Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

27 de mar de 2011

Budismo Chinês

Não se sabe ao certo em que momento o Budismo entrou em território chinês. Acredita-se que foram as missões enviadas pelo Rei Asoka os responsáveis pelo primeiro contato dessa doutrina com a China. Segundo outras tradições essa penetração se realizou sob o reinado de Ming-ti entre 58 e 76 de nossa era, da dinastia dos Han posteriores. A propagação do budismo foi a princípio, tímida e discreta; mas no terceiro século já estava bastante difundido. No século IV foi permitido aos chineses tornarem-se monges budistas e no início do século seguinte, um célebre peregrino budista Fa-Hien, introduziu na China uma grande quantidade de documentos búdicos que buscou diretamente na fonte, na Índia. O Budismo que chegou à China foi o mahãyãna.

O Budismo chinês, denominado foísmo ou Fo-Buda foi adquirindo um caráter próprio e pessoal. Uma das razões para isso ter acontecido foi a dificuldade encontrada pelos tradutores dos textos indianos. O idioma chinês não se presta muito à expressões abstratas de ideias e teorias. A solução encontrada foi o recurso às expressões usadas no Taoísmo e no confucionismo conforme as semelhanças que se apresentavam.

O Budismo chinês tornou-se então uma doutrina bem diferente do Budismo autêntico. Em lugar de nirvana, pregou a calma, a tranquilidade do espírito; em lugar da abolição do desejo, o não agir Taoísta ou entre os Confucionistas, o respeito às regras e às formas tradicionais.

A China dá ao Budismo uma atitude menos especulativa, menos interessada pelos problemas metafísicos e mais resolutamente orientada para os problemas da vida cotidiana. O Budismo, por seu lado, inculta à China uma atitude mais profundamente religiosa. A piedade filiar, que era sobretudo uma virtude de família, se transforma em um culto. Os antepassados passaram a ser olhados como habitantes de um mundo sobrenatural. E, o sentimento búdico da piedade para com todos os seres que sofrem, da bondade universal, foi para a China uma espécie de revelação. A Índia levou ao Celeste Império o sentido da caridade e da beneficência.

Texto: Lara Moncay

Nenhum comentário:

Postar um comentário