Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

18 de abr de 2011

Mitologia Inuíte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A mitologia inuíte tem várias semelhanças com as outras mitologias dos povos que vivem nas regiões polares. As religiões inuit têm princípios animistas e xamânicos

Nas palavras da escritora inuíte Rachel Attituq Qitsualik: O cosmos inuíte não é governado por ninguém. Não há uma figura divina seja maternal ou paternal. Não há deuses criadores do vento ou do Sol. Não há punição eterna na vida futura, assim como não há punição para crianças ou adultos na vida presente.

 

Anirniit ("almas")

Os inuítes acreditam que todas as coisas tem um tipo de espírito ou alma (em língua inuit: anirniq - respiração; plural anirniit) e não apenas os humanos. Estes espíritos continuam a existir após a morte. Como precisam comer animais e plantas existe um dito comum entre os inuítes: "O grande perigo de nossa existência repousa no fato de que nossa dieta consiste inteiramente de almas". Acreditando que todos as coisas tem uma alma, matar um animal não é muito diferente de matar uma pessoa. Uma vez que a alma do animal ou humano é liberada ela está livre para se vingar. Os espíritos dos mortos só podem ser aplacados pela obediência aos costumes, evitando os tabus e executando os rituais apropriados.

As duras condições da vida no Ártico fazem com que os inuit vivam em constante medo de forças invisíveis. Para os inuítes, ofender um espírito é arriscar-se à extinção. A tarefa principal do xamã na sociedade inuit é aconselhar e lembrar as pessoas dos rituais e tabus que eles precisam obedecer para aplacar os espíritos, já que se acreditava que ele podia ver e contatar com os espíritos.

As almas (anirniit) eram vistos como parte do céu ou ar (sila) e eram meramente emprestados dele. Embora a alma de cada indivíduo era única e apropriada para a vida e corpo que ela habitava, ao mesmo tempo era parte do todo. Isto permitia aos inuítes emprestar os poderes ou características de uma alma pelo uso de seu nome. Além disso, os espíritos de uma classe de coisas (os mamíferos marítimos, ou ursos polares, ou plantas) eram, de alguma maneira, considerados como o mesmo, e podiam ser invocados através de um guardador ou mestre que estava conectado com aquela classe de coisas.

Desde a chegada do cristianismo entre os inuit, anirniq passou a designar a alma no sentido cristão do termo. Esta palavra também é a raiz de outros termos cristãos com o anirnisiaq("anjo") e anirnialuk ("Grande Espírito", "Deus").

 

Tuurngait ("espíritos maus")

Alguns espíritos eram, por natureza, desconectados de corpos físicos. Estas entidades eram chamadas tuurngait (singular tuurngaq) e eram consideradas malignas ou monstruosas, responsáveis por más caçadas e ferramentas quebradas. Elas podiam possuir humanos e o xamã podia lutar contra elas ou exorciza-las mas também podiam ser presas e escravizadas pelos xamãs, que então podiam faze-las lutar contra os tuurngait livres.

O termo tuurngait, com a cristianização, passou a englobar o significado cristão de demônios.

 

Angakuit ("xamãs")

O xamã (Inuktitut: angakuq, as vezes escrito angakok; plural angakuit) de uma comunidade inuíte não era o líder, mas antes um tipo de curador e psicoterapeuta, que cuidava de ferimentos e oferecia conselhos, assim como invocava os espíritos para ajudar o povo e, mais frequentemente, para que eles não prejudicassem as pessoas. A função dele ou dela era interpretar os sinais e o invisível. Os xamãs não eram treinados, esperava-se que eles nascessem com as habilidades e as fossem manifestando a medida que cresciam. Cilindros rítmicos, cantos e danças eram comumente utilizados na execução dos deveres do xamã.

A função do xamã quase desapareceu na sociedade inuíte cristianizada.

 

Lista de entidades da mitologia inuíte

Esta é uma lista incompleta de figuras míticas dos inuítes. Cada uma tinha poder sobre uma parte do mundo inuíte.

Adlet

Adlets são monstros que bebem sangue, na mitologia Inuit. Eles são a descendência de uma mulher e um cachorro vermelho. Cinco das dez crianças da mulher eram cachorros que cruzaram os mares para gerar as raças européias. As outras cinco crianças eram os Adlets monstruosos. A descendência dos Adlets é conhecida como Erqigdlit.

Adlivun

Adlivun (esses em baixo de nós; também conhecido como Idliragijenget) na mitologia Inuit, recorre a ambos os espíritos do passado que residem no mundo dos criminosos, situado em baixo da terra e do mar. As almas são purificadas lá, em preparação para a viagem para da Terra da Lua (Quidlivun), onde eles acham a vida eterna e paz. Sedna, Tornarsuk e o Tornat(Deuses e espíritos de animais) e Tupilak (almas de pessoas mortas) residem , em Adlivun que normalmente é descrito como um solo improdutivo congelado. Sedna é a senhora dos mares, e é dito que ela prende as almas do viver como parte da preparação para a próxima fase da viagem deles.

Quando um Inuit morre, eles são embrulhados em pele de caribu e enterrados. Os corpos dos anciãos têm os pés apontando para oeste ou sudoeste, enquanto os pés das crianças apontam leste ou sudeste e adultos jovens para o sul. Três dias de lamentações se seguem, com parentes que ficam na cabana do defunto com narinas fechadas por um pedaço de pele de caribu. Depois de três dias, aqueles que acompanhavam o enterro, ritualisticamente dão três voltas em torno do túmulo e prometem ao espírito do morto carne de veado que é trazida quando a sepultura é visitada.

Os psychopomps dizem que Pinga e Anguta levam as almas dos mortos para Adlivun onde eles têm que ficar durante um ano antes de se mudar.

Agloolik

Agloolik na mitologia Inuit, é um espírito que vive debaixo do gelo e dá ajuda aos pescadores e caçadores.

Aipaloovik

Aipaloovik é um deus esquimó que mora no mar. É uma criatura má que é associado com o assassinato, o vandalismo e a destruição

Akhlut

Akhlut é um ser da mitologia do povo inuit que vive no Estreito de Bering. É uma orca, capaz de se transformar em lobo. Sob essa forma, ele mata animais e pessoas para comer. Depois de se saciar, ele volta para sua forma original de orca e retorna ao mar. Pegadas de lobo que vãoo até o mar são tidas como o sinal de que Anklut andou caçando.

Akna

Na mitologia Inuit Akna (a "mãe") é uma deusa de fertilidade e do parto.

É também o nome da deusa da maternidade e do nascimento na mitologia maia.

Akycha

Akycha é o deus do Sol na mitologia inuíte.

Alignak

Na mitologia inuit Alignak é uma divindade solar e deus do clima, água, ondas, eclipse e terremoto.

Amaguq

Amaguq na mitologia Inuit é o deus dos lobos e das trapaças.

Amarok

Amarok é o conceito de criação da vida onde de um buraco no gelo nasceu o caribu, que foi fonte de vida e alimento ao homem, mas, com o tempo, o caribu ficou fraco e doente. Então, do mesmo buraco no gelo, nasceu o Amao, nome de um lobo gigantesco na mitologia Inuit. Caçou e caça os caribus doentes deixando os fortes e saudáveis para se reproduzir e assim manter a manada saudável.

Apanuugak

Apanuugak na mitologia Inuit, é um herói que às vezes é descrito como um guerreiro erro-propenso que vive a velhice ou como um vilão.

Asiaq

Na mitologia inuit Asiaq é uma deusa do clima.

Ataksak

Ataksak na mitologia Inuit, é o deus do céu e da alegria que sempre responde à prece do shaman.

Atshen

Atshen na mitologia Inuit, é um espírito canibalesco.

Aulanerk

Na mitologia Inuit, Aulanerk é uma deusa de mar amigável que rege em cima das marés, ondas e alegria.

Aumanil

Aumanil (pronunciado au-mahn-el) na mitologia Inuit, é um espírito amável e benévolo. Também, é dito que este deus se manteve na terra e controla o movimento das baleias.

Eeyeekalduk

Na mitologia inuit Eeyeekalduk é o deus da medicina e da saúde.

i'noGo tied

O i'noGo tied ("casa de espíritos") é entre o Inuits do Alasca um talismã que traria boa sorte.

Idliragijenget

Na mitologia inuit Idliragijenget é o deus do oceano.

Igaluk

Na mitologia inuit Igaluk é um dos mais poderosos deuses do panteão. Ele é uma divindade lunar associado aos fenômenos da naturezas e aos animais.

A lenda conta que esse desejou a própria irmã, Malina, e a violentou durante uma noite, protegendo sua identidade na escuridão. Na noite seguinte repetiu o ato, só que desta vez Malima conseguiu marcar seu agressor. Para sua surpresa descobriu ser seu próprio irmão. Cortou então seus seios e os ofereceu para Igaluk comer. Malima então fugiu carregando uma tocha sendo perseguida por Igaluk. Os dois correram tão rápido que acabaram ascendendo aos céus onde ela se tornou o Sol e ele, a Lua.

Ignirtoq

Ignirtoq, na Mitologia inuíte, é um deus de luz e verdade.

Inua

Os povos polares acreditam que quase tudo tem uma alma, ou uma inua. Animais, rochas, árvores e rios têm inua, assim como acidentes geográficos perigosos, como as geleiras. A inua em geral é retratada como uma face humana num olho, dorso ou peito de animal. Os viajantes cuidadosos devem fazer oferendas de carne a elas.

(Fonte: Mitologia Ilustrada-Editora folha)

Ishigaq

Na mitologia Inuit, os Ishigaq eram pequenas pessoas, semelhante a fadas. Eles tinham quase 30 cm e não deixavam nenhuma pegada na neve porque eles eram muito leves ou flutuaram sobre o chão.

Issitoq

Na mitologia Inuit, Issitoq (também Isitoq) é uma deidade que castiga aqueles que quebram tabus. Ele normalmente leva a forma de um olho voador gigantesco.

Ka-Ha-Si

Na mitologia inuit, Ka-Ha-Si era um menino inuit preguiçoso que era evitado pela tribo dele pelo seu constante sono. Em um sonho, uma voz disse para ele economizar a comida da tribo, pois uma escassez viria, pois ninguém acharia mais manadas de caribus para caçarem. Ka-Ha-Si enganou um grupo de morsas para eles matarem um ao outro, mas a fama dele por salvar a tribo foi esquecida depressa. E ele foi desprezado uma vez mais pela sua preguiça . O mesmo sonho ocorreu periodicamente e Ka-Ha-Si lutou com um gigante próximo do vilarejo de onde vivia, que havia matado vários homens da tribo dele . Ka-Ha-Si acabou se tornando o mais bem-respeitado shaman.

Kadlu

Na mitologia inuit Kadlu refere-se à deusa ou às três irmãs que controlam o trovão.

Keelut

Na mitologia Inuit, Keelut é um espírito mau que se assemelha a um cachorro calvo.

Kigatilik

Na mitologia Inuit, Kigatilik é um espírito psicopata, violento, especialmente conhecido por matar shamans.

Malina

Malina é uma deidade solar na mitologia inuit. Ela geralmente é achada nas lendas da Groenlândia. Lendas sobre Malina a unem de perto com a deidade lunar Igaluk, o irmão dela. Malina constantemente está fugindo de Igaluk como o resultado de relações sexuais entre os dois (lendas variam sobre a causa). a perseguição constante deles é a explicação tradicional para o movimento do sol e lua pelo céu.

 

História

A lenda conta que Malina era desejado pelo próprio irmão, Igaluk, e a violentou durante uma noite, protegendo sua identidade na escuridão. Na noite seguinte repetiu o ato, só que desta vez Malina conseguiu marcar seu agressor. Para sua surpresa descobriu ser seu próprio irmão. Cortou então seus seios e os ofereceu para Igaluk comer. Malina então fugiu carregando uma tocha sendo perseguida por Igaluk. Os dois correram tão rápido que acabaram ascendendo aos céus onde ela se tornou o Sol e ele, a Lua.

Matshishkapeu

Na mitologia Inuit, Matshishkapeu é o espírito mais poderoso. Ele provou quando o Mestre de Caribou recusou dar para os Inuits qualquer caribou para se comer. Matshishkapeu estava tão bravo que ele amaldiçoou o Mestre Caribou com um caso doloroso de constipação. Finalmente, o Mestre de Caribou cedeu, e Matshishkapeu curou da doença dele.

Nanook - o mestre dos ursos polares

Na mitologia inuit Nanook é o mestre dos ursos, o que significa que ele decide se os caçadores seguiram todos os preceitos e se merecem sucesso caçando ursos.

Negafook

Na mitologia inuit Negafook é o deus do clima, particularmente do frio.

Nerrivik

Na mitologia inuit Nerrivik é a mãe do oceano e a deusa que concede o alimento ao povo. É a padroeira dos pescadores e caçadores.

Nootaikok

Na mitologia inuit Nootaikok é o deus dos icebergs e geleiras.

Nujalik

Na mitologia inuit Nujalik é a deusa da caça terrestre, em oposição a Sedna, deusa da caça na água.

Pana

Na mitologia inuit Pana era a divindade que cuidava das almas no submundo (Adlivun) antes que elas reencarnassem.

Pinga

Pinga é a deusa da caça, fertilidade e medicina dos inuits. Ela organizava as manadas de caribus, e levava-os em encontro aos caçadores, por isso tinha um papel importante. A alma dos mortos renasciam em sua casa.

Pukkeenegak

Na mitologia inuit Pukkeenegak é a deusa das crianças, da gravidez, do parto e da costura.

Qiqirn

Na mitologia Inuit, Qiqirn é um espírito de cachorro grande e calvo. É uma besta amedrontadora, mas também tola.Tem cabelo em seus pés, orelha, boca e a gorjeta de seu rabo.

Sedna - o mestre dos animais marinhos.

  • Sedna (Sanna na escrita inuíte moderna) é conhecido por outros nomes como "Nerrivik", "Arnarquagssaq" e "Nuliajuk".

Sedna é uma das principais deusas inuit, é conhecida como a Mãe dos Animais Marinhos.

Várias são as lendas sobre a origem de Sedna e todas tem em comum o fato dela ser uma bela jovem humana vivendo com seu pai.

De acordo com uma dessas lendas, Sedna surgiu como uma mortal, que foi seduzida por um belo caçador em uma canoa. Quando ela embarcou na canoa, percebeu que fora enganada, pois o belo rapaz se revelou como um espírito-pássaro e a obrigou a se casar com ele.

O tempo passou e o pai de Sedna foi visitá-la, percebendo que sua amada filha morava num lugar imundo. Ele a colocou num barco, para fugir de volta para seu lar. Porém, o espírito-pássaro invocou uma tempestade ártica para frustrar a fuga.

Então o pai se desesperou e jogou Sedna ao mar. A jovem, contudo, se agarrou na borda do barco e seu pai se sentiu obrigado a cortar seus dedos. Os dedos cortados se transformaram em animais marinhos, como focas, baleias e morsas.

Sedna foi morar no fundo do mar, de onde reina sobre os animais marinhos.

Outra versão do mito explica que Sedna, uma moça jovem e muito galanteada pelos jovens do povoado onde vivia, nunca aceitava seus pretendentes - até que se apaixonou por um cachorro e com ele casou.

Os jovens pretendentes, raivosos, levaram a moça para o mar dentro de uma canoa e a jogaram nas águas geladas. Para se salvar, Sedna agarrou-se na lateral do barco, mas os homens cortaram seus dedos para que ela morresse afogada.

Quando seus dedos caíram no mar, transformaram-se nas primeiras focas e outros seres marinhos enquanto Sedna ia para o fundo, onde se transformaria na Rainha dos Seres Marinhos.

Sedna, devido ao grande sofrimento pelo qual passou, tornou-se rancorosa, e quando alguém a ofende ela prende todos os animais para que ninguém possa pescar nem caçar. Um homem bravo, com poderes de xamã, deve então ir até o fundo do mar para pentear e desembaraçar os cabelos de Sedna - sujos e lodosos pelos pecados humanos que afundam na água. Sedna fica agradecida ao ter seus cabelos limpos e arrumados em duas grandes tranças e, por isso, liberta os animais para que a humanidade possa se alimentar outra vez.

 

Curiosidades

Silap Inua

Na mitologia Inuit, Silap Inua ou Sila era, semelhante a mana ou éter, o componente primário de tudo o que existe; também é a respiração de vida e o método de locomoção para qualquer movimento ou mudança. Ela é conhecida para controlar tudo o que entra na vida das pessoas. Ou o destino de um.

Tarquiup Inua

Na mitologia inuíte, Tarquiup Inua, também conhecido como Tarqeq, é uma divindade lunar.

Tekkeitsertok - o mestre dos caribou

Na mitologia inuit Tekkeitsertok é o deus da caça e mestre do cervo, sendo uma das mais importantes divindades do panteão

Tootega

Na mitologia inuit Tootega é uma deusa anciã sábia, que vive em uma cabana de pedra e tem a habilidade de andar sobre a água.

Torngasoak

Na mitologia inuit Torngasoak é um poderoso deus dos céus, sendo uma das mais importantes divindades do panteão.

Tornarsuk

Na mitologia inuit Tornarsuk é o deus do submundo e líder dos deuses protetores conhecidos como "tornat".

Tornat

Na mitologia Inuit, Tornat são um grupo de deuses protetores, conduzido por Tornarsuk.

Tulugaak

Na mitologia Inuit, Tulugaak é o criador da luz.

Tupilak

Tupilak é o deus inuit responsável pelo misticismo e toda a parte oculta ou desconhecida do universo.

Wentshukumishiteu

Wentshukumishiteu é na mitologia Inuit um elemental da água qual protege jovens de várias espécies animais de humanos. É particularmente apaixonado por lontras.

2 comentários:

  1. Eu amo a mitologia inuit <3 é a minha favorita dentre todas.

    ResponderExcluir
  2. Depois de ler a respeito da mitologia inuit e sobre amarkok no Wikipedia, decidi entrar em um blog pra conhecer opiniões e definições de pessoas que estudam o tema.

    ResponderExcluir