Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

19 de abr de 2011

Deuses da Gália Belga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

 

Abnoba

O altar à Diana Abnoba em Badenweiler.

 

A fonte do Breg.

 

Abnoba é um deusa gaulesa que era cultuada na Floresta preta e áreas circundantes. Tem sido interpretada como sendo uma deusa da floresta e do rio e é conhecida de nove inscrições epigráficas. Um altar nos banhos romanos em Badenweiler, Alemanha, e em um outro em Mühlenbach a identificam com Diana, a deusa romana da caçada.[1]

De acordo com Germânia de Tacitus, Abnoba era também o nome de uma montanha, de um declive gramado do qual flui a fonte do rio Danúbio. A geografia de Ptolemeu (2.10) também menciona a montanha como a fonte do Danúbio. A faixa circundante, em Ptolemeu, é a Abnobaia ora (o caso nominativo, dado aqui, não está em Ptolemeu), latinizado para Abnobaei montes.

Plínio, o Velho também nos dá declarações sobre Abnoba (Natural History, 4.79). Diz que ela surge oposta ao povoado de Rauricum na Gália e flui de além dos Alpes, implicando que o rio começa nos Alpes, o que ele não começa. Se Rauricum é para ser identificado com o assentamento romano Augusta Raurica, a moderna Augst em Basel-Landschaft, cantão da Suíça, Plínio deve estar se confundindo com o Reno e seus afluentes com o Danúbio.

O Danúbio começa com dois pequenos rios escoando a Floresta Preta: o Breg e o Brigach, ambos de nomes célticos. O mais extenso é o candidato mais favorável: o Breg. O Abnobaei montes seria portanto o Baar sopé do Swabian Alb próximo a Furtwangen im Schwarzwald.

A etimologia do teônimo é incerta. Tem sido associado Predefinição: Whom ao étimo *abo-s "água, rio", encontrado em e.g. Avon (*abonā). O segundo elemento foi conectado Predefinição: Whom a: ou a *nogʷo- do PIE, ou a "nu, desnudo" ou a "árvore",Predefinição: Huh ou Predefinição: Whom com a raiz verbal *nebh- "irromper, estar úmido".

 

Ancamna

Retrato de Ancamna e Marte Smertriusde Freckenfeld no antigo território de Nemetes.

Na religião galo-romana, Ancamna foi uma deusa cultuada particularmente no vale do rio Moselle. Era celebrada em Trier e Ripsdorf como a consorte de Marte Lenus,[1] e em Möhn como a consorte de Marte Smertulitanus.[2][3] Em Trier, altares foram erguidos em honra a Marte Lenus, Ancamna e aos gênios de vários pagi dos Treveros, dando a impressão de que Marte Lenus e Ancamna agiam como protetores tribais, honrados em um culto organizado oficialmente.[4][5] Entre algumas estatuetas deixadas como oferendas votivas no santuário de Marte Smertulitanus e Ancamna de Möhn está uma de um genius cucullatus como aquelas oferecidas aos Xulsigiae no complexo do templo de Marte Lenus em Trier.[6]

Inciona é também aparentemente invocada com Marte Lenus Veraudunus em um ex voto de bronze oriundo de Luxemburgo;[7] é obscuro que essa conexão, se é que há alguma, exista entre Inciona e Ancamna. Jufer e Luginbühl ligam Ancamna a duas outras consortes do Marte gaulês, Litavis e Nemetona, notando que nenhuma destas parecem ser deusas de guerra; ao invés disso, sugerem que Ancamna possa ter sido associada às nascentes.[3] Edith Wightman considera o casal Marte Loucetius e Nemetona ser "intimamente semelhante, se não idêntico, a Lenus e Ancamna".[8]

 

Arvernus

Na religião galo-romana, Arvernus foi um epíteto do Mercúrio gaulês. Embora o nome se refira aos Arvernos, naqueles territórios Mercúrio teve um santuário importante na Puy-de-Dôme e todas as inscrições a Mercúrio Arvernus são encontradas bem mais distantes junto à fronteira renense. O nome também está gravado uma vez como Mercúrio Arvernorix, 'rei dos Arvernos'.[1] Compare também o título Mercúrio Dumiatis ('da Puy-de-Dôme'), encontrada no território dos Arverni [2]. O nome, como o nome dos Arvernos e da Auvergne, parece derivar de um componente adjetivo proto-céltico *φara-werno-s ‘em frente do amieiros.’

 

Icovellauna

Icovellauna foi uma deusa céltica cultuada na Gália. Seus lugares de culto incluíam um templo octagonal em Le Sablon em Metz, originalmente construído sobre uma nascente,[1] da qual cinco inscrições dedicadas a ela foram recuperadas;[2] e Trier, onde Icovellauna foi honrada em uma inscrição no complexo do templo de Altbachtal.[3][4]Predefinição:Cref Ambos os lugares se espalham pelo vale de rio Moselle da Gália oriental, nos quais agora se encontra a Lorraine na França e a Rhineland-Palatinate na Alemanha.

No templo em Metz, uma escada em espiral, conduzia para baixo ao nível d´água, permitindo aos devotos deixar ofertas na nascente e/ou apanhar água. Uma estatueta de um gaulês local Mercúrio estava entre os ex-votos depositados no santuário.[1][5]

Seguindo Joseph Vendryes, Miranda Green interpreta a raiz gaulês ico- como 'água' e caracteriza Icovellauna como uma "deusa-da-água" que "presidia o ninfeu em Sablon na bacia do Moselle, um local de nascente termal".[6] Xavier Delamarre, entretanto, considera esta interpretação ser muito improvável; no campo puramente etimológico, sugere que ico- possa ser o nome de um pássaro, talvez um pica-pau.[7] A raiz uellauno- foi variadamente interpretada, porém a interpretação como "chefe, comandante" recentemente encontrou apoio;[8] verVellaunus.

 

Inciona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Inciona é uma deusa céltica pouco conhecida da região treverana. O nome dela está gravado como um par de deidades sobre duas inscrições votivas de Luxemburgo.

Uma inscrição votiva de Widdebierg, Luxemburgo.

Uma prancha de pedra grande de Mensdorf em Widdebierg, retratada à direita, é invocada junto com o deus Veraudunus e em honra da família imperial no cumprimento de um voto feito por Alpinia Lucana, mãe de Marcus Pl(autius?) Restitutus.[1]

A segunda inscrição, uma placa votiva de bronze pequena de Kaul em Luxemburgo, diz:

[LE]NO MAR[TI]
VERAVDVN(O) ET
INCIONE MI
[L]ITIVS PRIS
CINVS EX VOT(O)

Se as letras NO MAR puderem ser restauradas como Leno Marti, então Inciona é aqui invocada lado a lado com Lenus Marte Veraudunus.[1]

 

 

Intarabus

 

Estatueta de bronze de Intarabus de Foy-Noville, agora no Musée archéologique d'Arlon.

Intarabus foi um deus gaulês no panteão dos Treveri e de alguns povos vizinhos. Seu nome é conhecido de nove inscrições de uma área relativamente compacta no que agora são Bélgica, Luxemburgo, Alemanha ocidental e França oriental.[1] Pode ter sido a deidade guardiã de um dos três pagi (subdivisões) dos Treveri.[2] Na maioria dos casos, Intarabus é invocado sozinho – sem qualquer síntese para uma deidade romana, e sem acompanhar deidades femininas. Entretanto, uma inscrição o invoca como Marte Intarabus, que nota que um fanum e um simulacrum deste deus tinham sido recuperados em Trier.[3][4] Ao mesmo tempo, outra inscrição de Mackwiller, na Alsácia, dá a Intarabus o epíteto Narius[5]. Uma inscrição em Ernzen na Alemanha tem seu nome como [In]tarabus[6], enquanto uma outra de Foy-Noville (agora dentro do povoado de Bastogne na Bélgica), invoca Entarabus em conjunção ao Gênio Ollodagus.[7]

Uma estatueta de bronze do terreno Foy-Noville, o identificou na base como Deo Intarabo (no caso dativo ), representando o deus como um sem-barba, homem de cabelos longos em uma túnica, envolto em uma pele de lobo. Sua mão direita erguida presumivelmente teria segurado uma lança ou algum outro implemento, enquanto sua mão esquerda, estendeu seu com seu comprimento de cintura[necessário esclarecer], que agora está faltando.[8][9]

O teatro em Echternach parece ter sido dedicado a Intarabus,[10] como era um edícula em Ernzen.[11] Um anel de prata gravado simplesmente com o nome Intarabo (outra vez, no caso dativo) foi encontrado em Dalheim.[8]

O nome ‘Intarabus’ tem sido caracterizado como “etimologicamente obscuro”;[12] Xavier Delamarre, entretanto, toma o nome para significarentar-abus "Entre-Rivières" (entre rios).[13]

 

Iovantucarus

Marte Iovantucarus foi um deus céltico que estava associado aos deus de cura Lenus Marte treverano em seu santuário em Trier. O nome reflete a função da deidade como um protetor da saúde e o templo foi visitado por peregrinos que frequentemente traziam com eles imagens de criança, retratadas frequentemente segurando, tanto pássaros de estimação, quanto oferendas ao deus. Em Tholey, também em território treverano , ‘Iovantucarus’ era também usado como um epíteto de Mercúrio.[1][2]

 

Ritona

Desambiguação: Para o personagem de ficcção ver Rittona.

Contiomagusstein
O.D. T.PRIITONAE. DI VINAE SIVE CA... IONI PRO SALVTE VICANORVM CONTI OMAGUS ENSIVMTER TINIUS MODESTVS F.C.V.S.

Ritona, também conhecida como Pritona, é um deusa céltica venerada principalmente na terra dos Treveri no que é agora a Alemanha. Seu culto está atestado em Pachten e em Trier, onde ela "teve um pequeno templo construído cuidadosamente" no complexo Altbachtal (Wightman, p.217).[1]Em Pachten seu templo também teve um teatro, presumivelmente dedicado a performances de uma natureza religiosa.[1] Uma inscrição única (CILXII:02927) também a honra em Uzès na França do Sul.[2]

Seu nome, relacionado à mesma raiz que rhyd do galês, ‘vau’, sugere que foi uma deusa de vaus.[3] A variante ‘Pritona’ está atestada diretamente duas vezes: em uma única inscrição da deusa em Pachten (PRITONAE DIVINAE SIVE CA[...]IONI, AE 1959:00076) e em conjunção com ‘Ritona’ em uma inscrição de Trier (DEA RITONA PRITONA, AE 1928:00185). ‘Pritona’ também é recuperada em um inscrição mais fragmentária, avançada, de Trier (RITO/[NAE] SIVE EX IU[SSU PR]/ITONI[AE?], AE 1989:00547).[2]

Lothar Schwinden a caracteriza como uma deusa-mãe na base da estátua de uma deusa sentada encontrada em Pachten, que ele conecta ao tipo local bem-conhecido de deusa-mãe sentada com cães e bebês em seus colos (cf. Aveta).[4]

A inscrição Pachten especifica que a deusa foi invocada por um indivíduo "para o bem-estar das pessoas do povoado de Contiomagium" (PRO SALVTE / [V]IKANORVM CONTI/OMAGIENSIVM). Em duas das inscrições de Trier, Ritona é invocada em conjunção ou com os númens dos Augusti (ver culto imperial) ou em honra da casa divina (a família imperial).[2]

 

Veraudunus

Veraudunus é o nome de um deus céltico conhecido apenas de duas inscrições votivas encontradas em Luxemburgo. Uma destas inscrições sugere que ‘Veraudunus’ pode ter sido um epíteto do importante deus treverano Lenus Marte. Em ambas inscrições, Veraudunus é invocado junto com Inciona.

Uma inscrição votiva de Widdebierg, Luxemburgo.

Na prancha de pedra grande de Mensdorf em Widdebierg, retratada à diretira, o deus Veraudunus (DEO VERAVDVNO) e Inciona são invocados em honra da família imperial no cumprimento de um voto feito por Alpinia Lucana, mãe de Marcus Pl(autius?) Restitutus.[1]

A segunda inscrição, uma placa votiva de bronze pequena de Kaul em Luxemburgo, que diz:

[LE]NO MAR[TI]
VERAVDVN(O) ET
INCION(A)E MI
[L]ITIVS PRIS
CINVS EX VOT(O)

Se as letras NO MAR puderem ser restauradas como Leno Marti, então `Veraudunus´ parece ser um epíteto de Lenus Marte,[1] o protetor tribal dos Treveri que habitaram o que é a atual Luxemburgo.[2]

Do nome do próprio Widdebierg tem sido dito derivar de ‘Veraudunus’.[3]

 

Vindonnus

Vindonnus ("Luz clara") é um epíteto céltico do deus-sol, chamado Apolo em latim, e Belenos em gaulês. Apolo Vindonnus teve um templo em Essarois próximo a Châtillon-sur-Seine na Borgonha. O santuário era baseado em uma nascente curativa. Parte do frontão do templo sobrevive, carregando uma inscrição do deus e do espírito da primavera e, acima dele, a cabeça de uma deidade-solar propagada. Muitos objetos votivos foram trazidos ao templo, alguns de carvalho e alguns de pedra. Algumas oferendas tomam a forma de imagens de mãos segurando um fruto ou um bolo; outras representam as partes do corpo requerendo uma cura. Em muitos casos os peregrinos parecem ter sofrido aflições oculares.

 

Xulsigiae

Na religião galo-romana, a Xulsigiae foram deusas triplas[1] cultuadas no templo de primavera-de-cura em Augusta Treverorum (atualmente Trier). Edith Wightman sugere que elas "podem ser ninfas locais da primavera"; por outro lado, também liga seus nomes àquelas de Suleviae, a quem caracteriza como "deusas domésticas".[2] O templo delas, um santuário menor próximo ao templo monumental Lenus Marte,[3] também tem figuras de barro produzidas dos genii cucullati.[4] O próprio nome é atestado apenas de uma inscrição, onde acompanha aquele de Lenus Marte:

LENO MARTI
ET XVLSIGIIS
L VIRIVS DISE
TO V S L M[5]

"Para Lenus Marte e Xulsigiae, Lucius Virius Diseto livre e merecidamente cumpriu seu voto."

Nenhum comentário:

Postar um comentário