Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

29 de abr de 2011

Glossário Grego (J)

(autoria desconhecida)

JASÃO: Príncipe do reino de Iolca, filho do rei Éson e da rainha Alcímede. Logo depois do nascimento de Jasão, o trono de Iolca é usurpado por Pélias. Jasão é enviado para a Tessália para ser educado pelo centauro Quirão. Completada sua maioridade, Jasão retorna à Iolca para reclamar o trono. O povo, que detesta o tirano Pélias, apoia Jasão. Pélias, temeroso de matar o herói, propõe uma tarefa que, se cumprida, proporcionará o trono a Jasão. Este terá que ir para a Cólquida, reino do rei Eetes e trazer de lá o Velo de Ouro. Para a viagem, um navio é construído, segundo as instruções de Atena, que é a protetora do herói. Jasão faz anunciar a viagem aos quatro ventos, pedindo a heróis destemidos que estejam em busca de aventura que se apresentem para participarem da expedição. Vários heróis se apresentam, entre eles, Héracles, Teseu e o Deus da Medicina, Esculápio. O navio recebe o nome de Argo e os navegantes, Argonautas. Uma vez na Cólquida, o rei Eetes, não querendo perder o Velo de Ouro, impõe aos heróis uma tarefa aparentemente impossível: há no lugar dois touros perigosos, com chifres e cascos de bronze e que lançam fogo pelas narinas. Jasão deverá atrelar os touros a um arado e arar um campo onde deverá semear dentes de dragão. Da semeadura, brotarão homens armados, lutadores perigosos, que deverão ser exterminados. Jasão é auxiliado por Medéia, a filha do rei, que é uma feiticeira competente. Terminada a tarefa com sucesso, Jasão mata o dragão que guarda o Velo de Ouro e, com Medéia, embarca no navio e se prepara para fugir. Sabedor do feito, Eetes vem ao encalço deles com seu exército. Para retardar o pai, Medéia esquarteja o próprio irmão, Absirto e lança os pedaços no caminho. O crime causa a fúria de Zeus e este envia uma tempestade que afasta o Argo de sua rota. De volta, afinal, à Iolca, o rei Pélias não se decide a passar o trono a Jasão. Medéia, impaciente, causa a morte do velho rei. Mas a coisa desanda, pois Acasto, o filho do usurpador, por sua vez, usurpa o trono e expulsa o casal que vai para Corinto, onde Jasão apaixona-se por Creusa, a filha do rei Creonte e abandona Medéia. Medéia mata Creusa e, não satisfeita, mata também os seus próprios dois filhos que teve com Jasão e volta para a Cólquida num carro puxado por dragões. Tempos depois, Jasão tem uma morte pouco heroica: dormindo à sombra do navio Argo que fora puxado para a terra, ele é esmagado quando uma parte do mastro cai-lhe em cima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário