Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

2 de abr de 2011

Mito Celta

A História da Princesa Ethlinn, seu pai, o Rei Balor e Kian e a chegada de seu filho, Lugh
Diz a história que Balor, o rei Fomoriano, ouviu em uma profecia druídica que seria assassinado por seu neto. Sua única filha era uma menina chamada Ethlinn. Para impedir sua destruição, o rei, assim como Acrisios, pai de Danae no mito grego, aprisionou-a em uma alta torre que ele mandou construir em um cabo escarpado, o Tor Môr, em Tory Island. Ele colocou a garota sob os cuidados de doze aias, incumbidas de evitar com rigor que ela visse um homem, ou sequer soubesse da existência de seres de outro sexo que não o dela própria. Foi nessa reclusão que Ethlinn cresceu, como todas as princesas isoladas, tornando-se uma donzela de insuperável beleza.
Mas ocorre que havia no continente três irmãos, a saber, Kian, Sawan e Goban, o Ferreiro, o grande armeiro e artífice da mitologia irlandesa, que corresponde a Wayland Smith nas lendas germânicas. Kian possuía uma vaca mágica, cujo leite era tão abundante que todos queriam possuí-la, e ele tinha que mantê-la sob rigorosa proteção.
Balor estava determinado a possuir essa vaca. Um dia, Kian e Sawan haviam ido à ferraria para encomendar algumas armas, levando com eles aço de ótima qualidade para esse fim. Kian entrou na ferraria, deixando Sawan encarregado da vaca. Balor apareceu, tomando a aparência de um garotinho ruivo, e disse a Sawan que ouvira os irmãos na ferraria tramando um plano para usar todo o bom aço em suas próprias espadas, deixando apenas metal comum para a espada de Sawan. Este, muito furioso, deu o cabresto da vaca ao menino e correu para dentro da ferraria para pôr fim a essa abominável conspiração. Balor levou a vaca embora imediatamente, e arrastou-a pelo mar para Tory Island.
Kian estava decidido a se vingar de Balor, e para isso buscou o aconselhamento de uma druidesa chamada Birog. Vestido como uma mulher, ele foi levado por um encantamento mágico através do mar, onde Birog, que o acompanhava, fez com que eles aparecessem para as guardiãs de Ethlinn como se fossem duas nobres senhoras que haviam sido lançadas na costa enquanto fugiam de um sequestrador, e imploraram por abrigo. Foram aceitas; Kian encontrou uma forma de ter acesso ao local onde estava a Princesa Ethlinn, enquanto as aias foram enfeitiçadas por Birog, que lançou sobre elas um encantamento do sono, e quando acordaram, Kian e a druidesa haviam desaparecido da mesma forma que vieram. Mas Ethlinn havia dado seu amor a Kian, e logo suas guardiãs perceberam que ela estava grávida.
Temendo a ira de Balor, as aias convenceram-na de que todo o acontecido fora apenas um sonho, e não disseram nada sobre o assunto, mas no tempo esperado Ethlinn deu à luz três filhos.
A notícia chegou a Balor e ele, furioso e aterrorizado, mandou que as três crianças fossem afogadas em um redemoinho para além da costa irlandesa. O mensageiro encarregado de cumprir a ordem enrolou as crianças em um lençol, mas enquanto as carregava para o local determinado, o alfinete do lençol se soltou, e uma das crianças caiu em uma pequena baía, chamada até hoje Port na Delig, ou o Porto do Alfinete. Os outros dois foram afogados, e o servo informou que havia cumprido a missão.
Mas a criança que caíra na baía foi encontrada pela druidesa, que a levou à casa de seu pai, Kian, e Kian a enviou para ser criada por seu irmão, o ferreiro, que ensinou à criança o seu ofício e o treinou em toda forma de arte e trabalhos manuais. Essa criança era Lugh. Quando ele se tornou um jovem, os Danaans o enviaram a Duach, "O Escuro", Rei da Grande Planície (Terra das Fadas, ou a "Terra dos Vivos", que é também a Terra dos Mortos), e lá ele viveu até chegar à idade adulta.

Peter Pehrson
Do livro “Myths of the Celtic Race”

Nenhum comentário:

Postar um comentário