Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

28 de mar de 2011

Mitologia Persa

Texto: Lara Moncay

Ainda hoje, a muitos milênios de distância da antiga e desaparecida Pérsia, e entre os povos de tradição cristã, se continua celebrando a grande festa persa de Mitra; essa é também a festividade do santoral cristão; a festividade cívica do Ocidente, o tempo de reflexão na paz e de trégua na guerra. Com certeza,  Mitra já não é conhecido pelo seu nome, mas continua celebrando-se o seu nascimento com o Natal, o nascimento anual e eterno do deus.

Também da Pérsia, do monoteísta Zaratustra, herdamos dos povos da rama Judéia essa noção e o conceito aliado do confronto necessário entre o bem e o mal, entre Deus e demônio.

Os Persas

Os persas, as famílias de parsis e de medos, surgem na história da Mesopotâmia com força, relevando o império assírio e ocupando as suas capitais durante um breve período. Assim Nínive cai em seu poder no ano 606 a.C. e Babilônia passa a ser parte dos seus domínios no ano 538 a C, sob Ciro II. Os persas criam por sua vez um império ainda maior e poderoso que se estende por quase todo o território da Ásia Menor, englobando desde a fronteira natural com o subcontinente índio pelo Este, o Cáucaso pelo Norte, a península arábica pelo sul e as costas do Mediterrâneo pelo Oeste, incluindo nos seus extensos domínios as colônias adstritas à esfera de influência grega. Esta extensão geográfica e a diversidade de povos submetidos à influência política persa vai fazer nascer uma nova religião composta, em partes iguais, pelas tradições indo-iranianas e pelos mitos particulares de cada uma das zonas englobadas no novo e grande Império, numa muito vasta e mutante crônica, com altos e baixos militares, mas com uma história brilhante que se estende por mais de um milênio, através das dinastias aquemênides (até ao ano 330 a.C.), arsácidas (até ao ano 224) e sassânidas (até ao ano 654), até o momento em que a nova força religiosa e conquistadora do Islã termine, pela força das armas e quase completamente, com a rica tradição mitológica persa, acabando também com a religião que tinha sido fundada por Zaratustra no século VII a.C., exposta nos textos do Avesta, a base ideológica persa que permitiu a coesão do extenso e duradouro império a partir da última dinastia, a sassânida, e que seria mais tarde aumentada e reformada com a nova ideia do maniqueísmo.

3 comentários:

  1. quero saber os deuses ou mais detalhes sobre a mitologia persa

    ResponderExcluir
  2. Vamos pesquisar. Obrigada pela visita. Abraços, Sofya.

    ResponderExcluir
  3. Quero mais deusseeeessss

    ResponderExcluir