas e arco. E mais: quis a virgindade eterna, abundância de nomes e um grandioso séquito de Oceânidas e ninfas.
E por fim : "Entrega-me as montanhas ... habitarei as montanhas", disse. Júpiter sorriu, acariciou a filha. Foi aos Ciclopes e pediu-lhes armas; ao deus Pã solicitou uma matilha de cães que a acompanharia nas caçadas. Em tudo foi atendida e passou a reinar na bela região montanhosa da Arcádia, onde se entregava à caça, sua atividade favorita.
Quando as coisas lhe pareciam monótonas, seguia para Delfos. Na morada de Apolo, participava do coro das Graças e das Musas, divertia-se.

Netuno
Ilha de Naxos. Uma bela manhã de muito sol e céu azul. Netuno percorre seus domínios, contente e distraído. De repente, detêm os cavalos. Pára deslumbrado. Ante seus olhos desenrola-se um espetáculo : sobre as areias, dançam alegremente as formosas Nereidas, ninfas filhas de Dóris e Nereu, o velho do mar.
Do grupo destaca-se Anfitrite. E sobre ela demora-se o olhar do deus. O encanto da ninfa arrebata-o. Descendo do coche, Netuno caminha pela areia. Aproxima-se das jovens. E, levado pelo intenso amor que subitamente o invade, tenta tomar Anfitrite em seus braços. A donzela esquiva-se, graciosa e tímida. A passos leves e ágeis, corre em direção do mar, e rapidamente mergulha.
Netuno persegue-a pelas águas, pelas grutas marinhas, pelas ilhas. Sem conseguir alcançá-la, retorna ao palácio e manda um Delfim procurá-la. Esperto e rápido, o emissário do deus, ao termo de algumas horas, encontra a Nereida. Calmamente, convence-a a acompanhá-lo e aceitar as propostas de Netuno. O deus quer transformá-la em sua esposa muito amada. Em rainha do mar.
No palácio de ouro, festivo e engalantado, realizam-se as bodas. Ao lado do marido, Anfitrite sorri feliz para seus súditos.
Netuno sempre sai para percorrer seu vasto domínio do mar. Acompanhando o soberano, seguiam alegremente as belas Nereidas, os Centauros marinhos, os espertos delfins e as graciosas ninfas. Depois retornavam todos ao palácio, entre cantos e risos de contentamento. Ao vê-los chegar, Anfitrite sorri satisfeita e, erguendo os belos olhos para o alto, mudamente agradece aos deuses do Olimpo e roga-lhes que para sempre favorecessem o esperto delfim causador de tão intensa felicidade.
Juno (Hera) - Filha de Saturno (Cronos) e Cibele (Réia), é a rainha do Olimpo, casada com Júpiter. Foi responsável por grande parte da elaboração de tarefas para Hércules, a quem odiava por este ser filho de seu marido infiel. Mais tarde, no entanto, perdoaria-o diante de sua coragem e força, e trataria-o como um filho.
Era ainda muito criança quando Cibele, sua mãe, a entregou aos cuidados de Tétis. Queria salvá-la da fúria de Saturno, o pai terrível que devorava todos os filhos. Longe do perigo, uma das mais belas das Deusas cresceu extremamente solitária. Um dia recebeu em seu esconderijo a visita de seu irmão Júpiter, que, depois de derrotar Saturno na violenta disputa de dez anos, se tornaria senhor do Olimpo e da Terra. Juntos, conversaram durante horas. Falavam sobre o triste passado e futuros alegres. Juno sentia-se feliz. Mas Júpiter já estava tão apaixonado que não podia mais esconder seus sentimentos, e declarou à irmã todo amor e desejo que por ela sentia. Apenas ouviu recusas : não queria a deusa ser mais uma de suas numerosas conquistas. Inconformado Júpiter tentou várias táticas mas todas resultaram inúteis. Até que um dia de inverno preparou uma armadilha. Transformou-se em cuco, e assim, como um pássaro triste e quase morto de frio, foi visitar a irmã. Com muitos beijos Juno tentou reanimá-lo. No calor de seus seios, procurou aquecê-lo. Quando percebeu o ardil, era tarde demais : tinha sido violentada.
Cheia de vergonha, pediu ao irmão que reparasse a falta. Júpiter imediatamente prometeu esposá-la. Todos os Deuses compareceram à cerimônia das bodas, e ofertaram à noiva presentes preciosos. Ao término da festa, o casal partiu para a noite de núpcias, que durou trezentos anos. Depois a noiva banhou-se na fonte de Cánatos, em Náuplia, e recuperou a virgindade. Em seguida, foi com o esposo para o Olimpo onde, ao lado de Júpiter, senhor absoluto, ficaria reinando, bela e majestosa, em seu trono de ouro.

Hécate - Filha de Perses e Astéria. Tão poderosa no céu como na terra, Hécate concedia aos homens a prosperidade matéria, o dom da eloquência nas assembleias políticas, a vitória nas batalhas e nos jogos. Promovia o aumento da pesca e dos rebanhos. Presidia a magia e os encantamentos, ligada ao mundo dos mortos.
Íris - Filha de Taumante e da Oceânida Electra, simboliza a ligação entre a Terra (Gaia) e o Céu (Urano).

Deusa do Arco-íris, é, como Mercúrio, uma Deusa mensageira. Serve ao Olimpo, enviando e trazendo as mensagens das divindades, principalmente a Júpiter e a Juno.
Vista como bela mulher alada, geralmente junto à Juno, de quem é serva, confidente e emissária, tem a propriedade de, quando na frente do sol, brilhar todas as cores do arco-íris.

Minerva (Atena) - Filha de Júpiter (Zeus) e de Prudência (Métis), era a Deusa da sabedoria e inteligência, tornando-se a conselheira dos Deuses.
Era melhor fugir que ceder. E Prudência, fugiu em todas as direções. Escondeu-se. Mascarou-se com bons e maus disfarces: não lhe convinha a paixão sem fidelidade de Júpiter.
Júpiter perseguiu-a e só descansou quando finalmente a encontrou. Apesar de seu aspecto mudado, reconheceu-a. O passado foi esquecido. Amaram-se.
Quando o filho estava por vir Júpiter consultou o oráculo da Terra. Nasceria uma filha, foi a resposta, mas o próximo descendente em Prudência seria homem e destronaria o pai.
Para defender o poder ameaçado, Júpiter convidou a amante para o leito e, quando a teve em seus braços engoliu-a. Pouco tempo depois, andava pelas margens do lago Tritônis, quando repentinamente uma dor insuportável lhe deteve os passos. A cabeça latejava e ardia. Os gritos do senhor do Olimpo sacudiram a terra e atraíram os deuses.
Às pressas, Mercúrio chamou Vulcano, o ferreiro divino, que, vibrando no ar o machado de ouro, com toda a força golpeou o crânio de Júpiter. Da ferida aberta surgiu uma mulher belíssima, vestida em reluzente armadura. Na cabeça, ostentava o elmo de ouro; nas mãos, o escudo e a lança. O lago explodiu em ondas. O céu relampejou. O Sol segurou os freios de seus corcéis, para dar passagem à bem-vinda. Os imortais do Olimpo ergueram-se de surpresa e respeito. E o coração de Júpiter não coube em si de contentamento. Nascia então Minerva, a mais sábia das deusas.
Pandora - "Aquela que tem todos os dons", criada pelos deuses sob ordem de Júpiter (Zeus) para punir a raça humana por ter roubado o fogo dos deuses. A divindades dotaram-na de beleza, graça, audácia, força, persuasão e habilidade manual, de modo a conquistar e atrapalhar os homens. Júpiter (Zeus) entregou-lhe uma caixa contendo todos os males existentes e enviou-a à terra seduzir os mortais e levá-los a perdição.

Pandora e os males do mundo
Os seres Olímpicos temem os homens e reúnem-se para discutir sobre o assunto. Júpiter inventa a forma mais rápida de destruir o paraíso dos homens : a Mulher. Chama Vulcano, o habilidoso deus artesão, e pede-lhe que confeccione uma imagem feminina de bronze.
Ela devia assemelhar-se ao homem, mas em alguma coisa deveria diferir dele, de tal forme que o encantasse e comovesse, atrasando-lhe o trabalho e transtornando-lhe a alma. E cada deus oferece-lhe alguma coisa àquela criatura, que já nasce para colocar em desconcerto a vida dos mortais.
Minerva, que não se considera mais amiga de Prometeu, pois este havia desafiado seus companheiros divinos, entrega à mulher recém-criada um lindo vestido bordado, que lhe cobre as harmoniosas formas.
Quando a virgem está inteiramente vestida, Vênus oferece-lhe a beleza infinita e os encantos que seriam fatais aos indefesos homens. Mercúrio presenteia-a com a língua . Apolo confere-lhe a suavíssima voz. Enfim, a bela Pandora, "dotada por todos", está pronta para cumprir sua missão.
Mas antes de enviá-la Júpiter lhe dá uma caixa coberta com uma tampa. Nela estão contidas as misérias destinadas a assolar os mortais : reumatismo, gota, dores para enfraquecer o corpo humano. E inveja, despeito, vingança, para desesperar-lhe a alma, antes pura e solidária.
E Pandora cumpre sua missão. Ao chegar na Terra, Epimeteu, irmão de Prometeu, apaixona-se por ela e esposa-a. Este, apesar de advertido pelo irmão sobre não aceitar presentes dos Deuses do Olimpo, abre a caixa e libera todos os males sobre a humanidade. Assustado, rapidamente fecha a caixa, inconsciente do único sentimento ainda na caixa : a esperança.

O homem perde seu paraíso.
Terra (Gaia) - Surgiu do Caos. Sem princípio masculino gerou o Céu (Urano), as Montanhas e o Mar (Ponto). Unida ao Céu (Urano) teve os Titãs, os Ciclopes e os Hecatônquiros. Cansada do Céu, que vinha diariamente lhe fecundar, forneceu à seu filho Titã Saturno (Cronos) a foice com que este cortou os Testículos do pai - do sangue derramado nasceram as Fúrias (Erínias) e os Gigantes. Dos testículos lançados ao mar nasceu Vênus (Afrodite). Com Mar (Ponto) teve Nereu, Taumante, Fórcis, Ceto e Euríbia. É tida como a grande mãe do Universo e dos Deuses.
No início era o Caos ..., espaço aberto, matéria rude e informe, à espera de ser organizada, onde se encontrava o princípio de todas as coisas. Do Caos surgiu a Terra, Amor, Terras infernais e a Noite.
Enquanto Amor, a forma que leva em si os elementos da agregação e combinação, põe ordem no universo, Terra gerou de si própria o Céu, as montanhas e o Mar.
A Noite e a Terra infernal uniram-se para gerar Dia, para se alternar com sua mãe, Noite, de tempo em tempo; e o Éter, o céu superior.
Terra casou-se com seu filho, Céu, e com ele teve os Titãs, seres gigantescos; os 3 Hecatônquiros (Coto, Giges e Briareu), seres dotados de cem braços e cinquenta cabeças; os Ciclopes, "seres de um olho só"; e algumas divindades primordiais.

O Céu e a Terra
Todo dia, durante a noite, o Céu cobria a Terra e a fecundava de forças impiedosas. Condenando seus filhos à viver na Terra, Céu irou a Terra que não queria tal mal para seus filhos e procurou o mais novo de seus filhos Titãs, Saturno - o Tempo, para ajudá-la a livrar-se de Céu.
Saturno aceitou a incumbência e a arma oferecida pela mãe, uma foice. Durante a noite, quando o Céu veio cobrir a Terra, Saturno com um único golpe, cortou os testículos do pai e atirou-os ao mar.
Do sangue derramado sobre a Terra, nasceram os Gigantes e as Fúrias, terríveis deusas da vingança, que a partir desse momento não deixariam passar impune crime algum.
Distante, no mar, aos poucos vai formando-se uma espuma, que nasce dos órgãos arrancados de Céu. E desta espuma brota Vênus, a mais bela dentre as deusas, emergindo das águas docemente, amparada numa concha de madrepérola.
Com o pai deposto, Saturno assume a posição de comando entre os Deuses.

Téia - Uma dos Titanias, teve com seu irmão Hipérion as divindades siderais : Sol (Hélios), Lua (Selene) e Aurora (Eos).

Nenhum comentário:

Postar um comentário