Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

12 de mar de 2011

Os Deuses Celtas

 

Principais Deuses e Deusas Celtas

Mitologia Irlandesa

- Áine: Deusa irlandesa do amor, da feritlidade, da agricultura e dos animais. Rainha dos reinos feéricos, soberana da terra e do sol, associada ao solstício de verão e às flores. Seus símbolos são: a "égua vermelha", o gado e o ganso selvagem.

- Angus Mac Og / Oengus: Deus da juventude, do amor, da beleza e da inspiração poética, na tradição irlandesa. Era filho de Dagda e Boann e viveu em Brugh na Bóinne (Newgrange). Angus possuía uma harpa dourada que produzia música de irresistível doçura. A história contada no Mabinogion, sobre Angus é: o Sonho de Oengus.

- Badb / Banba: Deusa da guerra, seu nome, que se pronuncia Baid, conhecida como, Corvo de Batalha ou Gralha Escaldada, representando o caldeirão da vida, conhecido no galês como "Cauth Bodva". Na mitolofia irlandesa Badb é esposa de Neit, também um Deus da guerra. Filha de Fiachna e Ernmas, suas irmãs eram Fotia e Eriu. Badb rege a vida, a sabedoria, a inspiração e a transformação.

- Blodeuwedd / Blodeuedd: Seu nome significa "Flor Branca" ou "Rosto de Flor", representada muitas vezes, como um lírio branco. Criada por Math e Gwydion, para ser esposa de Llew (filho de Arianrhod), foi transformada em coruja por causa de adultério e da conspiração contra o marido. Aspecto virginal da Deusa tríplice, nos mitos galeses. Deusa das flores, sabedoria, mistérios, introspecção e iniciações.

- Boann / Boannan / Boyne: Deusa do rio Boyne, na Irlanda, descrito nos poemas "Dinsenchas". É a mãe de Angus Mac Og com o grande Dagda. Era esposa de Nechtan ou Echmar, que fez uma viagem de apenas um dia e uma noite, quando na verdade, durou nove meses, Dagda usou seu poder para esconder o adultério de Boann.

- Bran: O Abençoado. Bran filho de Llyr era irmão do poderoso Manawydan Ap Llyr e de Branwen, no panteão galês. Bran era um gigante que foi mortalmente ferido em combate, por ser muito grande, pediu que cortassem sua cabeça, que se manteve viva por algum tempo. Associado aos corvos, Bran é o Deus das profecias, das artes, da guerra, da música e da escrita.

- Branwen: Irmã de Bran e esposa do rei irlandês Matholwch. Deusa dos Mares do Norte, filha de Llyr, uma das três matriarcas da Grã-Bretanha. Conhecida como, O Corvo Branco, tornou-se rainha da Irlanda e posteriormente, foi extremamente maltratada por seu marido. Branwen é a Deusa do amor, da justiça e da beleza, no panteão galês.

- Bilé: Deus da morte, nos mitos irlandeses, considerado o pai dos Deuses e dos homens. Companheiro de Dana e pai de Dagda, o principal líder dos Tuatha Dé Danann. Alguns dizem que ele era o ancestral dos Mil, os antepassados dos antigos irlandeses. Bilé é um Deus celta, que foi muito adorado, na Europa Continental e na Grã-Bretanha.

- Brigit / Brid / Brighid / Brig: A Deusa dos Druidas, seu nome significa "A Lança do Poder". Brighid era filha de Dagda, a Poetisa, Senhora da Inspiração, era vista como um outro aspecto de Dana, associada à Imbolc. Uma ordem foi dedicada a ela, formada só por mulheres, em Kildare, na Irlanda, que se revezavam para manter o fogo sagrado sempre aceso. É a Deusa do fogo, da fertilidade, da lareira e do lar, de todas as artes e ofícios femininos, cura, medicina, agricultura, aprendizagem, adivinhação, profecia, conhecimento, cultura e poesia. Enfim, uma Deusa muito amada pelos celtas.

- Cailleach: Na mitologia irlandesa e escocesa, conhecida também como a Cailleach Bheur, que significa mulher velha, geralmente é vista como a Deusa da destruição e das mudanças. Aquela que controla as estações do ano, Senhora do inverno. Deusa da terra e do céu, da lua e do sol, que solta os rios e modela as montanhas batendo seu martelo sobre a relva verdejante.

- Dagda: No folclore irlandês, Dagda era chamado de O Bom Deus, Grande Senhor, Eochaid Ollathair (Pai de todos) e Ruad Rofhessa (Senhor de Grande Sabedoria). Também era conhecido como, Pai dos Deuses e dos homens, o Grande Arquidruida, Deus da magia e da terra. Rei supremo dos Tuatha Dé Dannan, mestre de todos os ofícios, senhor de todos os conhecimentos. Teve vários filhos, entre eles Brighid, Angus, Midir, Ogma e Bodb, o Vermelho. Dagda possuía o caldeirão da abundância e da vida e uma harpa de carvalho chamada Uaithne, que fazia com que as estações mudassem, quando assim o ordenasse. Senhor dos artesãos, da música, da agricultura e da cura.

- Danu / Dana / Dannan: Considerada a principal Deusa Mãe da Irlanda, a Terra de Ana (Iath nAnann), às vezes, identificada com Anu ou Ana. Casou-se com Bilé e era mãe de Dagda, além de ser considerada a Deusa Mãe do maior grupo de Deuses, os Tuatha Dé Dannan, o Povo de Dana, o Povo Mágico (Daoine Sidhe), descendente dos primeiros Deuses irlandeses. Deusa da fertilidade, da terra e da abundância.

- Eriu / Erin: Filha de Fiachna e Ernmas, no Lebor Gabála Érenn (Livro das Invasões). Eriu era uma das três rainhas dos Tuatha Dé Dannan, na Irlanda.

- Flidais: Deusa da Floresta, dos bosques e criaturas selvagens dos irlandeses. Viajava numa carruagem puxada por veados e tinha a capacidade de mudar de forma.

- Goibniu / Gofannon / Govannon: Era o grande ferreiro do povo irlandês. Foi ele quem forjou todas as armas dos Tuatha Dé Dannan. Estas armas sempre atingiam o alvo e toda ferida provocada por elas era fatal. Foi responsável pela morte de Dylan, seu sobrinho. Deus dos ferreiros, das habilidades e do trabalho com metais em geral.

- Lir / Llyr / Lear: No folclore irlandês, Lir era o grande Deus do mar, sendo considerado, ainda, senhor do mundo subterrâneo, da magia e da cura. Lir era pai de Manawyddan (Manannán), de Bran e de Branwen. Conheça a história das crianças Lir, encontrada na segunda e terceira partes do Mabinogion: O Destino dos Filhos de Lir.

- Lugh / Lug Samildanach / Llew Llaw Gyffes / Lleu / Lugos: Na Irlanda e em Galês, Lugh era chamando o Brilhante. Deus do Sol e da guerra, era associado aos corvos, tendo por símbolo, em Galês, um veado branco e uma espada mágica. Sua festividade é Lughnasadh, a festa da primeira colheita. Era filho de Cian e de Ethniu. Lugh era carpinteiro, pedreiro, ferreiro, harpista, poeta, druida, médico e ourives. Seu domínio incluía a magia, o comércio, a reencarnação, o relâmpago, a água, as artes e ofícios em geral, viagens, curas e profecias.

- Macha: O Grande Corvo. Rainha da Vida e da Morte no panteão irlandês. Um dos aspectos da Morrigu, era reverenciada também em Lughnasadh. Após uma batalha, os irlandeses cortavam as cabeças dos inimigos e ofereciam a Macha, sendo este costume chamado de a Colheita de Macha. Deusa protetora da guerra e da paz. Macha regia também a astúcia, a força física, a sexualidade, a fertilidade e o domínio sobre os homens.

- Manannán Mac Lir / Manawyddan ap Llyr / Manawydden: Filho do Deus do mar, Llyr, era homenageado como uma das principais divindades do mar pelos irlandeses. Reverenciado ainda como protetor dos navegadores, Deus das tempestades, da fertilidade, da navegação, dos mercadores e do comércio. Tinha uma armadura mágica que dizia ser impenetrável.

- Morrigu / Morrigan / Morrighan / Morgan: A Grande Rainha (Mor Rioghain), na mitologia céltica, Senhora Suprema da Guerra, Rainha dos Fantasmas e do Espectro, pois possuía uma forma mutável. Reinava sobre os campos de batalha, ajudada pela sua magia. Associada aos corvos, por vezes é citada no contos do herói CuChulainn. Deusa da morte e do renascimento, da fertilidade, do amor físico e da justiça.

- Nuada / Nuda / Nodons / Nodens / Lud / Llud Llaw Ereint: No folclore irlandês, era reverenciado como o senhor dos Deuses. Possuía uma espada invencível, guardada pelos Tuatha Dé Dannan. Nuada era o Deus da cura, da água, dos oceanos, da pesca, da navegação, dos carpinteiros, ferreiros, harpistas, poetas e contadores de histórias.

- Ogma / Oghma / Ogmios / Grianainech / Cermait: Ogma tinha uma enorme maça com a qual defendia seu povo, os Tuatha Dé Dannan, sendo eleito seu campeão. Na tradição irlandesa, diz que foi ele quem inventou o alfabeto ogham, utilizado pelos antigos druidas, baseado em árvores consideradas mágicas. Ogma, filho de Brighid, rege a eloquência, os poetas, escritores, a inspiração, a força física, a linguagem, a literatura, as artes, a música e as artes adivinhatórias.

- Scathach / Scota / Scatha / Scath: Seu nome traduzia-se como a Sombra, aquela que combate o medo. Deusa do submundo, Scath era a Deusa da escuridão, aspecto destruidor da Senhora. Mulher guerreira e profetisa que viveu em Albion, na Escócia, e que ensinava artes marciais para os guerreiros que tinham coragem suficiente para treinar com ela, pois era tida como dura e impiedosa. Foi considerada a maior guerreira de toda a Irlanda. Scath era ainda a patrona dos ferreiros, das curas, magia, profecia e artes marciais.

Mitologia Gaulesa

- Arawn: Regente de Annwn ou Annwfn (O Outro Mundo), o submundo na tradição galesa. Representava à justiça e a guerra. Possuia um caldeirão mágico, descrito nos Contos de Taliesin, onde Arthur e seus guerreiros tentaram roubar.

- Arianrhod / Aranrhod: Seu nome significa, A Roda de Prata, a virgem casta que dá a luz aos filhos Lleu e Dylan. Arianrhod é a Deusa tríplice do amanhecer, da terra e da fertilidade, na tradição gaulesa. Senhora do renascimento, vivia num castelo estelar chamado Caer Arianrhod, associada a constelação Corona Borealis. Retratada nos contos de Mabinogion em Math, o filho de Mathonwy.

- Arddhu ou Atho, o Escuro: No folclore galês, representa Green Man, o Deus da Natureza, o Grande Corvo Divino.

- Bel / Belenus / Belenos / Belimawr: Seu nome significa "Brilhante", considerado o Deus do Sol e do Fogo, nos mitos gauleses. Belenos dá seu nome ao festival de Beltane, que celebra a união dos amantes, a fertilidade a cura e a criatividade. Belenos está ligado também à ciência, sucesso, prosperidade, colheita e à vegetação.

- Cernunnos: Na mitologia gaulesa é o Deus da fertilidade, dos animais, do amor físico, da natureza, dos bosques e da abundância. Seu nome é pronunciado como se tivesse um "k": Kernunnos. Comumente representado por um homem sentado na posição de lótus, cabelo comprido e encaracolado, de barba, nu, usando apenas um torque (colar celta) no pescoço ou ainda por um homem de chifres, erroneamente comparado ao diabo cristão. Seus símbolos eram o veado, o carneiro, o touro e a serpente.

- Cerridwen / Ceridwen / Caridwen / Kerridwen: Deusa da Lua do panteão galês, sendo chamada de Grande Mãe e a Senhora. Deusa da natureza, Cerridwen era esposa do gigante Tegid e mãe de uma linda donzela, Creirwy e de um feio rapaz, Avagdu. Os bardos galeses chamavam a si mesmos de Cerddorion, filhos de Cerridwen. As lendas nos contam sobre o grande bardo Taliesin, druida da corte do rei Arthur, que nascera de Cerridwen e se tornara um grande mago, após tomar algumas gotas de uma poderosa poção de inspiração, que Cerridwen preparava no seu caldeirão. Cerridwen é ainda a Deusa da Morte, da fertilidade, da regeneração, da inspiração, da magia, das ervas, da poesia, do encantamentos e do conhecimento.

- Druantia: Rainha dos Druidas, Deusa galesa ligada à fertilidade, às atividades sexuais, às árvores, à proteção, ao conhecimento, à criatividade e às Dríades. Seu nome vem de "Drus", que significa carvalho.

- Dis Pater: Considerado originalmente Deus da morte e do subterrâneo, eventualmente o chefe dos Deuses. É tido como o ancestral de todos os gauleses.

- Dylan: Filho das ondas, menino dos cabelos de ouro, Dylan era o Deus do mar para os antigos galeses, filho de Gwydion e Arianrhod. Seu símbolo era um peixe prateado.

- Elaine: Aspecto virginal da Deusa no panteão galês, Deusa da Lua e da beleza.

- Gwydion: O Grande Druida, feiticeiro e bardo do Norte de Galês, seu símbolo era o cavalo branco. Regia as mudanças de forma, a magia, a poesia e a música. Gwydyon ajudou Lleu a superar as maldições da sua mãe, Arianrhod.

- Gwynn ap Nudd: Deus da caça, Rei das fadas e do submundo, guardião da entrada de Annwn, O Outro Mundo ou Avalon, na tradição galesa.

- Gwythyr: Era o senhor do mundo superior, do folclore galês. Em oposição à Gwynn ap Nudd, que representa a competição entre o verão e o inverno.

- Green Man: O Homem Verde, na mitologia céltica tinha os mesmos atributos de Cernunnos, sendo igualmente uma divindade que habitava as florestas. Deus dos bosques e animais, da renovação e da primavera, é representado por um homem com rosto de folhas verdes.

- Math Mathonwy: Deus da feitiçaria, da magia e do encantamento no folclore galês. Conhecido como Math, filho de Mathonwy, nos contos do Mabinogion.

- Merlin / Merddin / Myrddin: Nos mitos arturianos era conhecido como o grande Feiticeiro, o Druida Supremo dos galeses. Dizia-se que ele aprendeu sua magia com a própria Deusa, sob os nomes de Morgana, Viviane e Nimue. Merlin era o senhor da magia, da profecia, da adivinhação, das previsões, dos artesãos, dos ferreiros, além de possuir grande habilidade em mudar de forma. Conhecido também como Taliesin, o Bardo, grande druida chefe da corte de Arthur, que dominava a arte da escrita, a poesia, a sabedoria e a música. Taliesin é tido como patrono dos druidas, bardos e poetas.

- Rhiannon: A grande rainha dos galeses, Rhiannon era a protetora dos cavalos e das aves. Rege os encantamentos, a fertilidade e o submundo. Aparece sempre montando num veloz cavalo branco, equivalente a Epona, da mitologia celta galo-romana.

Mitologia Galo-Romana

- Andrasta: Deusa da guerra, da vida e da morte, citada nos mitos, como protetora da rainha Boudicca.

- Atégina ou Ataegina: Deusa tríplice da primavera, do renascimento, da fertilidade, da natureza e da cura, na mitologia lusitana. O nome Ataegina é de origem celta, que significa renascimento.

- Bandonga: Deusa celta cultuada no sul de Portugal, na região de Évora.

- Endovélico: Deus da medicina, da terra e da natureza, divindade da Idade do Ferro, é um dos Deuses mais conhecidos na Lusitânia.

- Epona: Seu nome significa "grande cavalo", adorada pelos gauleses na França e na Itália como a Deusa dos Cavalos. Seus atributos incluíam ainda a fertilidade, a maternidade, a prosperidade, os animais, a cura e a colheita.

- Nabia: Deusa dos rios e das fontes. Era adorada, principalmente, pelos brácaros, povo pré-romano da cultura céltica.

- Nantosvelta: Deusa da natureza e da caça, esposa de Sucellus.

- Runesocésio: Deus dos dardos e da guerra, de natureza misteriosa, que formava uma trindade mitológica com Atégina e Endovélico

- Sucellus: Deus gaulês da agricultura e das florestas. Considerado como o rei dos Deuses. Carregava um grande martelo de cabo longo, que era usado para bater na terra, acordando as plantas e anunciando o início da primavera.

- Taranis: Deus do trovão, na mitologia gaulesa, Taranos ou Taran, cruzava os céus em sua carruagem. Os raios eram produzidos pelas fagulhas que saíam dos cascos dos cavalos e o trovão era o ruído que faziam as rodas da carruagem. Senhor da guerra, seu símbolo é a Roda, como Thor do panteão nórdico.

- Trebaruna: Deusa da casa, dos mistérios e da morte.

Comentário:

(Fizemos um breve resumo das principais características dos Deuses celtas, apenas como base inicial para facilitar um estudo mais amplo, sobre os mesmos. Lembrando que os celtas não misturavam panteões, cada tribo celebrava seus Deuses locais e somente com referência nos seus panteões de origem.

As Deusas e os Deuses celtas possuíam características próprias e distintas, conforme seus costumes. Relatos vindos de antigos ancestrais, onde as tradições eram passadas de boca a ouvido, centrados nas esferas do céu, da terra e do mar... Que assim seja! - Rowena Arnehoy Seneween ®, site: Templo de Avalon).

Referências bibliográficas:

GUEST, Lady Charlotte - The Mabinogion - Ed. Kinkley, 1887.
MACCULLOCH, J.A. - A Religião dos Antigos Celtas - Edinburgh: T. & T. CLARK, 1911.
Adaptação de várias fontes, entre elas, do site Timeless Myths - Celtic Mythology.

Postado no site: Templo de Avalon

Nenhum comentário:

Postar um comentário