Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

4 de mar de 2011

Deusa Aine

Deusa das Fadas


Aine é uma deusa primária da Irlanda, soberana da terra e do sol, associada ao Solstício de Verão, que sobreviveu na forma de uma Fada Rainha. Seu nome significa: prazer, alegria, esplendor. Ela é irmã gêmea de Grian, a Rainha dos Elfos e era também considerada um dos aspectos da Deusa Mãe dos celtas Ana, Anu, Danu ou Don. Juntas Grian e Aine, alternavam-se como Deusas do Sol Crescente e Minguante da Roda do Ano, trocando de lugar a cada solstício.
Os pagãos acreditam que na entrada do Solstício de Verão, todos os Povos pequenos vêm a Terra em grande quantidade, pois é um período de equilíbrio entre Luz e Trevas. Se estiver em paz com eles, acredita-se que, ao ficar de pé no centro de um anel-das-fadas é possível vê-los. É um período excelente para fazer amizade com as fadas e outros seres do gênero.
Rainha dos reinos encantados e mulher do Lado, ela é a Deusa do amor, da fertilidade e do desejo. É filha de Dannann, e esposa e algumas vezes filha de Manannan Mac Liir, e mãe de Earl Gerald. Como feiticeira poderosa, seus símbolos mágicos são "A égua vermelha", palntações férteis, o gado e o ganso selvagem.
Existem duas colinas, perto de Lough Gur, consagradas à Deusa, onde ainda hoje ocorrem ritos em honra a fada Aine. Uma, a três milhas a sudoeste, é chamada Knockaine, em homenagem a esta deusa. Nessa colina possui uma pedra que dá inspiração poética a seus devotos meritórios e a loucura à aqueles que são por Ela rejeitados.
Esta é uma Deusa-Fada que segundo a tradição celta ajudava os viajantes perdidos nos bosques irlandeses. Diziam que para chamá-la bastava bater três vezes no tronco de uma árvore com flores brancas. Sempre que se sentir "perdido", faça o mesmo, chame por Aine batendo três vezes no tronco de uma árvore de flores brancas. Ela não vai tardar em ajudar.
Segundo uma, entre tantas lendas, conta-se que estava Aine sentada nas margens do rio Camog, em Lough Gur, penteando seus longos cabelos loiros, quando Gerold, o Conde de Desmond, a viu e fortemente atraído por ela, roubou-lhe o manto. Só o devolveu quando ela concordou em casar-se com ele. Desta união nasceu Earl Gerald, "O Mago". Após o nascimento do menino, impuseram ao Conde Desmond, um tabu que lhe negava expressar surpresa a qualquer coisa que o filho fizesse. Entretanto, quebrou tal tabu, exclamando alto quando viu o filho entrando e saindo de um frasco.
Gerald imediatamente transformou-se em um ganso selvagem e voou alto pelo rio Lough, em direção à ilha Garrod, encontrando repouso em seu castelo encantado. Raivosa com seu marido, pois ele tinha desrespeitado as regras estabelecidas, Aine dirigiu-se para colina de Knockaine, transformando-se em um cisne. Dizem que é lá que ainda reside em seu Castelo de Fadas. Já Gerald, vive abaixo das águas de um lago e acredita-se que um dia voltará para expulsar estrangeiros mal feitores da Irlanda. Outros dizem que de sete em sete anos ele emerge das águas como um fantasma montado em um cavalo branco.
Há lendas que contam que Aine tinha o poder de se transformar tanto em um cisne branco quanto em uma égua vermelha de nome Lair Derg, e que ninguém conseguia alcançá-la. Se acreditava também, que na noite do Solstício de Verão, moças virgens, que pernoitassem na colina de Knocknaine, poderiam ver a Rainha das Fadas com toda a sua comitiva. O mundo das fadas só se tornava visível pelos portais mágicos, chamados anéis de fada, que eram indicados pela própria Aine.
Uma outra lenda faz referência a Aine como sendo uma mortal que foi transformada em fada. Três dias no ano são dedicados à ela. Seria a primeira sexta-feira, sábado e domingo após o dia de Lammas. É neste dias que ela reivindicaria seu retorno como mortal.
Nós podemos ver em Aine o aspecto triplo da Deusa. Como Deusa Donzela, apresenta a habilidade de recompensar seus devotos com o presenta da inspiração poética. Como Deusa Mãe, está associada aos lagos e poços sagrados, cujos mananciais possuem poderes curativos. O simbolismo relacionado com a Deusa Mãe foi esquecido quase por completo, desde que começaram a ser realizados os ritos cristãos nas igrejas, mas o ato de invocação da vida nunca enfraqueceu. Já como Deusa Obscura, Aine aparecia para os homens mortais como uma mulher sábia de rara beleza, qualificada como "sidhe leannan", ou seja, uma amante-fada fatal. Sidh para os irlandeses, representa o estado intermediário entre um mundo e o seguinte. Os habitantes de Sidh são todos sobrenaturais e eram dificilmente visíveis, devido às impurezas do mundo. Dizia-se que estes seres podiam ser de dois tipos: os altos e brilhantes e os baços iluminados a partir do interior. Com o advento do cristianismo, estes seres se degradaram em todos os sentidos, tornando-se fadas, duendes e representações malignas do folclore, que viviam num estado intermediário. Contudo, seu fundamento psicológico nunca se perdeu e os terrores dos contos de fadas e fantasmas conservam os restos do culto religioso.
Acredita-se que a amante-fada fatal ainda hoje é encontrada e quando escolhe um homem mortal, este está fadado à morte certa, pois esta é a única maneira viável para que os dois possam ficar juntos e concretizar este grande amor. Foi desta lenda que Graham extraiu algumas de suas ideias da natureza de seus vampiros e escreveu o famoso livro do "Conde Drácula".

A FADA COMO ARQUÉTIPO
O sonho de toda a fada é tornar-se mulher e o sonho de toda a mulher é tornar-se fada. Mas quem sabe não poderemos chegar a um consenso e talvez o sonho possa tornar-se realidade. A fada, não a fada madrinha que queríamos que nos ajudassem quando éramos crianças, aparece em nossas vidas para dar à ela um novo sentido. A fada não traz roupas bonitas, joias, ou um príncipe encantado, mas sua presença é feérica. Esse aspecto feérico vem de um lugar indefinido, lá do alto das nuvens, um lugar que poucos visitam, e portanto poucos homens descobrem que existe na pessoa da mulher. Claro que é um mundo desconhecido, estranho, de difícil acesso, não visível a olho nu, mas no entanto existe como possibilidade dentro da mulher e pode desabrochar se ela for acolhida e chamada. Para que ela venha sobre a terra e participe da vida cotidiana, se torne humana, tem de primeiro ir descobri-la.
O arquétipo da fada é sutil, efêmero, sensível, colorido, como os campos floridos nas nuvens e o perfume celestial que de lá emana. E como tudo que é sutil, do mesmo modo que se insinua, também some.Qualquer comentário rude, de menosprezo, faz com que desapareça por encanto, do mesmo modo que apareceu. Este aspecto da alma feminina, portanto, precisa ser tratado com extrema delicadeza. A fada vem das nuvens, vem trazer alegria e felicidade, mas pode ser levada embora pelos valores coletivos, dominantes, disciplinares ou pelos deveres. Podemos dizer que a presença da fada, o convívio com a alma, não é possível com as preocupações mundanas e sociais. A vida interior é algo que se cultiva longe, lá no alto das montanhas, num lugar isolado.
Para encontrarmos nossa fada, devemos dar ouvidos a nossa voz interior, dar asas aos nossos sonhos e acreditar neles. Essa presença feminina luminosa e cheirosa é com certeza a maior dádiva que a mulher pode trazer para o mundo dos homens.

ESTABELECENDO CONTATO
Se você quer estabelecer contato com as fadas, é bom saber que elas gostam de presentes pequenos. Pode ser qualquer coisa que brilhe (pedras ou gliter), moedas, ou até uma taça de leite com mel. Naturalmente, não espere que seus presentes desapareçam, pois as fadas existem no plano astral e extraem a essência do espírito de qualquer coisa, deixando a matéria intacta.
Se você encontrar um anel de fadas, jamais pise nele, pois somente outro ser humano poderá retirá-lo de lá, deixando dentro uma luva.

POEIRA DAS FADAS
Todos os ingredientes devem ser ervas e pétalas de flores secas que devem ser triturados até transformarem-se em pó com um pilão. São eles: cogumelos, pétalas de flores, folhas ou sementes de morango, bagas de espinheiro (tipo de arbusto espinhudo) e terra próxima da raiz. Acrescente a esta mistura um pouco de pó de gliter, se quiser. Isto tudo deve ser feito na Lua Cheia.
Nunca esqueça que sempre devemos pedir licença à Mãe Natureza para retiramos qualquer coisa dela e ainda sempre devemos deixar algo para as fadas. Eu, geralmente derramo na terra um copo pequeno de leite com mel. O pó de fadas servirá para moldar o círculo quando invocá-las, mas você pode polvilhar um pouco também em seu jardim para atraí-las.

MEDITAÇÃO DIÁRIA À AINE
Cumprimente o Sol a cada manhã e sinta o prazer de se aquecer com seus raios. Recorde que sem o Sol não poderia haver vida neste planeta. O Sol é fonte de energia para todas as coisas. Sinta o poder desta energia como uma benção que o aquece.
Agora respire lentamente e profundamente e dirija toda esta energia para um pouco abaixo do coração, região do caldeirão das emoções. Respire do mesmo modo mais três vezes e visualize um círculo de luz solar nesta região. Sinta este calor dentro de você. Em seguida, inspire e expire mais três vezes e circule o arco luminoso por todo o seu corpo. Traga a luz para dentro de você, até transformar-se em um corpo luminoso, sendo que toda a luz emana do caldeirão das emoções.
Visualize neste momento, aproximação da fada Aine. Veja como seu rosto é redondo e incandescente, lindamente adornado pelos seus cabelos dourados-avermelhados. Fite seus olhos verde-esmeralda. Ela estará vestindo um longo multicolorido todo bordado de dourado. Ela se aproximará cada vez mais e você deverá continuar olhando para os seus olhos. Quando a deusa começar a girar em torno de seu corpo, penetre dentro de seus olhos e olhe através deles. Escute então tudo que ela tem para lhe dizer.
Depois saia de dentro do corpo da deusa e visualize-se na posição anterior. Coloque a mão direita espalmada na altura de seu coração, colocando em seguida a mão esquerda também espalmada sobre a direita. Deixe agora a visualização de Aine desvanecer-se.

Abra os olhos e tenha um BOM DIA!

Texto pesquisado e desenvolvido por Rosane Volpatto
Fotos: internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário