Pesquisar neste blog

Carregando...

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

13 de jun de 2011

Deusa Morrigan

Morrigan


(...) Pollio foi até a casa de Boudica após a morte do marido dela... Prasutagos. Segundo a lei romana, uma mulher não pode governar soberana como rainha. A intenção dele era casar-se com ela, pois desde muito tempo era apaixonado pela senhora dos cabelos flamejantes, a rainha dos icenii. Também desejava casar as filhas dela com cidadãos romanos....tudo para que os malditos romanos tomassem a Bretanha e suprimissem todo tipo de revolta.
-Não. - Ela puxou o braço, sorrindo para demonstrar alguma piedade
-Você não entende! Casarei com você! - Ele a agarrou novamente, puxando-a para si.
-É você que não entende...- A voz dela era baixa e perigosa. -Fui mulher de um rei, de um homem parecido com o próprio Deus Bom! Não irei para a cama com você, porco romano, nem que isso me custe uma escravidão!- Cuspiu no rosto dele.
-E pode custar!- ele sibilou, agarrando o outro braço dela.- Você não tem escolha, sua cadela...você precisa de um amo e, com Júpiter por testemunha, se não deitar na minha cama, vou possuí-la aqui mesmo, no chão!
Pollio tentou agarrar os seios de Boudica e o alfinete do ombro da túnica dela desprendeu-se. Nesse momento ela se recuperou do choque e se desprendeu dele. Vociferando Pollio tentou agarrá-la outra vez. Eles cambalearam para perto da lareira, Boudica o agarrou pelos pulsos e o atingiu na virilha com uma força brutal, enquanto ele se contorcia ela o empurrou para o fogo.
Num segundo o lugar foi invadido por soldados romanos armados.
-Peguem-na!
Os soldados arrastaram Boudica para fora da casa até o cercado. - Amarrem-na ali, e chicoteiem-na até sangrar!
Alguém rasgou a parte de trás de seu vestido, e amarrou seu cabelo com um cordão.
Boudica pensou incrédula "Os escravos eram chicoteados. Não as mulheres livres...nem as rainhas."
Boudica não gritou por si mesma, em meio a dor, enquanto o chicote estalava em suas costas......mas algo mudaria isso.
"Eu consigo suportar...., pensou, e depois me vingarei..."
Viu de soslaio que Rigana, sua filha mais velha, vinha correndo da casa das mulheres, brandindo uma lança.
-Soltem-na! - ela gritou, agachando-se e preparando-se para o ataque.
-Vejam, uma gladiadora!- Às gargalhadas, um dos homens apontou para Argantilla, a filha mais nova de Boudica, que se aproximava com um escudo.
-Voltem!- Boudica só conseguiu grunhir. - Voltem para dentro de casa!
Os soldados riram alto, as jovens não conseguiram ouvir a mãe. Enquanto isso as chicotadas continuavam...
-Quattuor, quinque...
Rigana avançou na direção de um soldado brandindo a lança. Ainda rindo, um dos legionários sacou a espada e desviou a lança com um golpe. Logo depois um homem agarrou-a pelas costas, enquanto o primeiro a desarmava.
-Arranque as garras dela...-disse Pollio irado, com os olhos ávidos ainda cravados em Boudica.- A leoa está acorrentada! Faça o que quiser com a leoazinha...e com a irmã dela...e que essas cadelas abram as pernas para Roma!
-NÃO!- gritou Boudica como não tinha gritado pela própria dor. -Não com minhas filhas, com elas não, por favor...-Ela perdeu o fôlego e o soldado retomou o trabalho de chicoteá-la.
Eles já tinham rasgado a túnica de Rigana que se debatia com os seios à mostra e dava pontapés violentos, quando um soldado puxou o resto da túnica e meteu as mãos entre as coxas dela.
-Sedecim....viginti...
As chicotadas estalavam rasgando o ar e as costas de Boudica..."Não com minhas filhas, não com meus bebês, não com minhas garotinhas..."
A carne açoitada retesou-se em ondas nauseantes. Fogo e sombra pulsavam atrás dos olhos dela.
Os homens já tinha as duas jovens no chão. Boudica se debateu e gemeu quando as filhas começaram a gritar. Não podia protegê-las...não conseguia soltar-se! Suas filhas amadas estavam sendo estupradas...
-Salve-as! Salve-me!- A fúria reprimida voltava-se para dentro dela, destruindo os limites da identidade.
E das profundezas...muito além da razão, ecoou uma Voz que ela ouvira muito tempo antes....
-Deixe-me...
O chicote açoitou-a, dividindo o eu do eu interior. Boudica tombou ainda presa pelas cordas à medida que a carne ferida e o espírito se soltavam.
E com um grito igual aos dos corvos dos campos de batalha, Morrigan acudiu.
Ela aprumou-se. As amarras foram partidas uma a uma. O sangue jorrava das costas feridas de Boudica quando Ela virou-se. Os homens recuaram, atônitos. Os soldados que retinham as jovens também recuaram. A Deusa agarrou o homem que estava em cima de Rigana e o arremessou para o lado, e arrebentou o outro que estava com Argantilla....
Então a vingança da Deusa começou........
................................................................................

[Morrigan e Cúchulainn]

Muito do que se encontra sobre Morrigan na internet (como sobre outros assuntos que a gente pesquisa) é Ctrl+c Ctrl+v uns dos outros. Há pouca informação sobre ela... não vai muito além das correspondências e características básicas. O texto anterior é um resumo de uma das cenas onde Morrigan se manifesta no livro Os Corvos de Avalon (recomendadíssimooooo), que conta a história de Boudica, rainha dos icenii (icenos)... e de como ela quase conseguiu expulsar os romanos da Bretanha. É um romance histórico criado por Marion Zimmer (As Brumas de Avalon) e sua amiga Diana Paxson.
Morrigan está nas histórias do Ciclo de Ulster, onde ela aparece para Cúchulainn.
No Táin Bó Regamna (Invasão do gado em Regamain), ele a desafia, sem compreender o quê ela é, quando ela guia uma novilha por seu território, tornando-se seu inimigo:
Cuchulainn, como guardador e protetor de Ulster, observa uma mulher que conduzia uma carroça. Ao seu lado caminha um senhor e uma vaca presa por uma corda. Ao abordá-los, indaga ao homem como conseguiram a vaca. Quem responde é a mulher e ele irritado retruca:
-"Uma mulher não deve responder por um homem."
Volta-se novamente ao homem e pergunta seu nome. A mulher volta a responder por ele e Cuchulainn, totalmente fora de controle salta em cima dela e aponta a lâmina de sua espada para a cabeça da mulher. Nervosa, ela explica que recebera a vaca como presente por ter recitado um belo poema e que recitaria para ele se saísse de cima dela. Cuchulainn ouviu a declamação dos versos e quando se prepara para voltar a atacar a mulher, percebe que a carruagem e a mulher haviam desaparecido e em seu lugar ficou um corvo pousado em um galho que lhe diz que está ali "guardando a sua morte". Dessa vez, têm consciência que é a própria Deusa Morrigan e que ela veio avisá-lo que sua morte é iminente..
No Táin Bó Cuailnge a Rainha Medb de Connacht comanda uma invasão ao Ulster para roubar o touro Donn Cuailnge. Morrígan surge ao touro na forma de um corvo, e o previne para fugir. Cúchulainn defende o Ulster, travando no vau dum rio uma série de combates contra os campeões de Medb. Entre os combates, Morrígan lhe surge, com aparência de uma bela moça, oferecendo-lhe seu amor e auxílio na batalha - mas ele a rejeita. Como vingança ela interfere no seu próximo combate, primeiro assumindo a forma de uma enguia, fazendo-o tropeçar; depois, com a forma de uma loba, provocando um estouro da boiada, e finalmente como uma novilha que conduz o rebanho em fuga - tal como havia ameaçado em seu primeiro encontro.
Cúchulainn é ferido por cada uma das formas que ela assume mas, apesar disso, consegue ferir cada um dos animais. Ao final ela reaparece-lhe, como uma velha que trata-lhe os ferimentos causados por suas formas animais, enquanto ordenha uma vaca. Ela oferece a Cúchulainn três copos de leite. Ele a abençoa por cada um deles, e então as feridas da deusa também são curadas.
Antes de uma nova batalha contra os guerreiros de Connacht, Cathbad e Cuchulainn passeavam a margem do rio, quando avistaram a "Lavadeira do Vau", um tipo de mulher-fantasma que freqüenta as margens dos rios e arroios, chorando e lavando as roupas e as armas sujas de sangue, dos guerreiros que morrerão em combate.
Cathbad diz então:
-"Você vê Cuchulainn, a filha de Badb lavando seus restos mortais? É o prenúncio de sua morte!". Entretanto, Morrigan, talvez comovida com o trágico fim de Cuchulainn, desaparece com a carruagem de combate enquanto ele dormia. Mas nada o impedirá de ir de encontro ao seu já traçado destino. No dia seguinte, no fervor da batalha, Cuchulainn gravemente ferido, amarra-se ao pilar de uma pedra e segue lutando. Quando está próximo da morte, Morrigan aparece pela última vez, agora como um corvo que pousa no ombro do valente herói e depois salta ao solo para devorar as vísceras do corpo dilacerado de Cuchulainn.
................................................................................

[Morrigan e o Dagda]

É dito que Morrigan é uma designação para a combinação de três deusas da guerra.
Às vezes surge como uma de três irmãs, as filhas de Emmas: Morrígan, Badb e Macha. Por vezes a trindade consiste em Badb, Macha e Nemain - coletivamente conhecidas como as Morrígan ("Terror" ou "Rainha Fantasma"), também escrita Mórrígan ("Grande Rainha")-(aka Morrígu, Mórríghean, Mór-Ríogain).
É uma deusa da guerra, da vingança e da morte. Do renascimento, do destino, da mudança e da justiça. É a protetora de todas as sacerdotisas e a que impulsiona os guerreiros para suas vitórias ou derrotas.
Há evidências arqueológicas do culto a Morrigu (como também é conhecida), desde a Era do Cobre nas regiões da Espanha, França, Portugal, Inglaterra e Irlanda. Inúmeras esculturas de uma mulher com cabeça de corvo, gralha ou falcão foram encontradas em sítios arqueológicos dessas regiões, e o corvo é o animal sagrado de Morrigu por excelência.
Morrigan também era tida como uma Deusa que fazia o transporte entre a vida e a morte, uma Deusa pássaro e uma deusa do Outro mundo. Existem muitos contos antigos, chamados contos de fadas hoje, que narram a função psicopompe dos corvos...devorando não só os corpos em decomposição dos mortos, mas levando para o outro mundo também suas almas, tanto em campo de batalha como os sacrifícios humanos e mortos em geral (existem muitos vestígios arqueológicos do culto aos mortos onde o corpo da pessoa era deixado para que os corvos viessem e limpassem a carcaça).
A função de Morrigu claramente é variada, o que faz muitos historiadores acreditarem que ela acabou sofrendo uma fusão com atributos de outras inúmeras Deusas celtas menores.
Não existem muitas histórias sobre as origens de Morrigu. Alguns historiadores dizem que ela era conhecida como Moirah quando os Dannans desembarcaram na Irlanda. Era vista como uma Deusa donzela, que tinha suas próprias opiniões, e se apaixonou pelo jovem Dagda. Ela e Dagda se casaram e se uniram às margens do rio Boyne. Ela engravidou, mas como as águas do rio estavam sob os domínios Fomorianos, ao finalmente dar à luz, seu filho Mechi nasceu com três cabeças e deformado. Os druidas o sacrificaram para preservar seu povo, pois o recém-nascido seria o futuro rei e segundo a lei céltica um rei deformado ou mutilado não poderia governar. (lembra do Nuada da Mão de Prata?). Com isso, Moirah foi esconder-se na floresta. Ela permaneceu escondida durante muitos anos até que um dia surgiu usando uma capa com penas de corvos, duas espadas e com a habilidade de mudar de forma. Era uma guerreira habilidosa e nenhum homem ousava opor-se a Moirah, agora conhecida por um novo nome: Morrigu.
A união de Dagda e Morrigu ocorreu em Samhain, antes da batalha que conduziu os Tuatha de Dannan à vitoria contra os Fomorianos, que os dominavam. Quando Morrigu se uniu sexualmente com Dagda, o líder dos Tuatha, isso representou a união do Rei com a Terra, pois só dessa forma seria possível se fortalecer para vencer.
Lugh também foi considerado um dos consortes de Morrigu. Ela aparecia frequentemente nos mitos, na forma de corvo, sobrevoando Lugh e lhe dirigindo incentivos de força e segurança para que ele lutasse bravamente contra os Fomorianos.
Morrigan aparece frequentemente associada às Ben Síde, pelo irlandês moderno "Bean sídhe" ou "bean sí", significando algo como "fada mulher" (onde Bean significa mulher, e Sidhe, fada), ou ainda na forma de uma delas. As Banshee são seres míticos dos povos celtas que se aproximavam dos seres humanos para avisar a morte iminente de pessoas queridas com seus gritos e choros através das noites. Elas eram frequentemente vistas na beira de um rio lavando as roupas e armaduras dos guerreiros que morreriam.
Os povos célticos acreditavam que quando vemos corvos Morrigu está por perto. Guerreiros viam a presença dos corvos como um sinal de morte, ela era Morrigu em seu aspecto de "Lavadeira do Vau".

fonte: http://bruxapaga.blogspot.com/2009/12/morrigan.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário