Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

31 de mai de 2011

Deusa Sedna

(não consta a autoria, mas acredito que seja da Rosane Volpatto)


Meus dedos foram decepados bateram em mim fui ferida machucada mentiram para  mim fui traída fui abandonada
Meu sofrimento era imenso mas lá embaixo nas profundezas no coração do oceano onde me deixaram para morrer compreendi minha impotência o modo como vivi minha vida
desamparada e com medo sempre numa atitude passiva em vez de ativa e percebi o que fiz

A medida que a compreensão expandiu minha consciência peixes e mamíferos aquáticos
cresciam dos meus dedos cortados Transformei-me num "velho parto de comida" Aquela que sustentou sua gente
Não mais uma vítima.

As terras do Círculo Polar Ártico são estéreis e congeladas. Cultivar é praticamente impossível e até recentemente os povos que lá habitam, dependiam da caça e da pesca como única fonte de sobrevivência. Não de surpreender então, que tanto os animais como o mar, desempenham um papel importante em sua mitologia.
Não há nenhum deus supremo na mitologia dos Inuit (esquimós), mas sim diversos espíritos que controlam as forças da natureza. O mais importante deles é Sedna.
Sedna, com seus cabelos da algas, considerada a deusa do mar e das baleias, era uma bela mulher que vivia em companhia de seu pai, enfrentando muitas dificuldades. Sua vida não era realmente nada boa, pois a caça e a pesca, estavam escassas e além disso. encontrava-se muito insatisfeita com os muitos admiradores que a cortejavam. Enfeitiçada por uma gaivota que lhe prometeu muito alimento e servas, ela foi viver com o povo dos pássaros. Em vez do prometido, Sedna foi forçada a viver no meio de muita sujeira e miséria. Quando seu pai veio visitá-la, lamentou-se e pediu que ele a levasse de volta através das águas. O povo dos pássaros perseguiu os dois e, para salvar a vida da filha, o pai de Sedna derrubou-a no mar. Ela apavorou-se e tentou subir novamente ao barco, foi quando então seu pai cortou-lhe os dedos, que imediatamente se transformaram em peixes e mamíferos marinhos.
Sedna submergiu e alcançou o Adlivum, o infra mundo esquimó, onde agora governa os mortos. É no Adlivum que as almas se purificam para depois seguirem sua jornada à terra da lua (Quidlivun), onde encontrarão descanso e paz eterna. Quando um inuit morre, ele é envolvido em uma pele de caribu e enterrado. Os corpos dos idosos têm seus pés apontado para oeste ou sudoeste, os pés das crianças devem apontar para leste, dos adultos para sudoeste e dos adolescentes para o sul. Os mortos são velados pelos parentes por três dias com as narinas fechadas com pele de caribu.
Para assegurar-se da garantia de boas caçadas e fartas pescarias, os xamãs-esquimós descem para visitá-la, pintando-se e mutilando as mãos. Entretanto, esta viagem é arriscada, com muitos pedregulhos e espíritos maus

pelo caminho. Chegando até o castelo de Sedna, o xamã tem a obrigação de pentear seus cabelos e deixá-los
limpos para que ela liberte as criaturas do mar para os seres humanos.
Na Groenlândia é chamada de Arnakuagsak e no Alasca de Nerrivik. Esta deusa é a protetora dos mares profundos, senhora da vida e da morte, nutridora e guardiã de seu povo, desde que ele respeite as suas leis. Acredita-se que ela tenha o supremo controle dos destinos da humanidade, e quase todos os ritos observados pelas tribos esquimós, têm por objetivo apaziguar-lhe a ira. Sua morada é no mundo inferior, onde vive em uma casa construída de pedra e costelas de baleia. As almas das focas e das baleias procedem, ao que acreditam os esquimós, da sua morada. Quando um desses animais é morto, a alma fica com o corpo durante três dias, retornando em seguida à morada de Sedna, para que esta a mande de volta novamente. Se, durante os três dias em que a alma fica com o corpo, qualquer tabu ou lei é violada, a violação (pitssete) atinge a alma do animal, provocando-lhe dor. A alma luta, em vão, para libertar-se dessa influência, mas é obrigada a levá-la para Sedna. A violação que se prendeu à alma do animal morto provoca, de uma forma que não é explicada, feridas nas mãos de Sedna, e ela castiga as pessoas que são a causa de suas dores, mandando-lhes doenças, mau tempo e fome. Se, por outro lado, os tabus forem respeitados, os animais marinhos se deixarão pegar, e irão até mesmo de encontro ao caçador. O objetivo dos numerosos tabus em vigor depois de abatido um desses animais do mar é, portanto, impedir que a alma sofra consequências que também iriam magoar Sedna.
Os esquimós não eram um povo ambicioso, pelo contrário, acreditavam que possuir bens em demasia podia trazer azar para a comunidade. Por isso, no dia de comemoração à deusa Sedna, jovens com rostos pintados iam de casa em casa recolhendo comida e peles. No final do dia, as provisões eram distribuídas para aqueles que não tinham o necessário para sobreviver durante o inverno.
Para o olhar que receia, tudo é ameaçador, mas Sedna chega até nós para nos lembrar que em lugares profundos e esquecidos podem ser encontrados preciosos tesouros. É mergulhando em no nosso íntimo que descobriremos o senso de nossa própria beleza.
A deusa Sedna está dando também seu nome ao décimo planeta recém descoberto em nosso sistema solar. Seus símbolos: a água, o olho e os peixes.
Dentre todos os povos "primitivos" que sobreviveram na terra, os inut são os que mais fascinação continuam provocando por sua extraordinária maneira com que enfrentam as duríssimas condições de vida e também por sua peculiar cultura.

DANCE SUA VÍTIMA

Reserve um horário e um lugar em que não seja interrompida. Coloque uma música e a acompanhe com um tambor ou chocalho. Escolha um lugar bem espaçoso onde possa ter bastante liberdade para se movimentar.
Visualize a deusa Sedna e peça para que ela se faça presente. Respire fundo e relaxe. Quando estiver pronta, ligue a música e toque o tambor ou chocalho. Comece dizendo em voz alta:
"Eu sou uma vítima!"
E continue afirmando isso várias vezes. Deixe que o canto a leve para onde você precisa ir. Grite, lamente e fale tudo que lhe vier na cabeça. Deixe vir à tona o que for necessário vir. Deixe que seu corpo expresse através da dança todos os seus sentimentos. Libere total! Bata os pés com força no chão para extravasar toda a sua raiva. Não hesite em colocar para fora tudo o que está sentindo e continue dançando até se sentir liberta destes sentimentos.
Agora entoe as palavras:
Tu sou forte!" e acompanhe a música com movimentos até sentir-se totalmente poderosa, forte e segura. Respire fundo e solte o ar lentamente. Agradeça a Sedna pela sua companhia e ajuda. Seja bem vinda, agora você é uma mulher de poder!

Um comentário: