Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

4 de mar de 2011

Deusa Leucoteia

Leucoteia–Deusa Marinha Grega

Ino e Baco, de John Henry Foley (1818-74)

Leucotéia, de Jean-Jules Allasseur (1862).

Leucoteia, do grego Leukothea, "deusa branca", é uma deusa marinha da mitologia grega, protetora dos marinheiros nas tempestades, que teria sido originalmente uma mortal - Ino, de Tebas ou Hália, de Rodes.

    Leucotéia de Tebas Editar a secção Leucotéia de Tebas

Átamas, rei de Orcômeno ou de Tebas, se casou em primeiras núpcias com Néfele e foi pai de Frixo e Hele. Tendo repudiado a primeira esposa, uniu-se a Ino (do radical proto-indo-europeu *weno, "água"), filho de Cadmo. A princesa foi mãe de dois filhos, Learco e Melicertes, mas, enciumada com os filhos do primeiro casamento de Átamas, procurou eliminá-los. Ambos foram, porém, salvos pelo aparecimento de um carneiro voador, de velo de ouro, presente de Zeus ou de Néfele, que conduziu Frixo até a Cólquida, porque Hele, por causa de uma vertigem, caiu no mar, no estreito chamado por isso de Helesponto, isto é, Mar de Hele.

Mais tarde, após a morte trágica de Sêmele, irmã de Ino, esta convenceu Átamas a receber das mãos de Hermes o recém-nascido Dioniso e criá-lo com os filhos do casal, Learco e Melicertes. Irritada com a acolhida ao filho adulterino do esposo, Hera enlouqueceu os reis de Orcômeno. Ino lançou seu filho caçula, Melicertes, num caldeirão de água fervente, enquanto Átamas, com um venábulo, matava o mais velho, Learco, tendo-o confundido com um veado. Ino, em seguida, atirou-se ao mar com o cadáver de Melicertes e Átamas foi banido da Beócia.

As divindades marinhas, compadecidas do infortúnio da rainha, transformaram-na numa nereida com o nome de Leucotéia e Melicertes se tornou o deus Palêmon. Mãe e filho tornaram-se os protetores dos marinheiros, sobretudo durante as grandes tempestades. Na Odisséia, Leucotéia aparece ao náufrago Odisseu e o salva da morte certa, dando-lhe conselhos e orientação e empresta-lhe um véu imortal que, colocado sob o peito do herói, o salvaria das ondas.

Conta-se que Sísifo instituiu os Jogos Ístmicos em memória de Melicertes.

 
versão de Eurípides Editar a secção versão de Eurípides

Na segunda tragédia de Eurípides, Ino, que retrata, mutatis mutandis, o mesmo tema, o poeta introduziu uma variante, enfocando o terceiro casamento de Átamas com Temisto, filha de Hipseu. No relato euripidiano, Ino, após a frustrada tentativa de eliminar Frixo e Hele, fugiu para a montanha e consagrou-se com as Bacantes ao serviço de Dioniso.

Átamas, crendo-a morta, uniu-se a Temisto, com a qual teve igualmente dois filhos, Orcômeno e Esfíngio. Ino, porém, retornou secretamente à corte e tendo-se dado a conhecer a Átamas, foi admitida como serva. Temisto soube que sua rival não morrera, mas ignorava-lhe o paradeiro. Tendo concebido a ideia de eliminar os filhos de Ino, Learco e Melicertes, confidenciou o projeto à nova serva do palácio. Esta, imediatamente, aconselhou a rainha que vestisse de preto os filhos de Ino e de branco os que a soberana tivera com Átamas, a fim de que, no momento de eliminá-los, pudessem ser distinguidos na escuridão. Ino, todavia, trocou-lhes a indumentária e a rainha acabou por matar os próprios filhos. Tomando conhecimento do trágico equívoco, a terceira esposa de Átamas se enforcou.

Leucotéia de Rodes Editar a secção Leucotéia de Rodes

Outra versão sobre Leucotéia, também como deusa marinha, a dá como originária da ilha de Rodes. Nessa versão, seu nome como mortal era Hália (de halos, "sal" ou "mar"), irmã dos Telquines que, unida a Posêidon, foi mãe de seis filhos e uma filha, Rodos, que deu nome à ilha que lhe serviu de berço.

Enlouquecidos por Afrodite, os filhos de Hália tentaram violentá-la. Posêidon, com um só golpe de tridente, sepultou-os nas entranhas da terra. Desesperada, Hália lançou-se ao mar e, com o nome de Leucotéia, passou a receber culto dos ródios como divindade marinha.

fonte: http://pt.fantasia.wikia.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário