Pesquisar neste blog

Carregando...

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

9 de out de 2011

Mitologia Chinesa

Esse blog (http://aterrapuradekuanyin.blogspot.com/) é um charme, deem um pulo lá. Abraços, Sofya.

 

Copyright © Sandra Meirelles - 2010

PAN-JO-LUO-MI-TO HSIN-CHING

Koan-im, Koan-sè-im

KUAN TSU TSAI P'U SA HSING SHEN PAN JO PO LÜO MI TO SHIH

CHAO CHIEN WU YÜN CHIEH K'UNG TU YI CH'IEH K'U EH
SHE LI TSU SE P'U YI K'UNG K'UNG P'U YI SE
SE CHI SHIH K'UNG K'UNG CHI SHIH SE
SHOU HSIANG HSING SHIH YI FU JU SHIH
SHE LI TSU SHIH CHU FA K'ONG HSIANG
P'U SHENG P'U MIEH P'U KOU P'U CHING P'U TSENG P'U CHIANG
SHIH KU K'UNG CHUNG WU SE WU SHOU HSIANG HSING SHIH
WU YEN ERH PI SHE SHEN YI
WU SE SHENG HSIANG WEI CH'U FA
WU YEN CHIEG NEI CHIH WU YI SHIH CHIEH
WU WU MING YI WU WU MING CHIN NAI CHIH MU LAO SU WI WU LAO SU CHIN
WU K'U CHI MIEH TAO WU CHIH WI WU TE YI WU SO TE KU
P'U T'I SA TO YI PAN JO PO LÜO MI TO KU HSIN WU KUA AI WU KUA AI KU
WU YU K'UNG P'U YÜEN LI TIEN TAO MENG HSIANG CHIU CHING NIEH P'AN
SAN SHIH CHU FO YI PAN JO PO LÜO MI TO KU
TE A NOU TO LÜO SAN MIAO SAN P'U T'I
KU CHIH PAN JO PO LÜO MI TAO
SHIH TA SHEN CHOU SHIH TA MING CHOU
SHIH WU SHANG CHOU SHIH WU TENG TENG CHOU
NENG CH'U YI CH'IEN K'U CHEN SHIH P'U HSÜ
KU SHO PAN JO PO LÜO MI TO CHOU CHI SHO CHOU YUE
CH'IEH TI CH'IEH TI PO LÜO CH'IEH TI PO LÜO SENG CH'IEH TI P'U TI SA P'O HO
PAN JO PO LÜO MI TO HSIN CHING CHU SHU CHUNG

OS DEUSES DA CHINA

Dos Milhares de Deuses Chineses, apenas alguns desempenham papel importante na criação do cosmo e dos mundos míticos do céu e do inferno. Sua imagens figuram com destaque nos tempos, ao lado de outras divindades menores mas também populares.

Os chineses visitam esses templos sempre que tem algum problema ou um desejo específico e entram em contato com o deus ou deusa apropriados.

Por exemplo, se estiverem preocupados com a seca, farão uma oferenda aos deuses dos lagos e rios. As histórias dessas divindades são uma mistura de budismo, confucionismo e taoísmo, o que dá à religião chinesa um tom muito especial.

O Yin e Yang

As forças subjacentes a tudo que existe no universo chinês são o Yin e o Yang. São opostos mas coexistem num delicado equilíbrio (mutuamente dependentes mas complementares). O Yin é negativo, frio, feminino, pesado, escuro, e está ligado a Terra. O Yang é positivo, masculino, quente, leve, claro, e está associado ao céu. O círculo, com suas áreas claras e escuras, simbolizam o Yin e o Yang.

Pan Ku

O Yin e o Yang estavam contidos dentro de um ovo gigantesco. Ao lutarem
entre sí, quebraram o ovo ao meio, revelando o criador PanKu (PanGu).
Quando o deus emergiu do ovo, a terra e o céu se separaram de PanKu, entre os dois, manteve-os separados. Por dezoito mil anos, o deus trabalhou na criação, usando o martelo e formão, ajudado apenas por um dragão, uma fênix, um unicórnio, um tigre e uma tartaruga. Quando PanKu morreu, seu hálito transformou-se no vento, e os seus olhos no sol e na lua.

Nu Wa

A criadora Nu Waera também deusa da fertilidade. Muito tempo atrás houve um grande dilúvio e os únicos sobreviventes foram NuWae seu consorte, Fu Hsi.
Quando as águas baixaram, eles se transformaram num casal de serpentes de cabeça humana. Seus filhos foram as plantas e animais do mundo. Numa outra versão do mito, Nu WA formou novas pessoas com bolas de lama.

Fu Hsi

O imperador Fu Hsi (FuXi) é considerado o fundador da China. Foi o primeiro rei, estabeleceu as primeiras leis (sobre tudo as do casamento), inventou os nomes de clãs e famílias e fez o primeiro calendário. Grande inventor, mostrou às pessoas como trabalhar os metais, construiu os primeiros instrumentos musicais e criou o primeiro sistema de escrita chinesa.

  Yi

Conhecido como o arqueiro excelente, Yi (I) é um dos heróis da antiga China.
Conta-se que muito tempo atrás havia dez sóis no céu e que, por seremquentes demais, eles esturricavam a terra. Yi matou nove deles comseu arco e fecha, deixando apenas um sol.

Chang-o

A mulher do herói Yi era Chang-o (Zhang o). Num mito famoso, Yi encontra o precioso elixir da vida. Shang-o rouba e bebe o elixir, e começa aflutuar até a lua. No caminho, é transformada num sapo. Yi fica arrasado - Shang-o iria se tornar deusa da lua.

Hsi Wang-Mu

Conhecida como rainha mãe Wang Wang, Hsi Wang-mu (Xi Wangmu) - rainha dos céus e mulher de Yü Huang Shang-Ti - vivia num palácio todo construído de jade. Era a padroeira da mulheres e as pessoas rezavam, para ela quando tinham uma filha. Foi Hsi Wang-Muquemdeu o elixir da imortalidade aYi.

Mont Kunlum

O paraíso chinês ficava no centro da Terra, no topo de uma montanha chamada Kunlum. Essa era a morada dos deuses e o lugar onde Hsi Wang-Mu tinha seu palácio e jardins.

Pêssegos da Imortalidade

No jardim de Hsi Wang-Mu havia um pessegueiro cujos frutos tornavam quem os comesse imortal. Sun Wu-K'ung(Sun Wukong) foi até o céu e roubou os pêssegos. Todos os deuses e funcionários do céu lutaram com ele para recuperar os frutos, até que ele foi capturado por Buda.

Sun Wu-Kung

As aventuras do Rei Macaco, Sun Wu-kung, são contadas no famoso romance chinês Viagem para o oeste. Depois que ele foi pego roubando os pêssegos do jardim de Hsi Wang-mu, a bondosa deusa da misericórdia, Kuan Yin, intercedeu por ele. Ela lhe deu permissão de voltar à terra para levar Tang Seng, peregrino budista, até a Índia.

Yü Huang Shang-Ti

O imperador de Jade - Yü Huang Shang-ti (YüHuang Shangdi) - governava os céus. Seu reino era visto como um espelho celestial da corte terrena do imperador chinês. Seus funcionários recebiam relatórios dos deuses domésticos sobre a conduta das pessoas na terra. Provavelmente foi um imperador terreno que deixou seus bens para ajudar os doentes, antes de ir para o céu.

Os Três Deuses da Felicidade

Estatuetas dos três deuses da felicidade figuram em muitos restaurantes chineses. Eles representam todas as qualidades que o povo chinês mais almeja. São elesFu Hsing, deus da sorte; Lu Hsing, deus da riqueza e dos altos postos (que também concedia os filhos homens); e Shou Using, deus da longevidade.

Lung Wang

Havia muitos reis dragões - ou Lung Wang (LongWang) - que eram deuses dos rios, dos lagos e dos quatro oceanos. Os reis dragões representavam sabedoria, forçae bondade. Protetores dos barqueiros e aguadeiros, consta que puniam todos os que desperdiçavam água. Também traziam as chuvas, e oferendas eram feitas a eles durante os períodos de seca. Quando zangados, os Lung Wang traziam nevoeiros e terremotos que danificavam as margens dos rios.

K'uei Hsing

Deus dos exames, K'uei Hsing (Kui Xing) foi muito popular nos tempos imperiais, quando os exames eram um requisito importante para um emprego no poderoso funcionalismo público. Em geral aparece como um homem de pé sobre a cabeça do uma criatura marinha, por exemplo, uma tartaruga. Isso porque, segundo algumas lendas, quando era professor tentou se suicidar atirando-se no mar, mas acabou sendo salvo por um animal marinho.

Yen-Lo Wang


Havia dezoito infernos, distribuídos por dez tribunais de justiça, que eram presididos pelos reis Yama. Ochefe supremo do mundo do inferno e líder do primeiro tribunal de justiça era chamado Yen-Lo Wang (Yanluo Wang), um ser justo e bondoso. Ele mantinha um registro detalhado das boas e más ações das pessoas na terra, dava sentenças justas para os maus atos o recompensava os bons e os arrependidos.

OS DEUSES POPULARES DA CHINA

Milhares de divindades menores continuam sendo reverenciadas nos templos chineses.  Deuses domésticos, da sorte, protetores de ofícios ou profissões específicas, além das divindades relacionadas com o outro mundo, têm todos um papel a desempenhar sobretudo quando existe algum problema relacionado a sua esfera de atuação. O número de deuses é maior ainda porque muitos têm um imenso séquito que vem em seu socorro na terra. Quase todos são mortais que foram deificados: imperadores famosos, sábios ou pessoas comuns que executaram feitos notáveis.

Ho Ho Erh Hsien

Os gêmeos chamados Ho Ho Erh Hsien(He He Er Xian) são deuses da riqueza e empregados de Ts'ai Shen. Segundo a lenda, eram gêmeos de verdade, e ganhavam a vida fazendo cal e carvão. Devido a seu trabalho árduo e ao sucesso que obtiveram, tornaram-se símbolos de parceria e harmonia. Ao começar algum novo negócio, os chineses levam amuletos aos Ho Ho (harmonia em chinês), na esperança de ter sucesso. Apareceram quase sempre com flores de lótus, símbolo de harmonia.

Lu Pan

Deus dos construtores, Lu Pan(Lu Ban) era chefe de obras públicas no céu e patrono dos operários, desde pedreiros e marceneiros até decoradores e encanadores. Grande inventor, o mortal Lu Pan foi o primeiro construtor de barcos e arquiteto, e inventou o guarda-chuva e o carrinho de mão.

Ch'eng Huang

Padroeiro das cidades fortificadas, Ch'eng Huang (Cheng Huang) e o deus das muralhas e fossos, mas seu poder se estende muito além das cidades. Como alto funcionário do outro mundo, analisa a vida dos humanos e, em seus relatórios, calcula se uma pessoa já viveu seu número prescrito de dias na terra.

Tung-Yüeh Ta-Ti

O grande imperador do pico oriental Tung-Yüeh Ta-ti (Tong Yue Dadi) é deus do sagrado monte Tai Shan e dirigente do mundo subterrâneo. Deus muito poderoso tem a palavra final sobre a morte de alguém e faz seus cálculos num ábaco. Em geral há um deles em seu altar, nos templos.

Ts'ai Shen

Como deus da riqueza, Ts'ai Shen (Cai Shen) é muito popular. Até hoje as pessoas rezam diariamente para ele, mas a melhor época para celebrá-lo é o quinto dia do primeiro mês - seu aniversário. No Ano Novo, as pessoas compram imagens e estatuetas dele, e queimam as no ano anterior.

Men Shen

Casal de deuses das portas, em geral ficam na entrada dos templos e das casas. Algumas histórias dizem que são heróis deificados que mataram espíritos maus. O imperador ficou tão satisfeito com o trabalho deles que mandou que suas estatuetas fossem postas nos portões do palácio, para espantar os demônios.

Tsao Chün

Uma imagem do popular deus do lar chinês, TsaoChun (Zao Jun), é colocada perto do fogão, em muitas casas. Dali, pode cuidar da casa toda. Ele entrega um relatório anual de cada membro da família aos deuses do Paraíso Ocidental. As pessoas adoçam seus lábios com mel, para que Tsao Chün diga só coisas boas a seu respeito.

Fonte: TAO

Mestre: Wu

Discipula: Sandra Meirelles
Fonte: Sadana de Kuan Yin®
********************************************************************************************************

玄空寺挂SI - 中国

Mosteiro Suspenso de Xuan Kong Si - China

Xuan Kong Si - O Mosteiro Suspenso

Na província de Shanxi, a 65 quilómetros a noroeste de Datong, na China, surge aos olhos de todos uma das maravilhas cosntruídas pelo ser humano: o Mosteiro Suspenso de Xuan Kong Si.

A construção deste Mosteiro teve o seu início no ano de 491 d.C., sobre a vertente do desfiladeiro Jinlong, em cima do monte Heng. É um Mosteiro composto por diversos pavilhões com cerca de 40 salas, que se fundem com o contorno natural da rocha através dos seus corredores, passadeiras e escadas.

Trata-se de um templo único, não somente pela sua construção peculiar, mas também porque encerra no seu interior, elementos budistas, taoístas e confucionistas - como as estátuas de Sakyamuni, de Confucio e de Lao-Tsé.

Fundado há mais de 1400 anos, este Mosteiro tem resistido à passagem e às intempéries do tempo, devido essencialmente à sua particular construção: a altura protege-o das inundações, a escavação na rocha onde está erigido, protege-o da chuva e da neve e as montanhas que o rodeiam preservam-no dos fortes períodos de calor. Porém, a sua preservação é também devida às constantes intervenções e restaurações ocorridas durante as dinastias Ming (1368-1644) e King (1644-1911)

Foi construído corria o ano de 491 d.C., sobre a vertente do desfiladeiro Jinlong, em cima da montanha  Heng Shan, que é uma das cinco montanhas sagradas do Taoísmo e também uma das mais altas do país.

Fica a cerca de 50 metros do chão, ele parece uma miniatura sustentada por dezenas de pilares de madeira finos e compridos.


Os pilares que sustentam os seus alicerces foram construidos em plena rocha. O local foi escolhido em respeito ao principio fundamental do Taoísmo: O mais absoluto silêncio !


Os edifícios originais já foram destruídos por várias cheias mas o mosteiro em questão data da dinastia Qing.

É composto por diverso pavilhões (cerca de 40 salas), que se fundem com o contorno natural da rocha e se unem com elas mediante corredores, pontes, escadas e passagens estreitas dependuradas na vertente.



Construído numa parte mais côncava, em cima do templo há um grande penhasco sobressaído, que ao vê-lo parece que pode cair a qualquer momento. Mas, na verdade, é ele que protege, como um enorme guarda-chuva, o templo das chuvas. Devido à grande distância ao solo, as inundações nunca atingiram o templo.

E, os picos em volta do templo agem como biombos ou guarda-sóis e, mesmo em pleno verão, o templo fica exposto ao sol apenas três horas por dia.

Por estas razões, o templo permanece intacto apesar de ter mais de 1.500 anos.

Para visitar o templo, os turistas devem atravessar uma trilha suspensa, que é tão estreita que só é possível passar uma pessoa de cada vez.

Trata-se de um templo único, não apenas pela sua construção peculiar, mas porque igualmente encerra no seu interior, elementos budistas, taoístas e confucionistas.


O único onde se colocam conjuntamente estátuas de Sakyamuni, Laozi e Confúcio.

É uma maravilha arquitetônica que reflete uma teoriaúnica mecânica.

As vigas que suportam as fundações estão afundadosna metade da rocha

A beleza da terra dos pêssegos

南無觀音菩薩

Fonte: TAO

Mestre: Wu

Discipula: Sandra Meirelles
Fonte: Sadana de Kuan Yin®
******************************************************************************************************

MANDARIM


Os ideogramas chineses surgiram há cerca de 4.500 anos. Com o passar dos anos, no entanto, foram se simplificando. Durante a Revolução Cultural, foi criada uma versão simplificada dos ideogramas, que hoje é utilizada na China e em Singapura. A versão tradicional é utilizada em Taiwan e no sul da China.
O ideograma chinês é chamado de Hanzi e serviu como base para o desenvolvimento do alfabeto japonês (kanji) e coreano. Ao contrário do alfabeto latino, em que a letra identifica um som, mas não dá qualquer informação sobre seu significado, em chinês cada ideograma tem um significado, mas não um som. Ou seja, a não ser que você saiba o som de um ideograma, você não pode deduzi-lo apenas olhando para ele, mas pode saber o significado. Isso faz com que os vários dialetos possam ler um mesmo texto, mesmo que sua pronúncia seja diferente. Originalmente, os ideogramas chineses eram representações pictográficas da vida. No entanto, milhares de anos depois, apenas alguns poucos ainda guardam alguma semelhança, como o caractere para árvore, por exemplo: (mù).
O número de ideogramas chineses é bastante grande – são 214 radicais que, combinados, formam uma infinidade de significados –, se comparado ao alfabeto brasileiro, de apenas 23 letras. Ao contrário do português, uma pessoa não precisa saber todos os caracteres para poder ler um texto em chinês. Na verdade, praticamente nenhuma pessoa é capaz de ler todos os caracteres. Normalmente, o número conhecido por alguém varia de acordo com a escolaridade dessa pessoa.
O mandarim era inicialmente composto por cerca de 50.000 ideogramas. Os sistemas de computador hoje incorporam cerca de 6.500 na China e 13.000 em Taiwan. Para que se leia um jornal comum, por exemplo, é necessário o conhecimento de 3.000 ideogramas chineses (ou 4.000 em Taiwan). Uma pessoa é considerada alfabetizada na China caso conheça 2.000 ideogramas específicos.
Antigamente, os caracteres eram escritos verticalmente, na orientação de cima para baixo, da direita para a esquerda. Atualmente, a escrita é feita horizontalmente, da esquerda para direita, como nos idiomas ocidentais.

你好!

再见!

Palavras do Mestre:
“O mandarim representa uma cultura rica e completa, baseada nos ensinamentos de ética e moral de Confúcio. Por isso, a língua é uma ponte de ligação entre o oriente e o ocidente, o que diminui a distancia entre as pessoas.”

fonte do texto: http://aterrapuradekuanyin.blogspot.com/p/reliquias-do-pessego.html

Um comentário:

  1. Muito legal. Ajudou muito em um trabalho sobre deuses chineses.

    ResponderExcluir