Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

4 de jul de 2011

Deusa Bast

(autoria desconhecida; fotos internet)
A Deusa Gato.

Hoje é celebrado no Egito a Deusa Solar com cabeça de gato.
Também chamada de Bastet, ela era guardiã das casas, defensora de seus filhotes e representava o amor maternal.
Era uma deusa amante da música, da dança e principalmente da alegria.
O Templo de Bast mantinha gatos que quando morriam eram embalsamados numa grande cerimônia. E se alguém matasse um gato, recebia sentença de morte. Para os Egípcios, ele era um animal sagrado e inteligente.
O gato preto, por exemplo, era especial ter um em casa. O símbolo desse animal era utilizado até pelos médicos egípcios pois anunciava o poder de cura que esse profissional trazia.
Nas sociedades primitivas era comum o homem endeusar animais. Na realidade, o homem era dominado pelo mundo que o cercava. Como ele não tinha conhecimento temia a tudo. Mas com o passar dos tempos ele foi adquirindo experiência e aprendendo não só a enfrentar as forças da natureza mas também a interagir com elas.
Seus deuses passaram por um processo de transição. Abandonaram a forma animal e assumiram a humana. No caso dos egípcios, a Deusa Bast é um exemplo. Os aspectos da natureza, do animal e do homem estavam interagindo numa divindade.
Bast estava associada aos poderes criativos do Sol e também à Lua, no seu aspecto escuro representando a Lua Nova. Ela retribuía com vingança todos aqueles que matavam seus protegidos, os gatos. E tinha como inimiga, as serpentes. Era também considerada Deusa do fogo, da fertilidade e da intuição.
Nas várias civilizações da história, o gato assumiu múltiplos significados. Na tradição Celta, por exemplo, ele teria nove vidas. Mais tarde, na Idade Média, passou a ter apenas sete vidas. Era associado também ao mundo da magia e das bruxas. Mas na Cabala e no Budismo, ele representava sabedoria, prudência e vivacidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário