Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

27 de mar de 2011

Mitologia Chinesa

Quanto à mitologia da China talvez seja uma cópia da própria organização hierarquizada de sua sociedade, pois assim como havia um governante máximo à frente de cada dinastia, também devia adorar-se um deus supremo, o qual recebia, ao mesmo tempo, obediência e reverência por parte das outras deidades.

Alguns dos seus chefes religiosos foram considerados, entre a população chinesa, como seres imortais ou encarnações da denominada "Origem Primeira", deidade que fazia parte de uma trindade de deuses com poderes para vencer o mal e os seus representantes. No entanto, o panteão chinês conta com uma grande variedade de deuses.

Os chineses também adoravam os fenômenos da natureza e as suas forças; consultavam os oráculos e participavam de um ritualismo rico em sacrifícios e esoterismo mágico. Muito especialmente, se pretendia uma longevidade perene - o mito da eterna juventude - que, mais tarde, aparecerá em todas as outras culturas e civilizações, especialmente na mitologia greco-latina.

O povo chinês tinha um deus especialmente dedicado a procurar juventude e viscosidade a todos os que o rogassem e, por isso, lhe ofereceram contínuos sacrifícios e preces. Esta deidade chamava-se Cheu-Sing e era a encarregada de guardar a vida dos humanos, pois, entre outras coisas, tinha poder para fixar o dia em que tinha de morrer uma determinada pessoa. Segundo a crença popular, se podia mudar a vontade deste deus oferecendo-lhe sacrifícios e participando dos diversos rituais em sua honra. Para tanto, bastava que Cheu-Sing prolongasse a data que tinha marcado de antemão e ampliasse o tempo de vida daqueles mortais que mais fidelidade tivessem demonstrado.

 

O Senhor do Céu

Segundo a mitologia chinesa há uma deidade superior, criadora do mundo e de tudo que existe, rei dos mortais e dos outros deuses. Recebe o nome genérico de "Venerável Celeste da Origem Primeira" que delegou todo o seu poder a um dos seus discípulos, o segundo dos três deuses - denominados os "Três Puros" - que compõem a trindade chinesa. O nome deste deus, que realiza a pesada tarefa que lhe encomendou o seu mestre, é "Senhor do céu". E chegará um dia em que também ele deixará que o seu sucessor leve a cabo o trabalho de ordenar e governar o universo inteiro. É um deus que se evoca pelo nome de "Venerável Celeste da Aurora".

Para levar a cabo a sua tarefa o Senhor do Céu conta com a ajuda de outras deidades afins. Deuses e deusas que realizavam muitas funções diferentes, desde afastar os maus espíritos até a predição de bons ou maus casamentos.

Todos os desejos e necessidades dos humanos ficavam satisfeitos assim que estes invocavam o deus apropriado. Por tudo isso, o número de deuses familiares era considerável. Mas não só cada casa, como também os bairros, as cidades e territórios contavam com os seus deuses protetores. As próprias deidades se ocupavam de que tudo funcionasse perfeitamente; e assim os deuses do lugar guardavam a terra, a rua, a casa e todos os seus moradores.

Em todos os lares havia uma imagem do "Deus do lar" que, geralmente, aparecia sob a figura de um ancião com barba branca. Junto ao ancião estava sua esposa, rodeada de animais domésticos, tais como porcos, galinhas, cães, cavalos, etc., simbolizando a fertilidade e o alimento.

 

O Reino dos Mortos

Segundo a tradição popular chinesa, as almas eram conduzidas ao reino dos mortos para serem julgadas. Nesse reino controlando a passagem para seu interior encontramos o "Deus da Porta".
Se tudo estivesse em regra, a alma podia passar e toparia imediatamente com o deus de "Muros e Fossas", que era o encarregado de submetê-la ao primeiro, e mais benigno, dos julgamentos. No entanto, os interrogatórios duravam quarenta e nove dias, um número pleno de conotações simbólicas entre muitos povos do extremo oriente:

"Este é o prazo de que necessita a alma de um morto para alcançar definitivamente a sua nova morada. É a terminação da viagem, durante os quais a alma permanecia retida nos domínios do deus de Muros e Fossas.”

Este deus pode condená-la ou entregá-la ao próximo juiz, passando então à presença do Rei “Yama", que se encarregará de decidir, após um novo interrogatório, se aquela é uma alma justa ou não. Se for o primeiro, a alma será enviada para um dos paraísos chineses - o que se encontra na "Grande montanha" ou "Terra da Extrema Felicidade de Ocidente", onde gozará de liberdade e felicidade eterna.

(Yama)

Se, pelo contrário, o "Rei Yama" sentenciou que se trata de uma alma pecadora então esta será lançada aos abismos infernais. Depois de sofrer dores e castigos sem fim, a alma chegará ao décimo lugar de perdição. Uma vez aqui será obrigada a reencarnar-se e poderá escolher entre um animal ou um humano.

Ao reencarnar em um animal, não perderá o seu antigo sentir humano e, por esse motivo, sofrerá quando a maltratem ou quando a matem. A alma reencarnada, antes de sair do décimo Inferno e dirigir-se para o lugar onde se encontra a "Roda das Migrações" ou “Roda da Vida”, deve beber o "Caldo do Esquecimento" para que guarde segredo de tudo que viveu anteriormente, tanto nas vidas passadas como nos domínios infernais.

Esta beberagem era preparada pela deusa que habitava a misteriosa casa edificada na saída do Inferno. Todas as almas que abandonassem aquele lugar tinham que beber o "Caldo do Esquecimento", pois só então lhes seria permitido continuar e consolidar a sua reencarnação.

 

O Sol e a Lua

Tanto o Sol como a Lua eram astros considerados como personificações de certas deidades. E não só os imperadores e a classe poderosa, mas também o povo apoiavam o culto às luminárias; pelo qual a veneração à Lua e ao Sol ficava convertida, ao mesmo tempo, em culto oficial e popular.

Eram ofereciam sacrifícios aos citados astros de acordo com o calendário. Os anos ímpares estavam consagrados ao Sol e os anos pares à Lua.

Ambas as luminárias apareciam também relacionadas com os dois princípios essenciais. O Sol era princípio ativo e, portanto, era associado com o "Yang"; ao passo que a Lua era princípio passivo, pelo qual aparecia sempre relacionada com o "Yin". Concebia-se a eternidade como um círculo que carecia de um princípio e que não tinha fim. O "Yang" e o "Yin" estavam dentro dela, como duas forças que se necessitam mutuamente e, pelo mesmo motivo, em vez de opor-se, se complementam.


 

Outras Deidades Chinesas

Cada profissão, ofício e trabalho, tinha a sua deidade protetora. Entre todos estes deuses, a tradição popular destacava o deus das letras e da literatura, como o mais importante. Era conhecido pelo nome de Went'chang e, segundo a lenda, antes de chegar a obter a distinção de protetor das letras e da literatura já tinha passado por dezessete existências.

O livro que tinha escrito o próprio deus era, por assim dizer, uma espécie de biografia e nele há relatos sobre as dezessete reencarnações. Também encontravam-se as regras a serem seguidas para agir com moralidade e retidão e, geralmente, se louvava o saber e a inteligência sobre quaisquer outros aspectos.

Mediante o saber e a inteligência se pode superar qualquer obstáculo e, ao mesmo tempo, equilibrar qualquer sofrimento. A sabedoria é como uma espécie de "candeeiro da câmara escura", o que significa que até nos momentos mais difíceis da vida, quando vemos tudo negro, quando nos achamos encerrados na "câmara escura" deste mundo dos mortais, sempre existirá a luz do "candeeiro" que proporciona o saber e a inteligência para, assim, tornar possível uma nova procura, uma solução inédita

Texto: Lara Moncay

Nenhum comentário:

Postar um comentário