Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

23 de set de 2011

As Fadas Mouras

(acredito que o texto seja da Rosane Volpatto. foto: internet)

imageAs Mouras são seres fantásticos femininos que moram em pequenos lagos, rios, poços, covas, minas, ruínas, monumentos megalíticos, quase sempre embaixo da terra. Elas podem ser consideradas uma versão da Lady do Lago da época Arturiana. Só diferem da últimas, por poderem tomar a forma de serpentes.
A crença dessas mulheres encantadas, divindades da água, fiandeiras, construtoras de monumentos e guardiãs de tesouros, se perdem no tempo, justamente pelo fascínio que despertam.
As Mouras sempre estão associadas à água e sua existência já era conhecida muito antes das invasões árabes, sendo consideradas as herdeiras das tradições culturais greco-latinas.
As Mouras estão associadas ainda, às Moiras gregas, que eram divindades que presidiam ao nascimento e depois ao casamento e à morte. Eram as "fiandeiras da vida e da morte". Uma segura o fuso e puxa o fio da vida (o cordão prateado); a segunda enrola-o, registrando o "filme" da vida e a base da existência futura e determina o momento da morte; e a terceira corta inflexivelmente esse fio.
É importante entender, que a palavra "Moura", não tem nada a ver com o feminino de "mouro", mas é um sinônimo da palavra grega "moira", que significa "destino". Os mouros eram uma raça de seres humanos ancestrais e as mouras pertencem ao mundo dos elementais ou espíritos da natureza.
Não existe em Portugal uma fonte que não tenha uma moura, ora em forma de serpente, ora na forma de tuna linda donzela, a prometer riqueza e felicidade a todo aquele que estiver disposto à se submeter aos seus encantamentos. O dia e a hora de seu aparecimento é na noite mágica de São João à meia-noite. Nesse tardar da noite, ela sai à superfície da água e se coloca de um lado da fonte ou cova que lhe serve de morada para lavar-se e pentear seus cabelos com pentes de ouro.
Sua beleza é tanta que qualquer mortal do sexo masculino que passe por ali, se apaixonará pela moura. Mas esse amor é quase impossível de se consumar, pois quando se aproximar dela ela, pode desaparecer ou se transformar em uma enorme serpente. As vezes, até pode surgir uma conversação, mas sem que ela possa se afastar da fonte ou da cova à qual estão unidas por encantamento. Para que suas relações amorosas frutifiquem, ou que o o encanto se rompa, é necessário que o homem a desencante, seguindo um ritual ou protocolo que ela mesma propõe. As formas de desencantamento são muito variadas e vão desde dar-lhe um beijo na aparente serpente na boca até trazer-lhe um pedaço de pão ou produzir-lhe uma ferida. Se esse ritual terminar de forma adequada, a mulher abandona o fatídico encanto e converte-se em humana que se casar com o homem que a libertou, lhe concede inumeráveis riquezas pertencentes ao tesouro secreto que guardava no interior da fonte ou cova. Se o ritual fracassar, é frequente que o herói chegue a morrer, ou que se rompa definitivamente a possibilidade de desencanto da moura.

MOURAS-SERPENTES

A Moura pode apresenta-se em forma de serpente ou estar associada a uma.
Há uma lenda clássica da aparição de uma moura nessa forma que é contada na região de Chan de Moura (Ribadabia-Orense), onde existia um desses personagens femininos encantados que penteava seus cabelos de ouro. Muitos foram os que a viram, mas não se aproximavam de medo, até que um dia um jovem se atreveu a falar com ela e essa lhe confessou que era uma mulher encantada, que guardava muitos tesouros. Para desencantá-la deveria retornar na próxima noite, que ela se apresentaria na forma de uma serpente com um cravo na boca, deveria ele permitir que ela se enroscasse nele e retirar o tal cravo de seus lábios.

Assim o rapaz, seguindo cada um dos passos, até que em um último momento a apreensão e o asco que tinha de serpentes, não deixou que ele retirasse o cravo, motivo pelo qual a cobra caiu morta, surgindo então um grande ruído no monte.
Há outros relatos em que a moura-serpente para desencantar-se necessita que a beijem na boca nove vezes. Só no último beijo é que ela se transforma em uma bela donzela, agarrando o braço de quem a desencantou...
Como as Mouras são fadas, gostam de relacionar-se com os humanos sentimentalmente. Mas podem também, detestar certas pessoas e ocasionar-lhes a morte. O que nunca deve-se fazer com uma fada é transgredir certas normas ou violar um segredo que ela não quer que ninguém saiba. Quando alguém o revela, pode esperar todo o tipo de desgraça.

MOURAS CANTORAS

E muito frequente surpreender as fadas lavando, fiando, dançando e cantando. Existem Mouras que possuem vozes magníficas, mas seu canto só é audível para certos e privilegiados ouvidos mortais.
Em castro Meimón (Boboras-Orense) há relatos da aparição de uma moura que recitava essa nostálgica cantiga maternal:

"No castro de Parada (Cameixa)
Tenho minha filha Clara.
No castro de Magrás
Tenho meu filho Carlos.
E no castro de Meimón
tenho o meu coração."

Castros são ruínas de fortificações da Idade do Ferro, constituídas por um complexo sistema de fossos, balaustradas e muralhas de grande proporções.

MOURAS SÃO JOANINAS

É 24 de junho, noite de São João, que se celebra ritos pagãos e religiosos. Essa é uma noite mágica do Solstício de Verão, no Hemisfério Norte e do Inverno, no Hemisfério Sul, onde tudo se converte em energia de cura, mas principalmente a água.
Antigamente, era nessa noite que se devia levar os rebanhos para beber as águas do rios para livrá-los e protegê-los da sarna. As pessoas também tinham de ir até os rios para lavarem-se, porque se dizia que a água estava benta e curava de todos os males.
Para alguns povos, como os celtas, o mito era beber de sete fontes distintas, antes de amanhecer, porém para isso, não podiam cruzar nenhum barranco ou rio, coisa bastante difícil de se conseguir. Em L'Aínsa (Espanha) existia uma fonte de nome "Setefontes", que em uma reunia o poder curativo das sete.
Era crença popular também, que em todas as fontes moravam e as defendiam, seres místicos. A partir da Alta Idade Média, esses seres passaram a chamar-se de "Mouras" ou "Encantadas de São João". Dizia-se ainda, que elas só se deixavam ver penteando seus cabelos loiros, tão somente na noite de 24 de junho.
Há muitas lendas sobre essas aparições, principalmente na Espanha. Podemos citar o povoado de Villar de Argaíïán, na província de Salamanca, em cuja fonte, chamada de "las tahonas", existia e dizem que ainda existe, uma moura encantada que todas as manhãs de São João, antes do amanhecer, estende a roupa que utilizou durante o ano.
No limite da província de Toledo, e relacionadas com o dia de São João, existem várias crenças a respeito de aparições femininas, que saem de madrugada para pentear-se, lamentar-se, cantar doces melodias ou simplesmente para surgirem aos que passam perto de suas moradias. Há notícias sobre elas em localidades como Belvís de Ia Jara, Espinosa del Rey, gálvez, Navahermosa (chamado "povo das bruxas) e La Guardia. Em Belvís, na noite de São João, se celebra uma velha tradição de deixar água em um pote raso "ao sereno" para que as moças se lavem ao amanhecer e consigam assim, uma tez branca e suave, como as das ninfas.
Todas as Mouras São Joaninas apresentam traços comuns: se manifestam na manhã ou madrugada de São João e preferencialmente para os homens; estendem roupas; se relacionam com tesouros ocultos; pedem para serem desencantadas.

LENDA CLÁSSICA

No povoado salmantino de "Villarino de los Aires" há uma lenda clássica muito conhecida: a da ama de leite que se encontra com uma moura em sua cova, a qual lhe pergunta se pode entrar e dar de mamar ao seu filho, em troca de uma recompensa. A mulher humana aceita e começa a amamentar a criança por vários dias. Como pagamento a moura lhe dá um monte de cascalhos (pedrinhas), que aparentemente nada vale. A mulher agradeceu e no caminho para casa foi jogando uma a uma as pedrinhas pelo chão, sobrando apenas algumas ao chegar. Contudo, quando voltou a olhá-las, para seu desespero, haviam se transformado em ouro. Rapidamente voltou pelo mesmo caminho para tentar recuperá-las, mas não encontrou mais nada. Foi então, até a cova da moura para pedir-lhe mais cascalho, mas ela a sentenciou porque havia depreciado seu presente.
Acredita-se que tanto as Mouras castelhanas como as Mouras galegas, possuem origem celta, a partir da palavra "mahra" ou "mahr", com que designava esse povo pré-hispânico a certos espíritos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário