Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

4 de mar de 2011

Deusa Bloudeuwedd

Não tenho pai

Não tenho mãe

Todo meu sangue

Todo meu corpo

Foi obra da magia de Gwydion

Que me deu forma de nove flores

Para o encanto e deleite de todos os homens.

Bloudeuwedd é a Deusa das Flores, da terra, da sabedoria, dos mistérios lunares e iniciações. Seu nome significa "Face de Flor" ou "Flor branca"

Esta deusa está associada à madrugada e ao May Queen.

A fase da lua que representa Blodeuwed é a Lua Escura, época de total introspecção. O vento frio carrega seu nome e suas cores são o branco e o preto.

Na Roda do Ano, Blodeuwedd associa-se as festividades de Samhaim. Em sua honra, deve-se nesta noite, acender tochas, escrever seus pedidos para o novo ano que se inicia e queimá-los nelas.

Blodeuwedd foi criada por Math e Gwydion, a partir da florescência de nove flores, portanto quando lhe fazemos uma oferenda esta deve conter 9 elementos, que podem ser: batatas, nabos, pimenta, sal, leite, cenouras, alho-porro, ervilha e milho.

AS NOVE FLORES

Os celtas acreditavam que através de suas nove flores poderiam atrair as bênçãos da deusa, são elas:

1. Giesta - capaz de purificar e proteger;

2. Barbana - afasta os maus espíritos e energias negativas;

3. Flores do Prado - traziam gentileza e amor natural;

4. Prímula - que atraía o verdadeiro amor;

5. Urtiga - que estimula os desejos e as paixões;

6. Espinheiro - conduz a pureza de espírito;

7. Flores do carvalho - capazes de trazer mais vigor, força e aguçar os poderes da fertilidade;

8. Castanheiro - a permanência do amor;

9. Feijão - trazia as bênçãos da deusa sobre sua criação.

Seus símbolos mágicos são a coruja branca, a rainha-dos-prados, o carvalho, a vassoura, a primavera e o joio. Seu dia é sexta-feira e suas cores são o rosa, verde e marrom.

SUA HISTÓRIA...

Gwydion, mediante um estratagema, conseguiu ficar com um dos filhos gêmeos de Arianrhod e do mesmo modo, garantiu seu batismo colocando-lhe o nome de Llew Llaw Gyffes. Mas as descobrir suas falcatruas jurou um encantamento ao menino: que mesmo que ele tivesse nome e armas, jamais teria uma esposa. Aquele foi o pior dos encantamentos, já que Gwydion não sabia como resolver o impasse e, desesperado buscou a ajuda o rei e mágico Math.

Blodeuwedd foi criada por magia através de nove flores, mediante pedido de Gwydion, para se casar com Llew Llaw Gyffes, o Menino do Cabelo Brilhante e Boa Pontaria. Portanto, vê-se que não lhe deram opção, nem passou pela fase de crescimento e desenvolvimento que toda criatura humana passa para atingir a maturidade.

Ela vivia assim, como a esposa encantadora de Llew, se comportava, se vestia e estava muito feliz. Llew desejou então passar uns dias com Gwydion, seu pai de criação e Blodeuwedd resolveu alcançá-lo alguns dias mais tarde, levando consigo duas senhoras como acompanhantes.

Gronw Pedyr era o Senhor de Penllyn, proprietário de um castelo onde Blodeuwedd decidiu passar à noite, para na manhã seguinte seguir sua viagem. Na hora do jantar conversaram longamente e ela sentiu uma forte atração por aquele estranho charmoso. Gronw também ficou enfeitiçado com sua beleza e os acabaram passando a noite juntos.

Blodeuwedd deveria partir no outro dia, mas Gronw não deixou. Ela ficou mais um dia...mais um dia..mais outro. Finalmente os amantes buscaram uma maneira de permanecerem juntos para sempre. Blodeuwedd, entretanto, avisa a Gronw que seu marido é muito forte e possui poderes sobrenaturais que impedem qualquer um de matá-lo da maneira convencional. Gronw enviou-a de volta para casa, com o intuito de descobrir uma maneira de matar seu marido.

Tão logo chegou, Blodeuwedd manifestou para Llew, o seu receio pela sua segurança e solicitou a informação de como uma pessoa poderia matar-lhe. O deus Llew, divertiu-se com a preocupação da esposa para finalmente lhe informar que só poderia ser morto por uma lança que deveria ser trabalhada durante um ano e um dia. Também não poderia ser morto dentro de casa, nem fora dela, assim como cavalgando ou a pé.

- Então que maneira há para matá-lo? Pergunta ansiosa Blodeuwedd.

Suas preocupações são sanadas quando Gronw que só poderiam matá-lo ao banhar=se embaixo de um telhado de sapê, num caldeirão na margem do rio, em pé, com uma perna tocando um cervo.

- Agradeço aos céus, pois é bem fácil evitar isso. Falou ele.

Imediatamente após receber as informações enviadas por Blodeuwedd, o Grow começou a trabalhar na lança. Depois de um ano e um dia, Blodeuwedd volta a ter nova conversa com seu marido sobre a maneira como poderia ser modo, mas desta vez, finge ela, que não poderia imaginar nenhum homem ficar parado com um pé na borda de uma caldeirão e outro em uma cabra, sem perder o equilíbrio.

Llew, riu da curiosidade de sua esposa e se dispôs a realizar o ritual. Colocou o pé direito no caldeirão e o outro na cabra e foi neste momento golpeado pela laça preparada por Gronw. Ferido, transformou-se em uma águia que voou para longe com gritos de dor.

Blodeuwedd e Gronw retornaram ao castelo, absolutamente certos que seriam felizes para sempre. Mas Gwydion, seu pai de criação, muito triste e aborrecido com o que havia sucedido, foi em busca de Llew e quando finalmente o encontrou sob a forma de águia, tocou-o como sua vara mágica e então ele voltou a assumir a forma humana.

Llew pediu então, vingança para os dois traidores e Gwydion concordou em ajudar-lhe. Foi assim que uma maldição foi lançada à Blodeuwedd e transformou-a em uma criatura da noite: uma coruja. Nunca mais ela veria a luz do Sol. Como a maioria dos pássaros nutrem inimizade pela coruja, ela jamais teria paz, pois eles iriam perturbá-la.

Gwydion também designou que Blodeuwedd, mesmo assim, não perderia seu nome e é por isso que até hoje as corujas são chamadas de Blodeuwedd em galês.

Gronw foi morto pelas próprias mãos de Llew.

Esta história é encontrada no Mabinogion, o ciclo galês mitológico.

Nas principais fontes pesquisadas que nos chegou através de manuscritos dos séculos XII e XIV, registram deuses e deusas transformados em figuras humanas com poderes espirituais. Sempre é difícil deslindar os meandros de camadas míticas anteriores, em particular quando houve entrelaçamentos entre elas e contos de heróis de outras tradições para formar documentos como o Mabinogion. Acredito retirar algum conhecimento deste material através do estudo das deusas e deuses nele contidas.

Blodeuwedd era uma deusa criada a partir de flores, portanto não lhe permitido nascer, crescer e adquirir a maturidade dos homens. Também nunca teve oportunidade de escolhas, nem foi lhe ensinado qualquer lição sobre a vida, pois ela foi criada com o fim específico de se tornar a esposa de Llew. Blodeuwedd era portanto, um protótipo de pura beleza, sem consciência ou alma.

Blodeuwedd é o símbolo das mulheres descasadas, daquelas que rompem definitivamente os laços com seus maridos. Esta deusa e tida como uma mulher madura que recusa-se a aceitar o poder patriarcal.

A flor exótica, Protea, nativa da África do Sul foi associada a Blodeuwedd porque suas pétalas seriam semelhantes as penas de uma coruja.

Há uma tríade entre Arianrhod, Blodeuwedd e Rhiannon.

EQUINÓCIO DE OUTONO

Para os celtas toda a vida iniciava na escuridão. Estudando o mito Galês Blodeuwedd, o equinócio de outono é o único dia do ano inteiro em que Llew (luz- Leão) é vulnerável e possível derrotar. Llew se apresenta nesta época com o pé no caldeirão (Solstício de Câncer/Verão) e outro na cabra (Solstício de Capricórnio/Inverno), permanecendo em equilíbrio (Libra), no equinócio de outono. Assim consegue Blodeuwedd, a virginal (Virgem), transformá-lo em águia (Escorpião). Deste modo, Llew é morto como ser humano até que Gwydion o encontre na forma de águia.

Gronw (escuridão) ao derrotar seu adversário retorna ao castelo com Blodeuwedd e senta-se no trono de Llew, tornando-se então um rei mortal do nosso mundo. Mas sua cerimônia de coroação só se dará em 6 semanas, nas festividades de Samhain, ou no início do inverno, quando se tranformará no Senhor do Inverno, Senhor de Misrule ou Rei Sombrio (Hallowen). Unindo-se a deusa virginal Blodeuwedd nascerá nove meses mais tarde, o filho de Growm, a criança sombria. Sendo assim,no solstício de inverno Gronw alcança seu poder de força maior e Llew retorna a este mundo como um bebê (e seu próprio filho)e ascenderá novamente ao seu trono nos festivais de Beltane.

A morte sacrificial de Llew no repouso da colheita, identifica-o com os espíritos do campo. Assim Llew representa, não tão somente o poder do Sol, mas é também a personificação do milho. Este sacrifício anula pode também estar ligado aos sacrifícios humanos realizados pelos druidas.

O mito galês é concluído quando Gwydion persegue Blodeuwedd e a transforma em uma coruja, símbolo associado ao outono e as flores (foi feita delas).

DEUSA DA TRAIÇÃO

A chegada de Blodeuwedd em sua vida a chama para alertá-la sobre a traição. Como a traição como ocorrer em nossas vidas? Você parece atrair amigos pouco confiáveis, companheiros de trabalho desonestos ou relações desgostosas? Parece que sempre seu amor e cuidado acaba em traição? Ou então você já traiu a confiança de alguém e agora sente-se culpada? A deusa a convida a olhar para o espelho de sua existência. Ela nos lembra que a traição é simplesmente um reflexo de como somos uma vítima de nossa vida.

Blodeuwedd nos diz que no caminho da totalidade você deve responder a pergunta:

Como traí a mim mesma? já que a traição provém da traição a si mesma. A deusa ordena que libere dos carretéis dominantes, a expectativa da manipulação.

ORAÇÃO

Vertentes escuras da noite

Que Blodeuwedd traga

consigo a minha sombra

pois é só através dela que

me será possível curar e transformar

Que seus ensinamentos,

Virginal Blodeuwedd

Nos ajude a enfrentar

nossos medos e não reprimi-los

Ajuda-nos também a entender

A morte como parte da vida

Pois somente ela

nos permitirá renascer.

Invoque Blodeuwedd para o amor, descoberta de traições, vencer inimigos e desafios, novos inícios e iniciações.

RITUAL

Procure um lugar reservado onde não possa ser perturbada por 30 minutos. Coloque um fundo musical relaxante. Sente-se com a espinha dorsal ereta e respire profundamente.

Feche os olhos e explore mentalmente seu corpo da cabeça aos pés. Inspire e expire novamente, liberando todas as suas tensões. Visualize agora árvores, muitas flores e o ruído aconchegante de uma fonte. Ao olhar em torno de você encontrará um banco pintado de branco, sente-se nele e aprecie demoradamente a linda paisagem.

Alguém se aproximará de você e verá que tal pessoa é uma cópia fiel sua. Ela se sentará a seu lado e começa então a chorar. Você deve perguntar-lhe o motivo para tanto sofrimento.

Aguarde então a sua resposta, ouvindo-a sem interrupção. Enquanto você escuta você, algo começará a crescer ao seu lado. É uma criança. Ela estará agora falando com a outra pessoa.

Texto pesquisado e desenvolvido por

Rosane Volpatto

Bibliografia Consultada

O Oráculo da Deusa - Amy Sophia Marashinski

Os Mistérios da Mulher - M. Esther Harding

Bruxas e heróis - Eisendrath Young

Os mistérios Celtas - John Sharkey

O Livro da Mitologia Celta - Claudio Crow Quintino

Druidismo Celta - Sirona Knight

Livro Mágico da Lua - D.J. Conway

A Grande Mãe - Erich Neumann

Os Mitos Celtas - Pedro Pablo G. May

Os Mistérios Wiccanos - Raven Grimassi

Foram consultados alguns sites na Internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário