Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

29 de abr de 2011

Glossário Grego (P)

(autoria desconhecida)

PÃ: Filho de Hermes e da Ninfa Dríope (ou Driopéia). Pã é retratado como um ser peludo, com chifres, pernas e pés de bode, habitando florestas, geralmente perto de rios e lagos, onde ele vive perseguindo as Ninfas. Pã é um símbolo da fertilidade e é, talvez, a maior das divindades da Natureza. Pã quer dizer "tudo", ele é a Natureza como um todo fértil e criativo. Pã tinha o costume de surgir subitamente para quem transitava pelas florestas, causando susto e medo nas pessoas, o que deu origem à palavra latina "panicus", o nosso "pânico". O deus Pã é o inventor de uma flauta de sete tubos e som mavioso que ficou conhecida como "Flauta de Pã".

PANDORA: Mulher criada por Hefestos, a pedido de Zeus, para seduzir a raça humana e levá-la à perdição. Cada um dos deuses do Olimpo dotou-a com um dom: beleza, inteligência, charme, poder de sedução, etc. À Pandora é dada uma caixa lacrada com a recomendação que ela a entregue aos homens. Descendo à terra, a primeira pessoa que Pandora encontra é Epimeteu, irmão de Prometeu. Apesar de ter sido avisado pelo irmão para não aceitar nenhum presente dos deuses, Epimeteu, fascinado por Pandora, recebe a caixa e abre-a. De lá escapam flagelos de toda sorte: Fome, Miséria, Inveja, Ódio, Pestilência, etc. Apavorado, Epimeteu fecha rapidamente a caixa. Depois, notando uma luz dentro da caixa, Epimeteu abre-a bem devagar e, um sorriso ilumina-lhe o semblante. Dentro, com as pragas, tinha entrado na caixa a Esperança. Nem tudo estava perdido.

PÁRIS: Príncipe troiano, filho do rei Príamo e da rainha Hécuba. Quando grávida de Páris, Hécuba sonha que dá à luz uma tocha que incendeia Tróia. Príamo procura um adivinho que lhe interprete o sonho. O adivinho aconselha que Páris seja morto tão logo nasça. Príamo decide fazer isto, mas Hécuba engana-o e dá o filho para ser criado por pastores no monte Ida. Quando cresce, Páris é selecionado por Zeus para arbitrar uma contenda entre Hera, Afrodite e Atena sobre qual delas é a mais bela. Páris escolhe Afrodite que promete-lhe, em troca, a mão da mais bela mulher do mundo. Páris volta para Tróia, revela-se ao rei e é recebido na corte. De volta de uma missão na Grécia, Páris para em Esparta, no palácio de Menelau e lá apaixona-se pela esposa deste, Helena. Helena foge com Páris para Tróia, o que resulta em os gregos declararem guerra contra aquela poderosa cidade. Assim tem início uma guerra que duraria dez anos e que ceifaria a vida de muitos heróis dos dois lados: a Guerra de Tróia.

PARTENON: Templo na Acrópole, em Atenas, dedicado à deusa Atena. Partenon vem da palavra grega "Parthenos", que quer dizer "virgem" - Atena é a deusa virgem. O Partenon teve sua construção iniciada por volta de 450 a.C. pelo arquiteto Ictinus e foi terminado e embelezado pelo grande Fídias. Dentro, havia uma grande estátua da deusa Atena feita de ouro e marfim. Parte do estatuário e baixos-relevos do Partenon encontram-se no Museu Britânico.

PÉGASUS: Cavalo alado, produto da união de Poseidon com Medusa, que surge do sangue desta quando ela tem sua cabeça cortada por Perseu. Esse cavalo fabuloso foi transportado para o céu, por Zeus, transformado em uma constelação.

PENÉLOPE: Enquanto Helena é um símbolo da infidelidade conjugal, Penélope é o seu extremo oposto. Filha de Icário e Peribéia, Penélope casa-se com Odisseu. Pouco depois do nascimento de seu filho Telêmaco, Odisseu é convocado para a Guerra de Tróia e para uma ausência de vinte anos - a guerra dura dez anos e o herói leva mais dez tentando chegar de volta ao seu reino, Ítaca. Esta viagem de volta é contada no poema épico de Homero "A Odisseia". Como a volta de Odisseu não acontece por anos, começam a aparecer pretendentes à mão de Penélope: sendo ela a rainha, quem a desposar será o rei de Ítaca, pelo menos até a maioridade de Telêmaco. O assédio é intenso e o país começa a exigir que Penélope escolha um dos pretendentes. Como Penélope ainda acredita na volta do marido e não quer incorrer em adultério, ela pensa num estratagema: ela só escolherá alguém depois que ela terminar de tecer uma mortalha para Laertes, o pai de Odisseu. Penélope começa o trabalho, mas o que ela tece durante o dia, ela desfaz durante a noite. Depois de três anos, um dos pretendentes descobre o ardil e avisa os outros. Eles, agora, furiosos, instalam-se no palácio real e passam os dias em festins, dilapidando o patrimônio de Odisseu. Nesse ínterim, Odisseu aporta em Ítaca em segredo, num perfeito disfarce de mendigo proporcionado por Atena, sua protetora. Ele, então, pede a Penélope que reúna os pretendentes no grande salão do palácio e que proponha-lhes um desafio: doze machados serão alinhados em pé, no salão, cada um com um furo na mesma altura do cabo. O pretendente que, usando o grande arco de Odisseu, conseguir lançar uma flecha através dos doze furos será o novo rei de Ítaca. Contudo, os pretendentes não têm força nem sequer para armar o grande arco. Então, o mendigo pega o arco e, para o assombro de todos, retesa-o e lança uma flecha certeira através dos doze furos. Quando os pretendentes se voltam contra o mendigo, este se transforma na frente de todos revelando-se como Odisseu. O terror toma conta dos pretendentes, mas as portas são fechadas e eles são todos chacinados ali mesmo. Odisseu é, de novo, o rei e Penélope sua rainha.

PERSÉFONE (Prosérpina, para os romanos): Esposa de Hades. Perséfone é filha da deusa Deméter. Um dia, Hades rapta a jovem e leva-a para o seu mundo para torná-la sua esposa. A mãe da moça, Deméter, que é a Deusa da Agricultura, procura-a por toda parte, até que é informada do paradeiro da jovem. Furiosa, Deméter vai até o Olimpo e diz que não mais cuidará das sementes e das plantas enquanto não obtiver a filha de volta. As plantas começam a morrer, as sementes não mais germinam, a fome se alastra. Hermes, o Mensageiro dos Deuses, é enviado a Hades para tentar trazer a jovem de volta. Hades diz que, se Perséfone ainda não comeu nada no Mundo dos Mortos, ela poderá regressar. Mas a jovem confessa que comeu um bago de romã. Os deuses procuram uma solução e, no final, fica estabelecido que a jovem ficará com o marido durante o inverno, quando a Terra descansa e que passará o resto do ano com a mãe. Deméter concorda e a Terra volta a florescer.

PERSEU[ver foto]: Zeus engravida a princesa Dânae, disfarçado como uma nuvem de ouro. Quando Dânae dá à luz Perseu, o pai da jovem, o rei Acrísio, tranca mãe e filho em uma arca e lança-a no mar. Zeus pede a Poseidon que leve a arca para um lugar seguro e, assim, ela chega à ilha de Serífo. A grande façanha de Perseu é encontrar e matar a mais terrível das Górgonas, a Medusa. Mas, para isto, o herói tem que, primeiro, encontrar umas Ninfas que têm em seu poder três objetos mágicos: um par de sandálias aladas (provavelmente de Hermes), uma bolsa de couro de cão e um capacete que dá invisibilidade a quem o usa. Para saber onde encontrar as Ninfas, Perseu vai indagar às Gréias. Perseu consegue apoderar-se do único olho que as três velhas usam entre si e exige que elas lhe digam onde encontrar as Ninfas. Após receber destas os três objetos mágicos, o herói não tem dificuldades em achar o covil da Medusa. Como a Medusa tem o poder de tornar em pedra quem a encara, Perseu aproxima-se olhando o reflexo dela no seu escudo. Com a espada, ele decepa-lhe a cabeça. Do sangue da Medusa surge o cavalo alado Pégaso, filho de Poseidon. Perseu monta Pégaso e segue viagem até chegar ao reino do rei Cefeu, quando a filha deste, Andrômeda, está acorrentada num rochedo junto ao mar como sacrifício a um monstro marinho. Quando o monstro surge, Perseu mostra-lhe a cabeça da Medusa e a criatura transforma-se em uma estátua de pedra. Perseu casa-se com Andrômeda e dá a cabeça da Medusa para a deusa Atena, que coloca-a no centro de sua égide. Quando, mais tarde, Perseu e Andrômeda morrem, os deuses transportam-nos para o céu, transformando-os em constelações.

POLIFEMO: Nome do ciclope, filho de Poseidon, que aprisiona Odisseu e seus companheiros em sua caverna e passa a devorá-los um a um. Odisseu perfura-lhe o único olho com uma estaca afiada e ele e os companheiros conseguem escapar. Poseidon fica furioso por ver o filho cego e tenta de todos os modos matar Odisseu. Ele consegue retardar por dez anos a volta do herói para o seu reino em Ítaca. Esta história é narrada no poema épico de Homero "A Odisseia".

PROMETEU[ver foto]: Titã, filho de Iápeto e Clímene, irmão de Epimeteu, de Menécio e de Atlas. Depois que sua raça, os Titãs, é vencida pelos deuses olímpicos e precipitada no Tártaro, Prometeu resolve criar uma criatura nova na Terra que possa, talvez, suplantar os deuses. Do barro, ele cria o Homem e lhe dá vida e inteligência. A nova criatura espalha-se pela Terra e deixa os deuses apreensivos com suas habilidades e capacidade de aprender. Os deuses, então, decidem negar a esta nova criatura o acesso ao fogo que acelerar-lhe-ia o progresso. Prometeu, vendo sua criatura privada do progresso, decide ir contra os desígnios dos olímpicos e ajudar o homem. Ele vai até o carro do sol, acende uma tocha e entrega-a ao homem. Furioso, Zeus ordena a Hefestos que prenda o Titã com grilhões no monte Cáucaso. Durante o dia, uma águia devora-lhe o fígado; este recompõe-se durante a noite para recomeçar a tortura toda outra vez no dia seguinte. Prometeu sofre este suplício durante trinta anos (ou trezentos anos, segundo algumas fontes). Durante esse tempo, Zeus e os olímpicos percebem que homem, apesar de sua inteligência e destreza, não despreza os deuses, mas cultua-os e faz-lhes sacrifícios. Com isto, a ira inicial do Senhor do Olimpo abranda-se, ele perdoa o Titã e permite que Héracles o liberte dos grilhões. Prometeu poderia ser, agora, recebido no Olimpo, mas o castigo lhe causou, também a perda da imortalidade. Eis que o centauro Quirão é ferido acidentalmente por Héracles com uma flecha envenenada e padece de dores atrozes que nada alivia. Quirão clama a Zeus que lhe conceda a bênção da morte e cede a Prometeu o seu dom da imortalidade. Prometeu é, então, recebido no Olimpo e Zeus transporta o centauro para o céu onde ele forma a constelação de Sagitário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário