Pesquisar neste blog

Carregando...

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

22 de out de 2011

Deusa Lucina

Mirella Faur

Lucina - ou Lucetia - era a deusa luminosa dos sabinos (povo montanhês da Itália), reverenciada em um imponente templo (erguido na colina Esquiline em 735 a.C.) e representada como uma jovem cercada de luz, segurando nas mãos uma tocha e um prato de oferendas (patera). Posteriormente foi considerada um aspecto da deusa Juno e honrada como a padroeira dos partos por propiciar o ato de “dar à luz”. Com o passar do tempo, outro aspecto de Juno - Eileithia, cultuada em Creta - assumiu esta regência nos seus aspectos de Natio, padroeira dos nascimentos e Lucina, deusa da luz. O culto de uma deusa padroeira da luz solar é muito antigo, oriundo dos países nórdicos e bálticos, que celebravam no solstício de inverno o nascimento da criança solar e honravam sua parteira, a Mãe da Luz.

Apesar da destruição do seu antigo templo e de suas relíquias pelos fanáticos cristãos (que arrancaram os olhos de pedras preciosas da imagem e quebraram com marteladas a sua pesada estátua), não foi possível extinguir o culto da deusa Lucina. Como solução, a igreja católica transferiu a adoração do povo para uma figura cristã, Lucia ou Luzia, colocando um manto de castidade na imagem complexa da Deusa. Lucia foi considerada padroeira das doenças dos olhos e benfeitora dos pobres, a quem a santa teria lhes doado seus bens (uma clara alusão e incentivo aos fieis para fazerem doações à igreja).

As comemorações da deusa solar nos países nórdicos também foram substituídas pelas da Santa Lucia, festejada em 13 de dezembro, a data do solstício de inverno no antigo calendário Juliano. A comemoração de Lucia ou Luzia se espalhou pela Europa, tornando-se uma das santas medievais mais populares; ela era considerada virgem e mártir, uma jovem piedosa que preferiu arrancar seus lindos olhos a ceder aos avanços de um pretendente. Lucia aparecia vestida de branco e segurando seus olhos sobre um prato, antiga imagem da patera com oferendas (bolinhos) da deusa Lucina.

Seja deusa ou santa, o culto da padroeira dos partos continuou durante séculos, sendo também invocada nas bênçãos dos recém nascidos e na cura das mulheres. Na Itália as curandeiras de Toscana usaram até o século XIX um dos antigos encantamentos da Deusa, uma guirlanda de galhos de arruda com fitas vermelhas contra mau-olhado e benziam as crianças e os doentes com água impregnada de energia solar. Até hoje na Itália e Sicilia são feitas procissões com tochas e velas (lembrando a antiga lenda da Doadora da Luz) e compartilhados os biscotti - que reproduzem os olhos da santa - e os arancine, bolinhos dourados de batatas ou arroz e coloridos com açafrão, para lembrar o Sol. Em Palermo um prato tradicional das festas de Lucia é cuccia, preparado com trigo em grão, mel, açafrão e ricota, enquanto nos países nórdicos confeccionam-se bolos como “rodas douradas” ou bolinhos “olhos de gato”, encantamentos para atrair a abundância e as bênçãos da deusa solar.

Na Suécia, a celebração atual de Santa Lucia preserva elementos tradicionais e antigos e reveste-se de alegria por reverenciar e prenunciar o aumento da luz solar, tão desejada após os longos meses de inverno. No dia 13 de dezembro, as filhas mais jovens chamadas Lussibruden - noivas da luz - acordam de madrugada e preparam um desjejum especial para os familiares. Elas se vestem de branco e usam uma coroa de folhas de azevinho, fitas vermelhas, com 4, 7 ou 9 velas. Passando de um quarto para outro elas oferecem os tradicionais Lussekatter (“gatos de luz da Lucia”), bolinhos típicos coloridos com açafrão, biscoitos especiais de gengibre e glogg, uma bebida quente com vinho e especiarias. No decorrer do dia nas ruas tem procissões com moças vestidas de noivas, com purpurina dourada nos cabelos e rapazes com camisas brancas e chapéus salpicados de estrelas prateadas, enquanto outros personificam trolls e anões. Esse cortejo acompanha uma moça representando a Santa Lucia, que usa a coroa com oito velas representando a Roda do Ano e que distribui presentes para a multidão.

O renascimento do Sol no solstício de inverno era associado ao processo de vida/morte/renascimento e simbolizado no uso de coníferas (árvores sempre verdes) decoradas com luzes. Antigamente, cada família possuía uma árvore a quem davam presentes e pediam abundância e boa sorte. No topo da árvore colocava-se a representação da deusa solar, substituída depois por um anjo ou pássaro dourado. Para “ajudar” o retorno do Sol, neste dia faziam-se procissões com tochas, danças circulares que reproduziam a roda solar e se pediam bênçãos para o novo ano, que se iniciava com o retorno do Sol, renascido no auge da escuridão, na noite mais longa e fria do ano.

Mesmo vivendo no hemisfério Sul e seguindo outro calendário e religião, em que a antiga e sagrada celebração do solstício foi esquecida e substituída por profanas e consumistas festas natalinas, podemos reservar alguns momentos e refletir sobre a expressão da luz, a nossa própria e a que estamos buscando e celebrando. Após identificar o que obstrui, diminui ou obscurece o brilho genuíno da nossa individualidade, podemos acender uma vela e, olhando fixamente para sua chama, meditar e invocar a deusa Lucina. Com reverência e devoção Lhe pediremos visão clara, assertividade, coragem, segurança, proteção e a expressão correta do nosso poder e brilho pessoal, em todas as circunstâncias e situações, porém sem tentar ignorar ou ofuscar a luz alheia.

fonte do texto: http://www.teiadethea.org/?q=node/155

fonte da foto: http://nanasplace.zip.net/mitologia.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário