Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

26 de jul de 2011

Deusa Konohana Sakuya Hime

Deusa do Monte Fuji e das Cerejeiras.

Hoje é dia de Konohana Sakuya Hime, Deusa das Cerejeiras.

Seu nome quer dizer “Princesa que faz as árvores florescerem”. Filha do Deus das Montanhas e irmã da Deusa das Pedras, Sakuya Hime rege a terra, a natureza, o fogo e as cerimônias.

Conta a mitologia japonesa, que Ninigi, Deus do Mar, se apaixonou pela princesa tendo pedido a sua mão em casamento à seu pai. Este, propôs que se casasse com a filha mais velha, Deusa das Pedras. Mas Ninigi tinha o coração já fixado na Deusa da Terra e por isso não concordou. Mesmo sabendo que ao lado da Princesa, a vida seria como as flores de cerejeira, de período curto e fugaz, ao invés de resistirem ao tempo e serem de longa duração como as pedras.

Sakuya Hime se casou com Ninigi e em apenas uma noite engravidou. Ninigi desconfiou da fidelidade da esposa, e esta enfurecida, entrou numa cabana sem porta onde em seguida, atearam fogo. Ela prometeu que se seu filho saísse ileso, era porque sua descendência era verdadeira. E assim, na cabana, em meio as chamas, Sakuya Hime deu à luz a três filhos.

Essa história foi descrita no século VIII. Já nos séculos XIV a XVI, Sakuya Hime passou a ser associada ao Monte Fuji, a montanha mais alta do Japão, que na realidade é um vulcão. Era vista como uma heroína pois seus filhos sobreviveram a um castelo em chamas.

Ao mesmo tempo, também era associada à flor de cerejeiras, por ser um símbolo de delicadeza da vida terrena.

fonte: Agenda Esotérica

Nenhum comentário:

Postar um comentário