Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

27 de mar de 2011

Perséfone e Hades

Texto: Lara Moncay

Perséfone é a Rainha das trevas, filha da mãe terra, Deméter e guardiã do segredo dos mortos. Hades, senhor das trevas, enlouquecido de amor pela donzela, raptou-a, enquanto colhia flores. Assim que a levou até seu reino sombrio, fez com que ela comesse a romã, fruta dos mortos. A partir de então, Perséfone estaria ligada a ele para sempre. E assim aconteceu. Durante três meses por ano, Perséfone governaria o mundo das trevas junto com o marido. Embora passasse os outros nove meses do ano na companhia de sua mãe, não podia constar a ninguém os segredos do mundo dos mortos. O reino de Hades, cheio de mistérios, era protegido pelo terrível rio Estige, que nenhum ser humano poderia cruzar sem a permissão do próprio deus. Apenas Hermes podia guiar os poucos escolhidos na travessia do temível rio. As almas dos mortos não podiam atravessá-lo sem dar uma moeda a Caronte, o velho barqueiro do Estige, que os conduziria até o portal do reino de Hades, onde ficava Cérbero, o temível cão de três cabeças e cauda de serpente, guardião dos infernos, que devoraria qualquer um, vivo ou morto, que se atravesse a ultrapassar os limites impostos pelas leis do reino invisível.
E assim, por ter comido a romã, Perséfone abriu mão da inocência da infância para se tornar à guardiã dos segredos e mistérios de seus sombrios domínios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário