Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

10 de mai de 2011

Deusa Iaçá

Iaçá: a Deusa Nutridora

Há muito tempo, na tribo dos Caiapós, houve uma grande seca, a comida estava acabando, os índios estavam morrendo de fome e a população da tribo aumentava cada vez mais.

O cacique avisou que, daquele dia em diante, toda e qualquer criança que nascesse morreria, pois, do contrário, a tribo desapareceria.

A filha caçula do cacique, Iaçá, ficou grávida e escondeu a gravidez durante os meses consecutivos na esperança de poder ficar com o filho.

Mas, antes de Iaçá dar à luz, sua irmãs mais velhas, Jacira e Jandira, deram à luz duas lindas meninas. O cacique, por cima dos lamentos e amarguras das mães, matou-as. No tempo certo, Iaçá foi para a floresta e lá deu à luz um lindo menino. Por lá ficou durante sete dias e sete noites.

Após os sete dias, voltou à tribo sem a criança. Levou a criança, depois de um mês, e apresentou ao pai e à tribo, pedindo-lhes que o filho ficasse na tribo. O pai, por ser o cacique, falou no meio da oca:

“Há luas, eu disse que toda e qualquer criança que nascesse morreria. Assim como morreram as filhas de Jandira e Jacira, o mesmo farei com o filho de Iaçá.”

Iaçá implorou ao pai que deixasse seu filho vivo, mas não foi atendida. Seu pai matou seu filho Tubiraçá. Iaçá chorou por vários dias a morte de seu filho. No sétimo dia após a morte do menino, Iaçá começou a ouvir choro de criança. Pediu aos espíritos que devolvessem seu filho.

Iaçá, na porta da maloca, viu uma grande luz e saiu. Para sua surpresa, no meio da oca estava o filho. Iaçá carregou a criança e agradeceu ao espírito por devolve-lo, porém, ao tentar andar, percebeu que seus pés haviam se transformado em raízes e seu corpo tomava a forma de uma bela palmeira e seu filho de um belo e lindo fruto.

Pela manhã, todos da tribo viram aquela bela árvore, e o cacique Tupi agradeceu o belo fruto, mas o pajé avisou: “Esta é Iaçá, que se juntou ao filho e nos deu um novo alimento”. Então, a palmeira ficou conhecida como açaí, que é Iaçá ao contrário.

fonte: Wicca Brasil: Guia de Rituais das Deusas Brasileiras, Mavesper Cy Ceridwen (leitura fundamental)

Nenhum comentário:

Postar um comentário