Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

6 de mai de 2011

Algo Sobre a Arte Celta

http://bruxaria-tradicional.blogspot.com/2011/05/algo-sobre-arte-celta.html

Os Celtas possuíam uma atração comum pelas "formas movimento", baseadas em sobreposições e formações de linhas curvas e espirais, destoando de qualquer lei de simetria e instigando a mente criativa do observador; Os conceitos se mantinham no limite em que as formas naturais se tornam irreconhecíveis. Estilizações recheadas de estruturas lineares dominadas pelas torções e um senso de transformação contínuo sem fim onde formas transformam-se me outras, sugerindo uma matemática quase musical e própria. Assim se desenham suas ideias decorativas.
A arte Celta tem origem em períodos anteriores à grande invasão centro-europeia onde a fusão de diversos povos foi aos poucos acrescentando elementos característicos, entretanto, foi no período que compreende as culturas Hallstatt e La Tène (800 a.C. até o último século do Império Romano do Ocidente) que obteve destaque histórico, quando no domínio da manipulação do metal, artefatos robustos e de caráter duradouro venceram a barreira do tempo e da degradação natural.
Em especial, pelo período avançado e pela forma como se desenvolveu, a arte de La Tène influenciou a arte do metal em todo o Centro e Ocidente da Europa e em vasta região desde os Cárpatos até o coração da Ásia (com alguns achados de sua penetração na China). La Tène se espalhou pelas margens do Rio Reno, estendendo-se pela França e penetrando todo o Noroeste da Península Ibérica, Grã-Bretanha e Irlanda.

Arte de La Tène - fase II (300 a.C.)

As grandes invasões romanas foram responsáveis por ofuscar uma boa parte do que se desenvolvia, mas não conseguiram exterminar a cultura La Tène que aos poucos ressurgiu liberta de algumas das influências clássicas romanas. São notáveis e elegantes os vasos e caldeirões metálicos, estampando entre outros, asas de corpo de quadrúpedes e diversas armas (mais comumente o punhal e a espada).
Era costume ainda entre os Gauleses e os celtas da Grã-Bretanha portar escudos de madeira decorados com ferro e adornos de bronze, além dos clássicos capacetes pontiagudos ou redondos. Entre os adereços pessoais foram encontrados braceletes, axorcas, as fíbulas (como as antigas lúnulas irlandesas) e os típicos colares usados pelos homens (torques).
Foi no século IV a.C. com o desenvolvimento do estilo de La Tène, que o aumento à abstração curvilínea foi notável. Já no século seguinte, devido algumas influências aparece um terceiro estilo, caracterizado por arabescos de motivos vegetais combinados com alusivas esquematizações zoomórficas, que alcançaram na Grã-Bretanha (durante o quarto estilo - I a.C.) um alto grau de esplendor.

Escudo de Wandsworth

Os ornatos, de inspiração naturalista, num enlace harmonioso de curvas, volutas e círculos, evidenciam-se pelo seu forte relevo, que lhes aumenta a importância plástica. Citemos, entre os exemplares famosos pertences a esta fase (todos eles atualmente no Museu Britânico), o escudo de Wandsworth, o de Battersea, encontrado no Tâmisa e decorado com botões esmaltados, o espelho de bronze de Desborough, em cujo reverso está finamente gravado um harmonioso desenho de folhagem enrolada.
A ornamentação repuxada indica uma imaginação sutil, como exemplo a peça denominada “caldeiro de Gandestrup” descoberta na Dinamarca (para onde teria sido levado durante o século II ou I a.C., época, em que toda a arte céltica sofreu uma rápida evolução). Outro exemplo representativo são os numerosos espólios de túmulos encontrados nas margens do Reno médio e na Borgonha. Na França, especialmente no Sul, na Provença, os celtas deixaram os exemplares mais representativos da sua arquitetura e da sua escultura, artes que contrastam, pelo caráter rudimentar, com a finura e a originalidade que encontramos na ornamentação do metal.

Caldeiro de Gandestrup

Caso o leitor tenha interesse, uma série de artefatos de La Tène e seus dados arqueológicos podem ser consultados através do endereço http://www.sheshen-eceni.co.uk/icenian.html

É difícil encontrar os motivos do por que um grupo étnico tão importante como o dos celtas nos deixou tão poucas obras de arte, principalmente se considerarmos a extensão gigantesca que sua cultura atingiu.


Referência bibliográfica:
FRAZER, Sir James George. O Ramo de Ouro. Zahar Editores S.A., Rio de Janeiro, 1982.
CÉZAR, Júlio. Comentários Sobre a Guerra Gálica. Coleção Universidade de Bolso. Ediouro, Rio de Janeiro – RJ.
SALVAT EDITORA DO BRASIL. História da Arte, Tomo 3. São Paulo, 1978.
ENCICLOPÉDIA MIRADOR.

Cordialmente, Conselho de Bruxaria Tradicional; http://www.bruxariatradicional.com.br/

2 comentários:

  1. Uau! Amei o seu blog, amiga. É muito bom... Tudo que eu queria encontrar está aqui... É tão interessante!! Vou indicar para minhas amigas... beijoss...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, pena que ainda não posso continuar postando, mas logo logo quero voltar. Abraços,

      Excluir