Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

16 de abr de 2011

Deus Amon

Por Daniel Silva (2008); fonte: Templo do Conhecimento

Amon tornou-se uma divindade reconhecida fora de sua cidade natal, Tebas, em meados do 20° século antes de Cristo. Sua ascensão veio numa época difícil, repleta de conflitos políticos e militares externos e internos. Não foi sequer a primeira deidade a sair de Tebas, tendo montu, o Deus da guerra regional assumido os Faraós do final da 11ª dinastia. Amon veio a proteger um jovem Príncipe, de nome Amenemhat, ascende ao trono. A adoração do jovem príncipe pela deidade fica patente em seu nome: “Amon é Supremo”, e durante seu longo reinado a adoração a Amon não cessou de crescer. Mesmo habitando na junção do delta do Nilo com o vale do rio Nilo, a cidade de Mênfis (ou Mennofer), o príncipe incentivou a construção de Templos, e deu poderes cada vez maiores ao Clero de Amon, chegando a fazer frente a diversos governadores que poderiam romper a ordem, e desafiar o Faraó (resquícios perturbadores do 1° período intermediário). De fato, em seu longo reinado (1991 – 1962 a.C.) foi pontuado por conquistas militares, inclusive de parte da Núbia. A sua popularidade, daí em diante, não parou de crescer, seja pelo mistério como deidade do oculto, ou como senhor do vento que sopra, que é a sua voz. Segundo registros, o Faraó morreu assassinado, mas sua obra em propagar o culto a Amon estava completa, a ponto de sua popularidade iniciar um lento processo de fusão de Amon com Rá, que só veio a se completar séculos depois.
Apesar dos sucessores de Amenemhat I a principio se colocarem sobre a proteção de outros Deuses, Amon ainda era uma divindade poderosa, e a prova disso é que o bisneto deste e seus descentes usaram o mesmo nome em glória a Amon (Amenemhat II e III). Com o segundo período intermediário, e a transferência da capital para Tebas, seu poder alcançou o apogeu com a construção do grandioso complexo Luxor-Karnak, sob Amenhotep I donde o Deus entronizou-se como divindade nacional, Deus dos Deuses. A sua adoração foi á adoração do Novo Império, com riquezas e esplendor, e com um clero que podia derrubar dinastias como a como no caso de Akhenaton. Seus animas sagrados eram o Carneiro de chifres recurvados, e o ganso, esse último pouco utilizado. Mas sua representação mais curiosa e usada era a de um homem trajado como um Faraó, com lendários olhos verdes, formados por duas grandes Esmeraldas.
Talvez o aspecto mais secreto e curioso de Amon seja a sia, a intuição divina, um dom tido pelo rei das duas terras, que permitia ao Faraó ter um sexto sentido a respeito de seus atos e daqueles que o cercavam. Amon era quem concedia(ou não) esse dom.
É difícil, até impossível marcar o “fim” da divindade Amon. Sabe-se que até o renascimento Saíta foi cultuado, mas jamais como um dia fora. Tal como em 2.000 a. C., o Egito precisava de divindades que pudessem ser sincretizadas com os deuses de seus invasores. Amon era a divindade suprema, que reinou sobre povos inteiros na Ásia, e como identificá-la dessa forma? Registros do Império Meróitico (situado no sul da Núbia) mostram que seus reis tinham certo respeito por Amon, e os imperadores Persas tivessem continuado a se intitularem Faraós do Egito e Filhos de Amon e Rá, esse era apenas mais um dentre os diversos títulos. Mas nem todos foram assim, a exemplo dos conquistadores gregos, que esqueceram dos antigos deuses do povo, venerando ou invés deles Divindades Gregas sincretizadas, tais como Serapis, Thot e Isis. Tebas ainda existia, mas não tinha como se manter, e os templos caiam diante dos olhos do clero. Talvez no fim, em Philae, algum sacerdote solitário ainda se lembrasse de Amon, e orasse para esse Deus, e recordasse dos mistérios de Karnak e Luxor. Mas era tarde demais.
A época de Amon já passara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário