Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

15 de mar de 2011

Mitologia Navajo

Os índios Navajo da América do Norte, acreditavam que Tsohanoai era o deus Sol. Ele assume forma humana e carrega o Sol às costas, todos os dias (coitado) através do céu. À noite, o Sol descansa, pendurado numa pega na parede ocidental da casa de Tsohanoai.

Os dois filhos de Tsohanoai, Nayenezgani (Matador de Inimigos) e Tobadzistsini (Criança de Água) viviam separados do pai, em casa da sua mãe, no extremo ocidente.

Quando se tornaram adultos, os dois decidiram procurar o seu pai e pedir-lhe ajuda para combater os espíritos maléficos que aterrorizavam e atormentavam a Humanidade.

Após muitas aventuras, eles conheceram a Mulher-Aranha, que lhes disse onde eles poderiam encontrar o deus Sol e deu-lhes 2 penas mágicas para eles se manterem seguros. Finalmente, chegaram a casa de Tsohanoai, onde ele lhes forneceu setas mágicas para conseguirem derrotar os Anaye, monstros maléficos que devoravam homens.

A filosofia religiosa dos navajos é ligada a natureza, que busca a harmonia, de uma ligação entre os homens e todas as fases da natureza atuam juntos, e os seres pequenos, aparentemente insignificantes, podem tornar-se tão importantes quanto os grandes e possantes. Há um panteão navajo, mas não uma verdadeira hierarquia. Os grandes deuses, às vezes, são eclipsados por criaturas modestas e humildes que podem realizar aquilo que eles não conseguem.

Todos os poderes, como a possível exceção de Mulher que Muda, são igualmente bons e maus, dependendo de sua natureza intrínseca, do modo como são abordados, de seu humor e das condições do momento, e do contexto de sua atuação. A maioria das cerimônias tem por finalidade persuadir os deuses a outorgar dádivas à humanidade, banir o mal e restaurar a harmonia natural são imagens e rituais vibrantes, que buscam a estabelecer a harmonia do ser humano do ser humano com as forças naturais a sua volta. É através desta interação que os xamãs evocam os poderes curativos da natureza, em ritos de purificação que incluem orações, cânticos e símbolos cristalizados em pinturas de areia e transmitidos de geração em geração. A cura dos navajos todo um sistema de crença (mitologia dos navajos) do paciente, liberando energia da identificação simbólica para recriar o mundo interior. Os mitos são o alicerce flexível sobre o qual os cantos de cura se assentam. Cada canto tem um mito associado, que descreve sua origem e aventuras do herói ou heroína que buscam obter dos deuses aquele canto.

Às vezes, as orações , os cânticos e as pinturas com areia, além da ação dos rituais, referem-se ao mito, mas não existem correspondências exclusiva. O mito não pode ser reconstituído a partir da cerimônia. Não é sequer exigido do xamã que ele conheça o mito do canto que dirige, embora deva conhecer detalhadamente tudo mais. É porém notável se ele dominar esse conhecimento.

Os rituais navajos organizam-se em torno do culto ao Sol. Em razão da ideia navajo de concepção, a crença de que está é devida a uma união da luz (calor) com a água (sêmen, umidade), o Sol como símbolo de luz, calor e quentura, domina de certa maneira todos os outros espíritos e deidades. Uma vez que todas as coisas aparecem aos pares - onde um domina e outro é dominado, um é mais forte e outro mais fraco - Mulher que Muda é o equilibrador do par. Seu poder talvez seja tão grande quanto o do Sol, mas qualitativamente diferente. Mulher que Muda (Istsá Natlehi) é o grande símbolo da terra com todas as suas variações sazonais, o poder da mulher de renovar a vida, o amor materno. Ela parece ter uma boa vontade consistente para com a humanidade.

Assim, o Sol e a Mulher que Muda formam o eixo central em torno do qual orbitam todos os outros poderes e seres. São a fonte fundamental de saúde e harmonia, têm o poder de fortalecer e rejuvenescer. De sua união vieram os Gêmeos Guerreiros, o Matador de Monstros (Naye Nezgáni) e o Filho da Água (Tobadsistsíni), que fazem árdua viagem para visitar seu Pai Sol e ganhar dele o poder para derrotar os monstros e libertar o povo (mitologia do Canto da Noite, que serve par libertar o paciente de ataques obsessivos). Ele e seus pais, Mulher que Muda e o Sol são a "Sagrada Família" da teologia navajo. Mulher que Muda e o Sol ligam-se também cada qual a um ser sobrenatural mais fraco, do mesmo sexo, que complementa ou amplia sua natureza: a Lua (Kléhanoi) é o irmão mais fraco do sol, e a Mulher Cocha Branca (Yolkáiestan) a irmã mais fraca de Mulher que Muda.

A Mulher Cocha Branca é um pouco mais dúbia e não confiável do que sua irmã. Está "Sagrada Família" foi um desenvolvimento posterior, dentro da história mítica dos navajos. Nos mundos inferiores dos mitos de origem, o Primeiro Homem e a Primeira Mulher eram os protagonistas e viviam as voltas com bruxarias e o mal. Coiote, Begochidi, o Deus Negro (ou Deus do Fogo), a Mulher Sal, os insetos e os outros animais estavam lá desde o princípio e tiveram papéis importantes na longa ascensão até a luz e a consciência. Além das figuras universais, todo canto parece Ter um mini-panteão próprio. O Canto da Chuva, de Pedra que Fala, do Povo Trovão, em que o Trovão Branco e o Trovão Negro são deidades de destaque. O Canto da Grande Estrela (o meu favorito) introduz o Povo Estrela, para quem a Grande Estrela é o grande sábio.

No Canto da Noite existem o povos sagrados especiais, geralmente chamados Yei, que na noite final são personificados pelos dançarinos que usam máscaras azuis e colares de sempre-vivas, e cantam numa voz de falsete, sinistra. Os Yei são conduzidos por Deus que Fala (Hastyéyalti), que é como um mentor severo para os heróis do canto, guiando-os e dirigindo-os em suas aventuras, e salvando-os de todo tipo de revés. Geralmente é identificado como o leste e os sol nascente. Seu grito Wu, hu hu hu é parecido com o chamado da manhã dos rituais Pueblo. Geralmente faz parte com Deus Lar como alguns preferem chamá-lo, que parece simbolizar a domesticidade, a paz, a fertilidade, e está associado com o oeste e o sol poente. Nesse sentido são ambos parte do complexo simbólico solar.

O mundo navajo é repleto de divindades. Toda força natural, cada elemento geográfico, toda planta, animal ou fenômeno meteorológico tem seu poder sobrenatural peculiar e pode ser representado por uma imagem personificada nas pinturas em areia. E ainda existe Begochidi! Ele é diferente de todos os outros e encarna a essência do paradoxo. Por um lado é filho do Sol, associado à luz e ao fogo, é uma deidade solar, criador da vida, que teve "relação sexual com tudo que existe no mundo". Neste aspecto benigno, é o patrono dos animais domésticos e de uso: é para ele que se reza pedindo que o cavalo seja muito bom. É retratado como figura solar com cabelo louro ou ruivo, e olhos azuis. Por outro lado, porém, Begochidi é um grande malfeitor e jogador. Ele pode mudar, se o desejar, e assumir qualquer forma de arco-íris, areia, água ventos, insetos, etc. Desmoraliza os outros deuses, mudando-lhes nuvens de insetos para mordê-los sem piedade, até que concordem com suas exigências. Esgueira-se por trás das meninas e belisca-lhes os seios gritando "Bego, bego"(diz-se que seu nome significa Aquele que agarra os seios"). Quando um caçador está fazendo mira, ele agarra seus testículos e estraga o tiro. Faz a mesma coisa quando um homem e uma mulher estão tendo relação sexual. Às vezes, Begochidi aparece como uma minhoca ou inseto que rasteja no pó e representa alguma coisa obscena. Favorece o sexo e a procriação, mas também é patrono dos travestis e veste-se como mulher.

No mito do Caminho da Traça, Begochidi vive com o Povo Borboleta como travesti. Está sempre pondo suas mãos nas virilhas dessas pessoas e dizendo "Bego, bego". Ele não deixa que se casem enquanto estiver cuidando delas. Um dia quando estava afastado, praticam incesto entre irmãos como consequências desastrosas. Todos ficam com a "loucura da traça" e se atiram ao fogo numa investida enlouquecida e precisam ser separados á força. Finalmente, é encontrada a cura com uso de medicamentos preparados à base de um litro de essência de coiote, texugo, raposa azul ou urso. Quando esse medicamento é ministrado, o irmão e a irmã sentam-se de costas um para o outro, e saem borboletas de suas bocas que se desvanecem no ar. Quando se busca um paralelo para a natureza de Begochidi, pensa-se logo em Mercúrio, tão necessário ao trabalho dos alquimistas. Mercúrio pode ser associado com o fogo, "o fogo universal e cintilante da luz da natureza, que contém em si o espírito celestial". Poderia ser uma criatura também lasciva e, eventualmente, foi representado em coabitação contínua. Num texto Rosa Cruz, sua natureza dual é demostrada primeiro na coabitação, depois na fusão ou mescla dos lados masculino e feminino, associado ao sol e a lua. Como diz Jung: "Ele é um demônio, um psicopompo redentor, e um traquinas esquivo, assim como reflexo de Deus na natureza física".

Assim, tanto Mercúrio como Begochidi combinam o mais baixo e o mais elevado, o traquinas lascivo e a unidade mística com Deus, a ligação do sol com a lua, uma sexualidade desvairada e a transcendência sexual. As duas dimensões podem tanto ajudar como impedir, dependendo de como foram abordadas. Begochidi é um símbolo de reconciliação que contém o bem e o mau, o alto e o baixo, o puro e o impuro, o másculo e o afeminado, e, assim, é um dos conceitos intuitivos mais audaciosos da filosofia religiosa nativa americana, uma engenhosa tentativa de expressar a natureza essencialmente paradoxal do homem, na imagem de um Deus.

Fonte: Terra Mística – http://www.terramistica.com.br/index.php?add=Artigos&file=article&sid=111

Navajo Mythology é um sistema de crenças que é extremamente rica e expressiva, bem como complexo, com muitos contos. Mitologia Navajo é baseada no reconhecimento de que todas as histórias de encontrar um lugar dentro de várias épocas importantes da história sagrada, uma história que aconteceu " no início. As histórias são passadas de geração em geração por via oral e fornecem a base de Navajo vida e pensamento

A criação Navajo história centra-se na zona conhecida como o Dinétah, a terra tradicional do povo Navajo. Este mito da criação é a base para o modo de vida tradicional Navajo. O esquema básico do mito da criação Navajo começa com a Santa Supremo Vento que está sendo criado, a névoa de luzes, que surgiu através da escuridão para animar e trazer efeitos para o Povo miríade Santo, sobrenatural e sagrado em três diferentes mundos inferiores. Todas essas coisas foram criadas espiritualmente no momento antes da terra existia e no aspecto físico dos seres humanos, não existia ainda, mas não o espiritual.

No primeiro mundo as pessoas insetos começaram a brigar um com o outro e foram instruídos pelo Povo Santo para afastar. Eles viajaram para o segundo mundo e viveu por um tempo em paz, mas eventualmente eles lutaram entre si e foram instruídos a partida. No terceiro mundo a mesma coisa aconteceu de novo e eles foram obrigados a viagem para o quarto mundo. No mundo do quarto, eles encontraram a vida Hopi lá e não conseguiu lutar com um outro ou de seus vizinhos, e seus corpos foram transformados em formas de insetos de formas humanas. Eventualmente, no entanto, eles lutaram um com o outro novamente, e novamente foram instruídos a partida.

Primeira mulher e o primeiro homem fisicamente aparecer aqui formados a partir de espigas de milho branco e amarelo, mas eles também foram criados para trás no começo. Não há uma separação entre os seres humanos do sexo masculino e feminino, porque cada um não apreciam as contribuições dos outros, e isso as bases para o surgimento de monstros que iria começar a matar as pessoas no mundo que vem.

Coyote também aparece e rouba o bebê da água Monster, que traz uma grande enchente no terceiro mundo, que atinge principalmente as forças dos humanos, assim como povo santo ao caminho para a superfície de quinto mundo através de um caniço oco. Algumas coisas são deixadas para trás e algumas coisas são trazidos para ajudar as pessoas recriar o mundo, cada vez que entra um novo.. Death and the Monsters nascemos neste mundo, como está mudando Mulher, que dá à luz os gêmeos do herói chamado "Monster Slayer" e "Criança das Águas", que tinha muitas aventuras em que ajudou a livrar o mundo do mal muito. Pessoas Earth Surface, mortais, foram criados no quarto mundo, e os deuses lhes deu cerimônias que são praticados ainda hoje.

Hogans

Habitações Navajo, chamado hogans, são sagrados e construído para simbolizar a sua terra: os quatro posts representam as montanhas sagradas, a palavra é a mãe terra, ea cúpula do tipo de telhado é o pai do céu.

Quatro Montanhas Sagradas

A religião Navajo é diferente na medida em que deve ser praticado em uma área geográfica específica, conhecida como a Dinétah (a pátria Navajo tradicional). Navajo pessoas acreditam que o Povo Santo instruiu-os para nunca deixar a terra entre quatro montanhas sagradas localizado no Colorado, Novo México e Arizona.

Ao sul, é Mount Taylor; a oeste são os de San Francisco Peaks, a leste é Blanca Peak, e para o norte é Hesperus Peak.. Há um objeto sagrado e uma cor que representa cada um dos quatro pontos cardeais. A leste é o céu da manhã branca, sua pedra preciosa é casca branca.. Para o oeste é o amarelo e a pedra correspondente abalone é amarela. Para o norte é a preto e jato.

Referências

Salmonson, Jessica Amanda. The Encyclopedia of Amazonas. Paragon House, 1991, p. Paragon House, 1991, p. 255. ISBN 1-55778-420-5 255. ISBN 1-55778-420-5

Zolbrod, Paul G. Diné bahane: A história da criação do Navajo.

Albuquerque: University of New Mexico Press, 1984.

King, Jeff e Oakes, Maude, com Campbell, Joseph. Quando o veio dois a seu pai: A Guerra Navaho Cerimonial, Bollingen Series, vol. I. New York: Pantheon Books, 1943; 3rd edition, Princeton: Princeton University Press, 1991, ISBN: 0691020698 I. Nova York: Pantheon Books, 1943, 3a edição, Princeton: Princeton University Press, 1991, ISBN: 0691020698

Nenhum comentário:

Postar um comentário