Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

29 de jun de 2011

Deusa Chalchiuhtlicue

Acredito que o texto é da Rosane Volpatto.

DEUSA DAS ÁGUAS

Deusa asteca da água, é conhecida como a "A saia de Jade" e deusa da fertilidade e da agricultura. Conhecida também com o nome de Apozonalotl, manifesta-se nas ondulações das águas. Chalchiutlicue era companheira de Tlaloc e seu filho era o deus do vento, Quetzalcoath. Foi responsável pela inundação que destruiu o Quarto Mundo (vivemos no Quinto Mundo). de acordo com os astecas. Esta deusa é a própria incorporação da beleza e devoção juvenil. É também a Deusa Mãe da Serpente. Esta é uma deusa de múltiplas facetas, pode acabar com as inundações e tormentas, assim como é encarregada de limpar. purificar e propiciar o crescimento das plantas. Algumas vezes se apresenta com vestes magníficas, confeccionadas com pele de serpente e adornos de penas brancas.
Sua festa era celebrada no mês "Atlacahualo", que quer dizer "carência de água", onde se faziam sacrifícios humanos para se alcançar os benefícios desta deusa. Sua devoção maior era sentida entre os pescadores, que navegavam em suas canoas por canais, rios e lagos.
Cabe-nos acrescentar, que para os astecas o sacrifício tinha uma conotação totalmente diferente da nossa. Lembremo-nos que aquilo que entendemos por crueldade á algo historicamente determinado. Os europeus à época de suas conquistas massacraram, mutilaram e torturaram com a consciência tranquila em nome da divindade cristã. O sacrifício asteca, à nível de mentalidades, não circunscrevia nem como crueldade, nem como ódio e sim como resposta à instabilidade de um mundo constantemente ameaçado de destruição. Num universo frágil, instável e à mercê de catástrofes, a confiança no futuro era algo fora de propósito. A cada 52 anos, o calendário asteca anunciava um ano "ce-actl", um ano de possível fim dos tempos, do Quinto Sol (ou Quinto Mundo). Ao final deste ano, um terror coletivo tomava conta da população, receosa de o Sol não mais nascer. Tentemos imaginar o desespero coletivo de uma população que, contraditoriamente, acreditava ser o povo eleito para conquistar os quatro quadrantes, mas ficava, por sua vez, a mercê de um mundo instável e constantemente ameaçado.

ARQUÉTIPO DA MÃE NUTRIDORA

Chalchiuhtlicue, aparece quinze vezes no "Códice Borgia", estreitamente ligada à Mayahuel, enquanto analogias iconográficas que falam da fertilidade e dos conceitos que se referem à Grande Mãe Nutridora. Esta deusa, além de ser deusa das águas, é também a Senhora dos Mantimentos, que nutri o homem para que ele

possa viver e reproduzir-se. Este é o aspecto mostrado na lâmina 17 (figura acima), onde vemos a deusa amamentando o homem.

ARQUÉTIPO DA MÃE PROTETORA

Na figura acima, a deusa aparece com belos adornos e suntuoso traje. Vislumbra-se sua saia "chalchihuiles" e as linhas onduladas, imitando o fluir das águas. Ressalta-se também seu "quechquemitl". "cueith"e o manto, trabalhados com mosaicos de conchas, pele de serpente e pequenas penas brancas. Sua coroa de serpente é representativa e muito elegante. O anel preso em seu nariz é de mosaico turquesa em forma serpente e os adornos das orelhas são feitos do mesmo material. A pintura facial consiste em duas listas longas e curtas no queixo e no corpo e são pintadas de amarelo. O enfeite do braço é um bracelete de turquesa com sinos dourados. Como já vimos nas outras deusas, seu caráter de mãe protetora é enfatizado ao mostrá-la sentada no "icpali" com assento de pele de jaguar.

FONTE DA VIDA POR EXCELÊNCIA
Esta deusa é conhecida por seus atributos fecundantes e germinativos, considerada fonte da vida por excelência. Mas é igualmente importante como fator de purificação. Em seus rituais era lavado o corpo com água corrente, para se obter a graça da pureza. As pessoas eram mergulhadas na água e ao submergirem se tornavam crianças sem pecado, com possibilidade de começar uma nova vida. Estes rituais de banhos sagrados eram habitualmente praticados por todas as grandes deusas da fertilidade e da agricultura. Também era tradição na cultura asteca, a invocação desta deusa, quando a parteira banhava pela primeira vez o recém nascido, dizendo as seguinte palavras:
"- Chegai Nossa Mãe Chalchiuhtlicue e tomais como seu filho esta criança, para carregá-la em seus braços por este mundo".


ORAÇÃO À CHALCHIUHTLICUE

Senhora Chalchiuhtlicue de Merciful

És bem-vinda neste mundo

Lave-nos e nos purifique

De toda e qualquer impureza,

Livra-nos te todo o mal

Fazendo que neste mundo

Resida somente a paz e a sabedoria.

Senhora dos começos

Somos seus humildes servos

Fazei com que a criança pura

De nossa alma, se faça sempre presente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário